Dólar fecha acima de R$ 3,47, no maior valor em quase seis meses - Economia - O Sol Diário

Economia02/12/2016 | 19h18Atualizada em 02/12/2016 | 19h18

Dólar fecha acima de R$ 3,47, no maior valor em quase seis meses

Com o desempenho desta sexta-feira, a moeda norte-americana fechou a semana com alta de 1,7%, mas acumula queda de 12% em 2016

Dólar fecha acima de R$ 3,47, no maior valor em quase seis meses Bruno Alencastro/Agencia RBS
Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS
Agência Brasil
Agência Brasil

Em mais um dia de turbulência no mercado financeiro, o dólar subiu e voltou a fechar no maior valor em quase seis meses. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira vendido a R$ 3,472, com alta de R$ 0,004 (0,12%). Foi a mais alta cotação desde 14 de junho (R$ 3,48).

A divisa operou em queda durante a maior parte do dia, mas subiu perto do fim da sessão. Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana fechou a semana com alta de 1,7%, mas acumula queda de 12% em 2016.

Leia mais:
Na economia, o Brasil apostou contra o mundo e perdeu, diz o historiador
Cresce número de jovens que nem estudam nem trabalham no Brasil
Produção industrial cai 1,1% em outubro, revela IBGE

Depois de sete sessões sem intervir no mercado de câmbio, o Banco Central (BC) rolou (renovou) contratos de swap cambial tradicional que venceriam em janeiro. Essa operação equivale à venda de dólares no mercado futuro e tem como objetivo conter a alta da moeda norte-americana.

No mercado de ações, o dia foi de recuperação. Depois de ter registrado na quinta-feira a maior queda diária em 10 meses, o Ibovespa, índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou com alta de 1,36%, aos 60.316 pontos. As ações da Petrobras, as mais negociadas, subiram 2,42% (papéis ordinários, com direito a voto em assembleia de acionistas) e 2,53% (papéis preferenciais, com prioridade na distribuição de dividendos).

O dólar subiu no dia em que executivos da Odebrecht assinaram o acordo de delação premiada. No cenário externo, o câmbio foi influenciado por dados do mercado de trabalho nos Estados Unidos, que apontaram taxa de desemprego de 4,6% em novembro, o menor nível em nove anos.

A recuperação dos Estados Unidos serve de estímulo para o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) aumentar os juros da maior economia do planeta na próxima reunião do órgão, nos dias 13 e 14. Taxas mais altas nas economias avançadas atraem mais recursos para países desenvolvidos e estimulam a fuga de capitais em países emergentes, como o Brasil.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMarcelo Cabo fala em desequilíbrio e se diz focado no Figueirense https://t.co/bspWN7r1wthá 3 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioProjeto para garantir cidadania a detentos começa por Itajaí https://t.co/790K7hgZ6vhá 3 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros