PGR vai ao STF contra reeleição para direção no Tribunal de Contas do Ceará - Economia - O Sol Diário

Justiça30/04/2017 | 19h59Atualizada em 30/04/2017 | 19h59

PGR vai ao STF contra reeleição para direção no Tribunal de Contas do Ceará

Conforme Janot, os tribunais de contas não podem definir arranjos institucionais que desconsiderem o tratamento constitucional dos juízes

Agência Brasil
Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) com uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) para questionar normas do Tribunal de Contas do Ceará (TCE-CE) que permitem a reeleição para cargos de direção do tribunal. A relatora da ADI é a ministra Rosa Weber.

Leia mais:
Janot pede que STF decrete intervenção federal no Tribunal de Contas do Rio
"Não há super-homem na Lava-Jato", diz Janot
Após prisões no RJ, associação defende mudanças na fiscalização

De acordo com a ação, leis estaduais deram nova redação à Lei 12.509/1995 (Lei Orgânica do TCE-CE), alterando critérios de elegibilidade para a mesa diretora (presidente, vice-presidente e corregedor do tribunal), sendo que a Lei 15.469/20013 passou a admitir a reeleição. 

"Nos termos da norma vigente, o mesmo conselheiro poderia ocupar cargo na mesa diretora por tempo ilimitado, já que a única restrição é que a reeleição ocorra apenas uma vez para o mesmo cargo", afirma o procurador-geral. 

Segundo a argumentação apresentada, as normas ferem os princípios constitucionais da moralidade e da impessoalidade administrativas, além de afrontar os artigos 73, parágrafo 3º, e 75 da Constituição Federal, que equipararam, "em certa medida, as posições de ministro e conselheiro de tribunais de contas às de juiz". 

Conforme o procurador-geral, os tribunais de contas não podem definir arranjos institucionais que desconsiderem o tratamento constitucional dos juízes. Por isso, segundo ele, as condições de elegibilidade para os cargos de direção precisam observar o que define a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman). 

Rodrigo Janot lembra que essa norma define que a direção dos tribunais é encargo temporário, incompatível com o regime de reeleição, que deve ser assumido de forma alternada, visando a garantir que todos os seus membros possam participar da direção. 

O procurador-geral pede a concessão de liminar para suspender a eficácia das normas impugnadas e, no mérito, a declaração de sua inconstitucionalidade. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCatarinenses conhecem adversários na estreia da Copa do Brasil; Figueirense terá viagem mais longa https://t.co/I1lBJJZr7Ihá 15 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPorto Belo desiste de projeto de adutora na praia https://t.co/ljiSWTdCbvhá 16 horas Retweet
O Sol Diário
Busca