Governo anuncia rombo de R$ 58,2 bilhões no orçamento e pode aumentar impostos - Economia - O Sol Diário

Contingenciamento 22/03/2017 | 18h58Atualizada em 22/03/2017 | 19h39

Governo anuncia rombo de R$ 58,2 bilhões no orçamento e pode aumentar impostos

Além da deficiência no orçamento, o governo anunciou nesta quarta que revisou de 1% para 0,5% a previsão de crescimento do PIB do país no ano

Governo anuncia rombo de R$ 58,2 bilhões no orçamento e pode aumentar impostos Valter Campanato/Agência Brasil/
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Guilherme Mazui e Matheus Schuch/RBS Brasília

Com queda na projeção de receitas e alta nas despesas, o governo definirá na próxima terça-feira como cobrir um rombo de R$ 58,2 bilhões no orçamento de 2017, a fim de cumprir a meta fiscal. Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a diferença será compensada com redução de gastos e, provavelmente, aumento de impostos.

— A diferença será coberta uma parte por contingenciamento e uma parte por elevação de tributos. É uma grande possibilidade (aumentar impostos) — afirmou Meirelles, que não comentou quais impostos podem subir.

Leia mais
Relator de regime de recuperação dos Estados quer flexibilizar projeto
Média diária de embarque de carnes caiu de US$ 63 milhões para US$ 74 mil, diz Maggi
Justiça mantém ICMS sobre distribuição de energia para grandes consumidores 

Em coletiva nesta quarta-feira, Meirelles explicou que a União também tem a expectativa de receber de R$ 14 bilhões a R$ 18 bilhões a partir de disputas judiciais que estão no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF). As ações tratam de três hidrelétricas e de precatórios. 

Caso as decisões judiciais sejam favoráveis, a equipe econômica pretende incluir os valores no cálculo para compensar a falta de R$ 58,2 bilhões e garantir o cumprimento da meta fiscal, que prevê déficit de R$ 139 bilhões em 2017. Contudo, Meirelles ainda aguarda um parecer jurídico sobre o uso do dinheiro.

Além desses recursos, o governo vai discutir até terça-feira o volume do corte de gastos e a arrecadação que viria do aumento de impostos. Em função dessas dúvidas, Meirelles e o ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, optaram por anunciar apenas o tamanho do rombo a ser coberto nas contas. 

O contingenciamento motiva uma queda de braço entre os principais auxiliares do presidente Michel Temer. Conselheiros políticos de Temer advogam por um corte ameno. É o caso do senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado. Ele defende contingenciar cerca de R$ 35 bilhões para não comprometer a capacidade já combalida de investimentos da máquina federal. 

Na equipe econômica, a opinião é oposta. Técnicos apontavam a necessidade de contingenciar R$ 65 bilhões, já que o atual orçamento foi concebido com previsão de alta de 1,6% do PIB, que acabou revista para 1% e, nesta quarta-feira para 0,5%.  

Além da deficiência no orçamento, o governo anunciou nesta quarta que reduziu de 1% para 0,5% a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país no ano. A Fazenda também projetou inflação de 4,3% em 2017, dentro da meta. 

Leia as últimas notícias de Economia

*Zero Hora

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioSemana começa com chance de geada, maré alta e temperaturas próximas de 0°C em Santa Catarina https://t.co/RSIDcAG0Dvhá 5 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioSérie B tem vitórias de Concórdia, Hercílio, Guarani e Marcílio Dias https://t.co/b1toat1xFfhá 6 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros