Cabral recebeu R$ 16 milhões em esquema de fraudes na saúde, diz MPF - Economia - O Sol Diário

Investigação11/04/2017 | 10h30Atualizada em 11/04/2017 | 10h32

Cabral recebeu R$ 16 milhões em esquema de fraudes na saúde, diz MPF

Ex-governador teria recebido 5% sobre a compra de materiais da empresa Oscar Iskin com a colaboração do ex-secretário Sergio Côrtes, alvo de mandado de prisão nesta terça-feira 

Cabral recebeu R$ 16 milhões em esquema de fraudes na saúde, diz MPF Antônio Cruz/Empresa Brasil de Comunicacao -
Foto: Antônio Cruz / Empresa Brasil de Comunicacao -
Agência Brasil
Agência Brasil

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral é suspeito pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter recebido R$ 16,4 milhões da empresa de materiais médicos Oscar Iskin. Os pagamentos irregulares teriam ocorrido por meio de repasses mensais de até R$ 450 mil.

Segundo informações da Procuradoria da República no Rio de Janeiro, Cabral recebia 5% do esquema de fraudes na compra de equipamentos médicos e próteses que supostamente envolvia também o ex-secretário de Saúde Sergio Côrtes e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita.

O ex-secretário da Saúde, que também foi diretor do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, e os dois empresários foram alvo de mandados de prisão preventiva no âmbito da Operação Fatura Exposta da Polícia Federal (PF).

Leia mais
Operação da PF prende ex-secretário de Saúde de Sérgio Cabral no Rio
Joalheria H.Stern fecha acordo de delação em investigação que envolve Cabral
MPF recorre de decisão que concedeu prisão domiciliar a Adriana Ancelmo

Côrtes é acusado de receber 2% do valor dos contratos fechados entre a secretaria e a Oscar Iskin. Além disso, segundo o MPF, Côrtes e Iskin são acusados de dividir 40% do valor dos contratos e depositá-lo em uma conta aberta no Bank of America, nos Estados Unidos.

Segundo os procuradores da República, o esquema envolvia um chamado "clube do pregão internacional", do qual participam até hoje empresas que atuam em licitações de forma combinada. Segundo o MPF, Miguel Iskin orientava Côrtes, que foi secretário de 2007 a 2013, a incluir nos produtos a serem licitados especificações técnicas restritivas de concorrência. Estellita seria o operador financeiro de Iskin, de acordo com os procuradores.

O esquema também teria funcionado no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), instituto federal do qual Côrtes foi diretor de 2002 a 2006. A operação desta terça-feira, chamada Fatura Exposta, é um desdobramento das operações Calicute, que resultou na prisão de Cabral no ano passado, e Eficiência, que resultou na prisão do empresário Eike Batista neste ano.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioClaudinei afasta pressão e valoriza desempenho de goleiro do Avaí https://t.co/nwozkwecMThá 50 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioOcorrências de assalto assustam moradores da Praia do Sonho, em Palhoça https://t.co/i54MGDanxThá 50 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros