No penúltimo dia do período ordinário, Alesc aprova projeto que regulariza doações da Celesc - Economia - O Sol Diário

Política14/12/2016 | 19h52Atualizada em 14/12/2016 | 22h06

No penúltimo dia do período ordinário, Alesc aprova projeto que regulariza doações da Celesc

Havia 33 projetos para serem apreciados antes da apreciação da Lei Orçamentária Anual

upiara boschi
upiara boschi

No penúltimo dia de sessões de 2016, a Assembleia Legislativa limpou uma pauta com 33 projetos para deixar apenas a votação da Lei Orçamentária Anual para o encerramento dos trabalhos na manhã desta quarta-feira. Todos as propostas foram aprovadas, incluindo a que tenta regularizar a operação financeira que destinou quase R$ 1 bilhão em impostos da Celesc para o Fundo Social entre 2015 e 2016, evitando a divisão de 25% dos recursos para os municípios e de 21,8% para poderes e órgãos.

Com a operação, as prefeituras deixaram de receber R$ 248 milhões no período, enquanto o débito com os poderes Legislativo e Judiciário e com Ministério Público de SC, Tribunal de Contas do Estado e Udesc chegou a R$ 130 milhões. O governo alegou que fez a transação avalizado por um convênio do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), mas a prática foi apontada como irregular pelos técnicos do TCE. O projeto aprovado assume as dívidas e estabelece como serão pagas pelo Poder Executivo.

Inicialmente, o acordo previa de forma clara apenas o ressarcimento ao TJ e ao MPSC - utilizando para isso a transferência de parte do orçamento da Alesc para as instituições. Na manhã desta quarta-feira a Comissão de Finanças referendou as emendas apresentadas pelo deputado estadual Valdir Cobalchini (PMDB) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que determinaram que o pagamento aos municípios deverá ser feito em 36 parcelas a partir de junho do ano que vem. O mesmo prazo vale para a Udesc, credora de R$ 14 milhões.

- Com as emendas, a proposta alcança todos aqueles que teriam direito à repartição desses valores. O projeto, tal qual aprovado pelas comissões, resolve e regulariza toda a questão - afirmou Cobalchini em plenário, ao recomendar à bancada do PMDB o voto favorável.

A operação envolvendo a Celesc e o Fundo Social baseou um pedido de impeachment do governador Raimundo Colombo (PSD) assinado por 29 entidades sindicais que o acusam de cometer pedaladas fiscais. O pedindo foi arquivado na terça-feira pelo presidente da Alesc, Gelson Merisio (PSD). No plenário, o projeto foi aprovado por 27 votos a nove. Foram contrários os cinco deputados da bancada do PT e os parlamentares Fernando Coruja (PMDB), João Amin (PP), Mario Marcondes (PSDB) e Maurício Eskudlark (PR).

- Este projeto de lei objetiva revestir de legalidade a contabilização de recursos tributários de forma irregular, quando na verdade realizou uma contabilização ilegal e apropriação de recursos  - criticou Dirceu Dresch (PT) na tribuna.

A proposta aprovada pela Assembleia deve ser sancionada pelo governador Raimundo Colombo. A operação financeira é alvo de um processo específico no TCE, atualmente em análise no Ministério Público de Contas. A expectativa no órgão é de que o julgamento aconteça em março.


 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioSemelhanças e diferenças nos projetos sobre terceirização https://t.co/Ktky4BxPo9há 42 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioHomem é morto a tiros no bairro Fátima, na zona Sul de Joinville https://t.co/TGxpXbBYNLhá 57 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros