MPF pede retorno de esposa de Cabral para a prisão preventiva - Economia - O Sol Diário

Operação Calicute25/04/2017 | 13h32Atualizada em 25/04/2017 | 13h32

MPF pede retorno de esposa de Cabral para a prisão preventiva

Atualmente, Adriana Ancelmo cumpre prisão domiciliar concedida pela 7ª Vara Federal Criminal, sob a alegação de que tem filhos menores de 12 anos

MPF pede retorno de esposa de Cabral para a prisão preventiva Paulo Botelho/Divulgação
Foto: Paulo Botelho / Divulgação
Agência Brasil
Agência Brasil

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF-RJ) pediu ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) que determine o retorno de Adriana Ancelmo para a prisão preventiva.

Investigada na Operação Calicute, ela foi denunciada por corrupção e lavagem de dinheiro na organização criminosa liderada pelo marido, o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, que se encontra preso. Adriana cumpre atualmente prisão domiciliar concedida pela 7ª Vara Federal Criminal, sob a alegação de que tem filhos menores de 12 anos.

Leia mais
Sérgio Cabral se torna réu pela sétima vez
STJ nega suspensão de processo de Adriana Ancelmo
Esquema de Cabral na Saúde do Rio desviou R$ 300 milhões, afirma procurador

O parecer da Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2), que será julgado nesta quarta-feira pela 2ª Turma do TRF2, reforça recurso da força-tarefa da Lava-Jato no Rio e destaca que as causas que originaram a prisão de Adriana não somente permanecem inalteradas como também ganharam robustez com o prosseguimento das investigações, não havendo razões para conversão em prisão domiciliar. Para a procuradora regional da República, Mônica de Ré, a prisão preventiva é essencial para encerrar a prática de lavagem de dinheiro, crime usualmente cometido com o uso de telefone e acesso à internet.

"Apesar das medidas de precaução determinadas, vedando o acesso a meios de comunicação, a difícil fiscalização do cumprimento torna evidente o risco de ela acessar e movimentar o patrimônio oculto por Cabral", argumentou. Ainda de acordo com o parecer, o próprio TRF2 apontou, em manifestação anterior, que o benefício não alcançaria a ré, tanto pelo fato de ter viajado diversas vezes sem os filhos, quanto pela gravidade de sua conduta.

A PRR2 defende ainda que a conversão em prisão domiciliar afronta o princípio da isonomia, que defende que todos são iguais perante a lei, "já que há milhares de outras mulheres com filhos detidas e que não foram favorecidas da mesma forma".

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioRoberto Alves: Maurinho foi determinante para a vitória do Avaí https://t.co/P9jjTae91Chá 6 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioAvaí homenageia Marquinhos pela artilharia da Ressacada https://t.co/DyN0IU73KBhá 6 horas Retweet
O Sol Diário
Busca