Educadores pedem "blindagem social" em escola onde morreu Maria Eduarda - Economia - O Sol Diário

Rio de Janeiro08/04/2017 | 18h31Atualizada em 08/04/2017 | 18h31

Educadores pedem "blindagem social" em escola onde morreu Maria Eduarda

Adolescente foi morta na quadra esportiva da instituição, atingida por três tiros enquanto policiais militares conferiam um chamado nos arredores e entraram em confronto com bandidos armados

Educadores pedem "blindagem social" em escola onde morreu Maria Eduarda Tomaz Silval/Agência Brasi
Na foto, os pais de Maria Eduarda durante encontro com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão Foto: Tomaz Silval / Agência Brasi
Agência Brasil
Agência Brasil

Os profissionais de educação que trabalham na Escola Municipal Escritor e Jornalista Daniel Piza, na zona norte do Rio de Janeiro, enviaram uma carta à prefeitura do Rio de Janeiro em que pedem não apenas a blindagem dos muros da escola, mas também "uma blindagem social", com serviços de assistência social, cultura e saúde na comunidade.

Leia mais:
PMs do Rio flagrados em execução de suspeitos em calçada são presos
Polícia prende suspeito de envolvimento na morte de turista argentino no RJ

No dia 30 de março, a adolescente Maria Eduarda Alves da Conceição, 13 anos, foi morta na quadra esportiva da escola, atingida por três tiros enquanto policiais militares conferiam um chamado nos arredores e entraram em confronto com bandidos armados. A autoria dos disparos está em investigação pela Polícia Civil. 

"Compreendemos que a blindagem mais necessária e mais urgente é a blindagem social do entorno do equipamento escolar", diz a carta. 

Os pedidos incluem a instalação de um centro de referência de assistência social, uma lona cultural, uma clínica da família e um centro esportivo. Este último seria a ampliação da atual quadra em um ginásio poliesportivo, para o qual é sugerido o nome de Maria Eduarda. 

Os profissionais pedem a construção de um muro com blindagem para a escola, mas consideram que essa medida é um paliativo. As reivindicações incluem a contratação de porteiros, merendeiras e agentes educadores para a escola, além de reuniões com a Secretaria Estadual de Segurança Pública e com o Comando da Polícia Militar. 

A retomada das atividades pedagógicas na escola deve acontecer na próxima segunda-feira, mas ainda não há previsão para que os alunos voltem à sala de aula. Primeiramente, a previsão é que os alunos e professores passem por atividades em grupo, assistência psicológica e reuniões.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioTop da Bola premia os destaques do Campeonato Catarinense 2017 https://t.co/DyHtzcOhkLhá 20 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioSC tem o dobro da média nacional de cidades com ginásios em escolas, aponta IBGE   https://t.co/nttLFCOPr5há 55 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros