Risco de greve da PM em outros Estados preocupa o Planalto  - Economia - O Sol Diário

Crise na segurança09/02/2017 | 10h45Atualizada em 09/02/2017 | 10h53

Risco de greve da PM em outros Estados preocupa o Planalto 

Governo federal já enfrenta desgaste por problemas em presídio de Roraima, Natal e Amazonas, no mês passado

Risco de greve da PM em outros Estados preocupa o Planalto  Dayana Souza/Agência RBS
Na manhã desta quinta-feira, familiares de policiais se mantiveram em frente a batalhão, impedindo a entrada de PMs Foto: Dayana Souza / Agência RBS

O Palácio do Planalto monitora com preocupação a greve da polícia militar do Espírito do Santo. Existe o receio de que o modus operandi da paralisação capixaba, com as famílias barrando a saída dos policiais dos batalhões, seja adotado em outros Estados. O governo Temer já enfrenta desgaste provocado pelas chacinas registradas em presídios de Roraima, Natal e Amazonas no mês passado. 

— Se esse modelo do Espírito Santo se espalhar, será um caos. Rio de Janeiro e São Paulo preocupam bastante — descreve um auxiliar do presidente Michel Temer.

Leia mais:
Reunião entre familiares de PMs e governo capixaba termina sem acordo
Como o Espírito Santo, exemplo no combate à violência, foi sitiado pelo crime
Perfis-robô e boatos na internet amplificam pânico no Espírito Santo

Dentro do governo, admite-se que a estratégia de "greve branca" em busca de reajuste salarial foi bem articulada. Como a Constituição proíbe a greve de militares, encontrou-se uma saída alternativa: familiares montaram acampamentos na frente dos batalhões, impedindo o trabalho. Sem PMs nas ruas, a ação coordenada criou o cenário para a onda de saques, assaltos e assassinatos dos últimos dias na Grande Vitória e no interior do Espírito Santo. Um dos Estados que preocupa o Planalto, o Rio de Janeiro, antecipou-se a uma possível paralisação.

Mesmo com severa crise financeira, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) anunciou que os salários dos servidores das áreas de segurança e educação serão pagos na próxima terça-feira. Junto, sairá um aumento de até 10,22% nos contracheques de policiais militares e civis, bombeiros, agentes penitenciários e demais funcionários das secretarias de Segurança e Administração Penitenciária. 

O Rio Grande do Sul, em razão do parcelamento de salários, também está no radar do governo federal. Os ministérios da Justiça e Defesa, além do Gabinete de Segurança Institucional, alimentam o Planalto com informações e discutem com o governo capixaba as saídas para a crise. Entre Forças Armadas e Força Nacional, um efetivo de 2 mil homens atuará no Espírito Santo. Também haverá reforço na Polícia Rodoviária Federal para patrulhar rodovias. 

— Os ministérios estão muito atentos ao que se passa no Espírito Santo, não apenas pela repercussão local, mas pela repercussão e dimensão nacional – afirmou o deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), após uma reunião no Ministério da Justiça na quarta-feira.

Em Brasília, corre a avaliação de que o governo estadual e o próprio governo federal demoraram a reagir diante da greve da PM, que parecia um protesto pontual na sexta-feira. No mesmo dia, o governador Paulo Hartung estava em São Paulo para uma cirurgia de retirada de um tumor na bexiga.

Apesar da licença médica de Hartung, o governo do Estado só foi transmitido oficialmente ao vice César Colnago no domingo, com policiais já aquartelados. Ainda houve a troca do comando da PM, com a assunção do coronel Nilton Rodrigues ao cargo, e a decisão de endurecer o discurso com os grevistas.

Já em Brasília, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, estava empenhado por sua campanha pela indicação ao Supremo Tribunal Federal, confirmada na segunda-feira. Assim, o caos na segurança do Espírito Santo não teria recebido a devida importância. Interino à frente da pasta, devido à licença de Moraes, José Levi assumiu as tratativas.

Uma das medidas efetivas foi adotada na terça-feira, com a publicação pelo governo capixaba de um decreto que transferiu o controle operacional dos órgãos de segurança pública para o general de brigada Adilson Carlos Katibe até o dia 16 de fevereiro.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioGuga entrega o troféu a Thien no Rio Open e afirma que "torneio é o oxigênio" do tênis no Brasil https://t.co/sT2al3xDCnhá 26 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioA doença rara de Davi  https://t.co/QZooeBcrrnhá 26 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros