Comissão aprova Orçamento de R$ 3,7 trilhões para 2017 e texto segue para plenário - Economia - O Sol Diário

Congresso15/12/2016 | 07h56

Comissão aprova Orçamento de R$ 3,7 trilhões para 2017 e texto segue para plenário

Peça orçamentária prevê crescimento do PIB de 1,3%, inflação em 4,8% e câmbio médio projetado em R$ 3,43 no próximo ano

Comissão aprova Orçamento de R$ 3,7 trilhões para 2017 e texto segue para plenário Pillar Pedreira/Agência Senado
Foto: Pillar Pedreira / Agência Senado
Agência Brasil
Agência Brasil

A Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) aprovou, na quarta-feira, o texto-base do Orçamento da União para 2017, que fixa os gastos federais em R$ 3,7 trilhões e estabelece o salário mínimo em R$ 645,80 para o próximo ano. Este primeiro Orçamento feito dentro das regras da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do teto dos gastos públicos, que deve ser sancionada esta semana. A expectativa é que o texto seja colocado em votação em sessão do Congresso Nacional nesta quinta-feira. No entanto, na madrugada de quarta, ainda faltavam três destaques para serem votados.

Segundo o texto, que teve relatoria do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), o produto interno bruto (PIB, soma das riquezas produzidas em um país) tem previsão de crescimento de 1,3% e a estimativa é de que a inflação fique em 4,8%. A taxa Selic prevista é 12,11%, enquanto o câmbio médio foi projetado para R$ 3,43 por dólar.

Leia mais



Dos R$ 3,7 trilhões previstos para o Orçamento, R$ 46,4 bilhões serão destinados para o refinanciamento da dívida pública. Braga disse que seu relatório foi elaborado com base na PEC do Teto e as despesas primárias foram corrigidas em 7,2%, que é a inflação estimada para 2016.

O senador também explicou que, em função da PEC, o mínimo constitucional referente à saúde (15% da receita corrente líquida) passa a vigorar em 2017 e não em 2020. 

— Isso permitiu que passássemos de R$ 105,5 bilhões para R$ 115 bilhões o Orçamento da área — disse, lembrando que, no ano que vem, a educação receberá R$ 85,6 bilhões.

As despesas com pessoal e encargos sociais serão de R$ 306,8 bilhões, um aumento de 10% em relação a 2016. O texto também prevê R$ 90 bilhões para investimentos em estatais, como a Petrobras e a Eletrobras, R$ 58,3 bilhões para investimentos com recursos do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social e R$ 29,3 bilhões para o Programa Bolsa Família.

Como o texto ainda segue para votação no Plenário, ainda pode sofrer mudanças, inclusive no valor do teto dos gastos.


Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioItajaí quer resgatar circuito de festas de outubro com a Marejada https://t.co/GRRdR1WtAGhá 20 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioHercílio Luz fica mais próximo do acesso e briga esquenta na outra semi https://t.co/oChe7OqIRrhá 17 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros