Mudanças nas leis trabalhistas não vão comprometer direitos, afirma ministro  - Economia - O Sol Diário

Relações de trabalho26/12/2016 | 20h59Atualizada em 26/12/2016 | 21h17

Mudanças nas leis trabalhistas não vão comprometer direitos, afirma ministro 

Segundo Ronaldo Nogueira, minirreforma deve criar condições para a geração de 5 milhões de empregos no país

Mudanças nas leis trabalhistas não vão comprometer direitos, afirma ministro  André Ávila/Agencia RBS
Ministro espera que medidas sejam votadas rapidamente pelo Congresso Foto: André Ávila / Agencia RBS

Lançada na semana passada, a minirreforma na legislação trabalhista será uma das prioridades do governo Michel Temer na largada do próximo ano. Em passagem por Porto Alegre nesta segunda-feira, o ministro do Trabalho e Previdência Social, Ronaldo Nogueira, que evita chamar as alterações de reforma — prefere o termo modernização —, garantiu que as medidas não afetarão os direitos dos trabalhadores. 

Leia também
Como saber se você tem uma conta inativa no FGTS e como consultar o saldo
Fazenda poderá exigir de Estados medidas mais duras, diz Temer

Nogueira reforçou que o Planalto pretende criar condições para que sejam gerados mais de 5 milhões de empregos e disse que os trabalhadores não ficarão fragilizados com a possibilidade de alterações no cumprimento da jornada de trabalho, entre outras mudanças anunciadas.

— O objetivo principal é criar oportunidade de emprego para o trabalhador e assegurar ao que está empregado que ele não vai perder o emprego — resumiu.

Confira a entrevista abaixo.

Como a minirreforma ajudará a aumentar o número de empregos? O governo tem alguma meta em vista?

O Brasil tem capacidade de, com a modernização do trabalho temporário e o contrato por jornada parcial, gerar até 5 milhões de empregos em dois anos.

O governo apresentou as medidas como sendo algo consensual, mas a CUT, por exemplo, fez uma nota muito crítica às propostas. Com quem isso foi discutido?

A CUT tem um assento na comissão tripartite que trata dos assuntos da legislação do trabalho. Conversei com lideranças da CUT noticiando para ela e para outras cinco centrais. Todas são importantes e o nosso compromisso era de não surpreendê-las com a proposta.

Então o senhor apenas noticiou, mas não chamou para discutir?

Noticiei. A gente vem conversando. Há um consenso entre as centrais da necessidade de modernização da legislação para gerar empregos. Elas sempre manifestam preocupação com a precarização dos direitos, mas assegurei a elas e asseguro ao trabalhador brasileiro que a proposta não vai precarizar direitos. Pelo contrário, vai consolidar e aprimorar direitos. Toda crítica é importante porque tem efeito pedagógico. (Assessores interrompem para dizer que a CUT conheceu a proposta)

O país tem hoje mais de 12 milhões de desempregados. Essas medidas atacam o problema a curto prazo?

A proposta é de modernização da legislação. Não é reforma nem minirreforma. Com a alteração de um artigo e 12 incisos, estamos quebrando paradigmas no mundo das relações do trabalho, consolidando direitos e trazendo oportunidade de ocupação para todos. É mais a médio e longo prazos. 

O procurador-geral do Trabalho e magistrados ligados à área se manifestaram dizendo que há pontos inconstitucionais na minirreforma proposta pelo governo. O Planalto está seguro de que as medidas não serão judicializadas?

A grandeza do Direito é a flexibilidade de interpretação. A modernização tem objetivo de gerar empregos sem comprometer direitos. Um dos direitos fundamentais para a dignidade humana é o direito ao emprego. Se o modelo atual, sem modernização, é um dos impedimentos para gerar emprego, precisamos ter coragem e gerar paradigmas.

O governo considerou a minirreforma um presente de Natal para os trabalhadores, mas fora a possibilidade de sacar o dinheiro do FGTS de contas inativas (cujo calendário ainda será divulgado), no que o trabalhador se beneficia de uma reforma que permitirá jornadas mais longas, redução no intervalo de almoço e parcelamento de férias?

Você se coloque no lugar do trabalhador que ontem à noite não tinha o pão para colocar na mesa dos filhos. Daí as crianças foram dormir com fome e hoje não tinham o café. E esse trabalhador não tem endereço para trabalhar, ele sai procurando emprego e encontra as portas fechadas. O objetivo principal é criar oportunidade de emprego para esse trabalhador e assegurar ao que está empregado que ele não vai perder a função.

Com o aumento do número de desempregados, as classes trabalhadoras já estão mais vulneráveis nas negociações com as empresas. O pacote do governo não fragiliza ainda mais esses trabalhadores?

Não. A representação sindical é eleita pelo trabalhador. Então, se parte do pressuposto de que ele confia naquele representante sindical que escolheu. O trabalhador não é um incapaz, que precise ser tutelado pelo Estado em todos os seus aspectos. Tem de ter o direito de escolher a forma mais vantajosa para si.

Em que casos vai ser permitida jornada de 12 horas e qual será a limitação?

Não está e não estará na agenda do governo proposta de aumento de jornada de trabalho. A jornada permanece padrão, com oito horas diárias e 44 semanais. Porém, o trabalhador, nos termos do acordo coletivo, poderá ver a forma mais vantajosa de executar a jornada de 44 horas semanais. Algumas categorias preferem trabalhar de segunda a sexta e folgar no sábado. Outras preferem trabalhar 12 horas e folgar 36 horas, mediante acordo coletivo. Não está havendo aumento de jornada.

O que não será negociável na convenção coletiva?

Os direitos do trabalhador especificados na cláusula sétima da Constituição são garantidos, como o 13º, o Fundo de Garantia, os direitos essenciais como vale-transporte, férias, vale-alimentação. A proposta não vai comprometer direitos. Vai aprimorar.

Nada disso poderá ser negociado no acordo coletivo?

Isso vai continuar garantido. A convenção coletiva vai definir a forma mais vantajosa para usufruir dos seus direitos.

Algumas propostas precisam passar no Congresso. Como será a negociação para que sejam aprovadas?

Conversamos durante seis meses com sindicatos, associações, federações, tanto de trabalhadores quanto de empregadores. Agora, o projeto vai para outro ambiente. Vou conversar com os 513 deputados federais. Sou deputado federal, tenho certeza de que o Congresso não vai jogar contra o Brasil. A reforma é para o bem do trabalhador e para o bem do empregador.

As propostas serão analisadas em quanto tempo?

O Brasil tem pressa. Esperamos que sejam apreciadas o quanto antes.

O governo anunciou que outras medidas vêm por aí. O que mais está no horizonte?

Todo o processo foi construído por meio de diálogo amplo e permanente, ouvindo todas as partes envolvidas, e qualquer proposta que venha a acrescentar terá o mesmo método. A orientação do presidente Temer é de que o diálogo seja permanente.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioConheça as histórias dos dinossauros que "habitam" Palhoça  https://t.co/vdBHzW2iehhá 22 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioDiego Giaretta lamenta empate do Criciúma em casa: "Erro nosso, não tem o que reclamar" https://t.co/TuLwXdUwEohá 9 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros