Gilmar Mendes diz que agirá com "naturalidade" caso seja relator da Lava-Jato - Economia - O Sol Diário

Futuro da operação no STF25/01/2017 | 12h47Atualizada em 25/01/2017 | 12h47

Gilmar Mendes diz que agirá com "naturalidade" caso seja relator da Lava-Jato

Antes de se encontrar com a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, ministro conversou com a imprensa sobre a possibilidade de assumir a investigação no lugar de Teori Zavascki

Gilmar Mendes diz que agirá com "naturalidade" caso seja relator da Lava-Jato Roberto Jayme/Ascom TSE/Divulgação
Foto: Roberto Jayme/Ascom TSE / Divulgação
Matheus Schuch/RBS Brasília

matheus.schuch@gruporbs.com.br

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), comentou nesta quarta-feira a possibilidade de ser sorteado relator da Operação Lava-Jato.

Considerado, nos bastidores, um dos ministros mais próximos do presidente Michel Temer e de outros integrantes do governo já citados ao longo de investigações, Mendes garante que conduziria com "naturalidade" a análise do maior esquema de corrupção já descoberto no país.

— Estou em Brasília desde 1974, conheço os personagens todos aí da vida política há muitos anos e lido com os processos com a abertura que vocês conhecem no plenário — disse a jornalistas após ser questionado sobre sua proximidade com Temer.

Leia também:
Quem está no páreo para substituir Teori Zavascki no STF
Temer sofre pressão para nomear sucessor de Teori Zavascki no STF
Cármen Lúcia ouve colegas, assessores e PGR para definir rumo da Lava-Jato

No último domingo, o ministro jantou com Temer no Palácio do Jaburu. 

— Foi uma conversa de avaliação do momento, que a gente já faz há muito tempo — relatou. 

Gilmar concedeu entrevista no STF, antes de uma reunião com a presidente da Corte, a ministra Cármem Lúcia. Ele ressaltou que o futuro da Lava-Jato, após a morte do ministro Teori Zavascki, será conduzido por ela, que deverá dar uma solução institucional. 

— Acho que será um encaminhamento que terá o apoio, senão da unanimidade dos colegas, de ampla maioria — previu.

O ministro não quis opinar sobre a forma de sorteio da relatoria da Lava-Jato e acerca da homologação das delações da Odebrecht, mas reiterou que a presidente da Corte está trabalhando para evitar atrasos. 

— A presidente atua com rigor jurídico e científico, e também com responsabilidade política de não deixar que as matérias sofram qualquer retardo — pontuou.

Nesta semana, Cármem Lúcia autorizou a continuidade dos depoimentos de delatores da Odebrecht, que são conduzidos por juízes que auxiliavam o ministro Teori. No entanto, ainda não definiu se tomará a iniciativa de homologar as delações ou se a missão caberá ao futuro relator. 

Também está pendente a forma como será escolhido o novo responsável pelos processos da Lava Jato no STF. Poderá ocorrer um sorteio na Segunda Turma — formada por Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Celso de Mello — ou entre todos os membros da Corte, com exceção da presidente, que fica impedida.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioBebê de dois meses morre após agressões no Oeste de SC https://t.co/Nm0IfEqncfhá 13 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCom o Avaí entalado, Chapecoense se prepara para receber o Leão https://t.co/Mo7EDV4dq4há 4 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros