Comissão da Câmara aprova auditoria nos recursos da Hidrelétrica de Belo Monte - Economia - O Sol Diário

Energia29/03/2017 | 16h59Atualizada em 29/03/2017 | 16h59

Comissão da Câmara aprova auditoria nos recursos da Hidrelétrica de Belo Monte

Caberá ao TCU realizar os procedimentos de auditoria nos atos, contratos e recursos públicos aplicados na construção da usina, de acordo com a proposta

Comissão da Câmara aprova auditoria nos recursos da Hidrelétrica de Belo Monte Regina Santos,Divulgação Norte Energia,Agência Brasil/ABR
Foto: Regina Santos,Divulgação Norte Energia,Agência Brasil / ABR
Agência Brasil
Agência Brasil

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira, proposta de auditoria nos recursos usados na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na bacia do Rio Xingu, perto do município de Altamira, no Pará. A auditoria deve ser feita com auxílio do Tribunal de Contas da União (TCU).

Leia mais:
BNDES libera R$ 2,5 bi para linha de Belo Monte 
Polícia Federal mira suspeita de propina em Belo Monte
Funai vai à Justiça contra mineração de ouro em Belo Monte 

Caberá ao TCU realizar os procedimentos de auditoria nos atos, contratos e recursos públicos aplicados na construção da usina, de acordo com a proposta. Os documentos resultantes do processo de auditoria financeira, contábil e orçamentária deverão ser encaminhados para o colegiado que poderá, a partir das conclusões, deliberar outras medidas.

O relator da proposta, deputado Altineu Côrtes (PMDB-RJ), justificou a auditoria devido ao fato de que sete das 10 empreiteiras que fazem parte do consórcio Belo Monte são investigadas na Operação Lava-Jato pelo desvio de recursos para o pagamento de propina.

Em depoimento ao TSE, o ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior, conhecido como BJ, afirmou que o PMDB recebeu recursos pela obra da usina de Belo Monte.  O senador Edison Lobão (PMDB-MA) e "um deputado do Pará" estariam entre os beneficiados pelos repasses. 

Segundo o relatório aprovado, os contratos para a construção da usina com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), totalizam cerca de R$ 22,5 bilhões. 

"Difícil supor que essas empreiteiras, em um ambiente generalizado de corrupção, não tenham cometido atos ilícitos de desvios de recursos públicos da construção da Hidrelétrica de Belo Monte",  justificou.

O autor do pedido de auditoria, deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), alegou que a Norte Energia, consórcio que administra o empreendimento, recebeu do BNDES mais de 70% do total financiamento da usina. 

— O montante de recursos públicos aplicados em Belo Monte, com todos esses indícios corrupção, assusta — apontou Jordy.

O consórcio é formado pelos seguintes acionistas: Eletrobrás, Chesf, Eletronorte, Petros, Funcef, Grupo Neoenergia, Cemig, Light, J. Malucelli Energia, Vale e Sinobras. A Eletrobrás, empresa pública, também participou com 49,98% do empreendimento.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioInvestidores do Figueirense vão processar Alex Bourgeois, ex-CEO https://t.co/KAk2xyisS6há 2 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioFigueirense acerta a renovação de Zé Antônio, Jorge Henrique, João Paulo e André Luís https://t.co/QBWk3rh6tEhá 3 horas Retweet
O Sol Diário
Busca