Colombo anuncia nesta sexta a extinção de estatais e negocia novo secretariado com PSDB e PMDB - Economia - O Sol Diário

Mudanças na máquina10/11/2016 | 20h28Atualizada em 10/11/2016 | 20h34

Colombo anuncia nesta sexta a extinção de estatais e negocia novo secretariado com PSDB e PMDB

Codesc, Bescor e Cohab serão alvo da reforma administrativa

Colombo anuncia nesta sexta a extinção de estatais e negocia novo secretariado com PSDB e PMDB Cristiano Estrela/Agencia RBS
Governador concede entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira para falar do cronograma financeiro até final do ano Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS
upiara boschi
upiara boschi

Passadas as eleições municipais, o governador Raimundo Colombo (PSD) intensifica as tratativas para mudanças na máquina estadual. Hoje, ele vai anunciar em entrevista coletiva a extinção de três estatais: Codesc, Cohab e Bescor. Nos próximos dias, ele avança na reforma do secretariado em que pretende abrir espaço para a adesão do PSDB ao governo.

A extinção das estatais vem sendo costurada desde 2014, quando um estudo contratado à consultoria externa Roland Berger apontou a necessidade de extinguir e fundir órgãos estaduais. Desde então, a estrutura foi enxugada com planos de demissão incentivada. Até o final do ano, deve ser votada na Assembleia Legislativa a extinção. Dessas, a mais emblemática é a Codesc — criada em 1975 para coordenador o sistema financeiro do Estado. A estatal acabou esvaziada nos últimos anos, especialmente após a criação da SC Parcerias em 2005.

Enquanto define as mudanças na máquina, o governador Raimundo Colombo também acerta os últimos detalhes da reforma do secretariado. Duas peças já têm substituição garantida: as secretarias de Administração e de Turismo, Cultura e Esporte. Por motivos pessoais, João Mattos (PMDB) pediu para deixar o governo e será substituído por outro peemedebista na Administração. O favorito para assumir é Milton Martini (PMDB), que ocupou o mesmo posto no primeiro ano do governo Colombo, em 2011. A saída de Filipe Mello (PR) da pasta de Turismo, Cultura e Esporte é motivada pela decisão do PR de deixar a base de apoio a Colombo, anunciada na segunda-feira. De acordo com o presidente estadual da sigla, o deputado federal Jorginho Mello, a legenda desembarca para construir um projeto próprio para as eleições de 2018.

Nos bastidores, a avaliação é de que o PR antecipou-se e evitou o desgaste de ter que ceder a pasta ao PSDB na reforma do secretariado. Embora os tucanos ainda esperem pelo convite oficial do Centro Administrativo, o nome do ex-governador Leonel Pavan (PSDB) é citado como favorito para substituir Filipe Mello. Outra pasta que caberia aos tucanos seria a Saúde, hoje comandada pelo deputado federal licenciado João Paulo Kleinübing (PSD). O pessedista voltaria para Brasília e o favorito para assumir o cargo é o médico e deputado estadual Vicente Caropreso (PSDB). Na tarde de ontem, a bancada tucana na Assembleia Legislativa se reuniu e tratou do assunto. Marcos Vieira, deputado estadual e presidente do PSDB-SC, enfatizou que o convite para tucanos assumirem cargos no governo estadual ¿não passa de mera especulação¿ e que Colombo ¿não procurou o partido para nenhuma reunião ou conversa em que se tratasse deste tema¿. O convite oficial ao PSDB deve ser feito na próxima semana.

Além dessas mudanças, outra troca no horizonte envolve o PMDB e a Secretaria de Administração. O secretário João Carlos Ecker (PMDB) cederia a vaga ao deputado estadual Luis Fernando Cardozo, o Vampiro (PMDB). O parlamentar é suplente, mas vai ganhar status de titular com a renúncia de Gean Loureiro (PMDB) para assumir a prefeitura de Florianópolis em janeiro. O movimento busca reforçar o peso da bancada estadual junto ao governo, assim como o do vice-governador Eduardo Pinho Moreira (PMDB), a quem Vampiro é ligado politicamente.

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros