Congresso tem pelo menos 10 temas polêmicos pela frente - Economia - O Sol Diário

Tensão a vista31/01/2017 | 22h00Atualizada em 31/01/2017 | 22h00

Congresso tem pelo menos 10 temas polêmicos pela frente

Reformas da Previdência e trabalhista são prioritárias para o governo de Michel Temer, que quer garantir eleição de aliados no comando das Casas

Congresso tem pelo menos 10 temas polêmicos pela frente Antonio Augusto/Câmara dos Deputados
Governo prepara mobilização para aprovar medidas Foto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

Depois de um dos anos mais conturbados da história, o Congresso retoma suas atividades com pauta extensa e polêmica pela frente. As reformas previdenciária e trabalhista, propostas pelo governo de Michel Temer, deverão dominar os debates no primeiro semestre. Como são temas que afetam milhões de pessoas, as atenções, mais uma vez, estarão voltadas para a Câmara e o Senado. Movimentos sociais já apostam em nova onda de protestos não só em Brasília, mas em todo o país.

Leia também
Planalto aposta na eleição do comando do Congresso para garantir votações 
Renan é escolhido novo líder do PMDB no Senado
Maia anuncia candidatura à reeleição para presidente da Câmara

Para Marcos Verlaine, analista político do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), a pauta do Congresso em 2017 será a pauta do Executivo. Projetos de interesse do Planalto, segundo ele, serão apreciados sem grandes dificuldades.

— O tema mais importante para o governo é, sem dúvida, a reforma da Previdência. Do jeito que está formatada, compromete a Previdência pública e cria onda de incertezas crescente — afirma.

Braço direito de Temer na Câmara, Darcísio Perondi (PMDB-RS) diz que o governo espera aprovar e sancionar as reformas da Previdência e trabalhista até junho. Conforme Perondi, a PEC do teto dos gastos, da qual foi relator, aprovada em 2016, "não vive sem a reforma da Previdência".

— O ano vai ser turbulento — porque tem o imponderável da Lava-Jato, que é necessário e profícuo. Se aprovarmos essas duas propostas, o ano já foi ganho — projeta.

Leia mais
Previdência dos servidores federais tem déficit de R$ 77,1 bilhões
"Esta não é a reforma de que a gente necessitaria", avalia professora da PUC-SP 

Apesar do otimismo, os governistas sabem que a tarefa não será fácil. Ciente da dificuldade para alterar a Previdência, o Planalto prepara uma força-tarefa, nos moldes da usada na PEC do Teto. Além da campanha publicitária em andamento, deputados serão levados para "cursinhos" com técnicos da equipe econômica e da Câmara.

Hoje, a reforma enfrenta resistências dentro da base de Temer. O PP não garante fidelidade. Jerônimo Goergen (PP-RS) critica as mudanças na aposentadoria rural.

— Precisamos ter mudanças, o projeto como está precisa ser adequado. Não tenho posição definitiva sobre a votação — diz Goergen.

Na Câmara, a abertura do ano legislativo será na quinta-feira, mas votações, de fato, só devem começar depois do Carnaval. As disputas para composição das comissões devem se estender por fevereiro. No Senado, medidas provisórias trancam a pauta, como a reforma do Ensino Médio, que levou estudantes a ocuparem escolas em 2016.

Os 10 temas que devem agitar o Legislativo

Reforma da Previdência

Enviada ao Congresso pelo presidente Michel Temer em dezembro, a proposta de emenda à Constituição (PEC) prevê idade mínima de 65 anos para aposentadoria e tempo de contribuição de 49 anos para o recebimento do valor integral do benefício. Após aval da Comissão de Constituição e Justiça, o texto será discutido por uma comissão especial, que deverá ser instalada neste mês.

Reforma trabalhista

O pacote de reforma da legislação trabalhista foi apresentado em dezembro. A proposta, que prevê pontos em que as negociações coletivas poderão se sobrepor à legislação, deve ser encaminhada ao Congresso neste mês, como projeto de lei e em caráter de urgência. Entre as mudanças sugeridas, estão parcelamento de férias, remuneração por produtividade e ampliação dos contratos temporários.

Reforma tributária

No final do ano passado, ao defender que a sua gestão será a de um governo reformista, o presidente Michel Temer prometeu empenho para levar adiante uma proposta de reforma tributária, focada na simplificação do sistema. A expectativa é de que União encaminhe uma reforma fatiada, a começar por uma mudança na cobrança de PIS e Cofins, a ser apresentada no final do primeiro semestre.

Pacote anticorrupção

Após ter sido modificado e aprovado na Câmara, o projeto com 10 medidas de combate à corrupção teve a tramitação suspensa pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF). Com apoio de mais de 2 milhões de pessoas, as propostas do Ministério Público Federal retornam para a estaca zero e devem ser reapresentadas agora como projeto de iniciativa popular.

Socorro aos Estados

A ajuda da União aos Estados em situação de calamidade financeira, como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, depende da aprovação de um novo projeto pelo Congresso. No ano passado, o presidente Michel Temer vetou o socorro porque os parlamentares retiraram a necessidade de contrapartidas dos Estados da proposta, que suspende o pagamento das dívidas com a União por até 36 meses.

Reforma do Ensino Médio

Apresentada pelo governo em setembro e aprovada pela Câmara em dezembro, a medida provisória (MP) 746/2016 tranca a pauta do Senado. A matéria precisa ser votada até 2 de março para não perder a validade. Entre as mudanças, constam o aumento da carga horária e a redução do conteúdo obrigatório, excluindo artes, educação física, filosofia e sociologia do currículo.

Substituto de Teori

Não há prazo legal, mas assim que Michel Temer decidir quem será o substituto de Teori Zavascki, morto em acidente aéreo, no Supremo Tribunal Federal (STF), a indicação do presidente será submetida ao Senado. Após a sabatina, os senadores podem aprovar ou não o nome sugerido para ocupar uma das 11 vagas na Corte. Ao longo da história, apenas cinco candidatos foram rejeitados.

Pente-fino do INSS

O governo retomou, no início do ano, o pente-fino sobre auxílio-doença e aposentadorias por invalidez pagos pelo INSS. A nova medida provisória foi publicada no dia 6 de janeiro e precisa ser aprovada pelo Congresso em até 120 dias. No ano passado, a revisão dos pagamentos teve de ser interrompida, pois a Câmara e o Senado não analisaram a MP dentro do prazo.

Abuso de autoridade

O projeto que prevê punição a juízes e procuradores que cometerem abuso de autoridade será discutido na Comissão de Constituição, Justiça (CCJ) do Senado. A análise da proposta chegou a ser iniciada no plenário, mas o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), recuou e retirou a matéria da pauta. Há preocupação de que as mudanças possam atrapalhar de investigações como a Operação Lava-Jato.

Escolha do procurador-geral

Condutor das investigações da Lava-Jato no Ministério Público Federal, Rodrigo Janot cogita disputar um terceiro mandato como procurador-geral da República no segundo semestre. A nomeação cabe ao presidente da República, e é tradição que o indicado seja o mais votado de uma lista tríplice. O nome escolhido precisa passar por sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e, depois, ser aprovado pelo plenário.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioChapecoense vence o Vitória fora de casa por 2 a 1  https://t.co/PrevzUCUkxhá 3 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPalestrantes com renome mundial passam por Blumenau durante evento de negócios https://t.co/6Skt65IkCShá 4 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros