Quinta-feira foi de avaliação e reação na residência oficial do governador de Santa Catarina - Economia - O Sol Diário

Operação Lava-Jato13/04/2017 | 22h26Atualizada em 13/04/2017 | 22h53

Quinta-feira foi de avaliação e reação na residência oficial do governador de Santa Catarina

Raimundo colombo reuniu secretários após revelação de conteúdo de delações de diretores da Odebrecht e emite nota em resposta

Quinta-feira foi de avaliação e reação na residência oficial do governador de Santa Catarina Felipe Carneiro/Agencia RBS
Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Um dia após ir a Lages passar o feriadão de Páscoa, o governador Raimundo Colombo (PSD) retornou a Florianópolis para participar de reunião com os secretários da Casa Civil, Nelson Serpa, e da Comunicação, João Debiasi. O encontro serviu para fazer uma avaliação jurídica e de comunicação sobre o conteúdo das delações de executivos da Odebrecht que envolvem o nome do pessedista e indicam que ele teria pedido dinheiro de caixa 2 para campanhas eleitorais dele e de correligionários.

Ao fim da conferência, por volta de 14h, Colombo pediu à equipe de governo que se desconecte e descanse durante o restante do feriado. Ele deixou a Casa d¿Agronômica tão logo a reunião terminou. Teria retornado para Lages. Decidido a não conceder entrevistas pelo menos até segunda-feira, Colombo se mostrou indignado na reunião e afirmou que não havia procurado nenhum executivo da Odebrecht. Ao contrário, falou que "eles teriam nos procurado".

O encontro serviu ainda para redigir a nota divulgada no meio da tarde, em que o governo de Santa Catarina afirma que "a versão dos delatores da Odebrecht sobre contribuição para campanha que está sendo noticiada é absurda, carregada de mentiras, ódio e revanchismo". Serpa, experiente advogado e homem próximo ao governador, emprestou o conhecimento para avaliar o peso jurídico das delações. Ajudou também a escrever o comunicado.

O termo "revanchismo" tem vínculo com o entendimento palaciano de que apesar da aprovação do projeto de leiloar 49% das ações da Casan, a venda não se concretizou. Foi engavetado, já que existiria uma dívida com a previdência que desvalorizaria o preço da companhia. Isso teria sido decisivo para o governo desistir da venda. A expectativa gerada na Odebrecht com o negócio não efetivado seria o estopim para os delatores citarem o nome de Colombo.

Questões sobre diferença entre petição e delação 

A reportagem apurou que um ponto chamou atenção do governador e secretários de Estado no encontro que começou pela manhã e avançou depois do almoço: a petição assinada pelo ministro do STF Edson Fachin, divulgada pelo DC na terça-feira, relata o pagamento de dinheiro não contabilizado à campanha de Colombo em 2010 no valor de R$ 2 milhões. Porém, nas delações dos executivos Fernando Cunha Reis e Paulo Roberto Welzel, são citados outros casos em que o pessedista teria solicitado doações.

O fato foi considerado uma "discrepância", já que a petição pede para investigar a doação de 2010, enquanto a delação revela outros casos, com volumes maiores de dinheiro. Esse é um dos pontos que deve ser trabalhado pela defesa de Colombo que pode ser feita por um advogado de Brasília ou de SC. 

Na reunião, também foi compartilhada a percepção de que a divulgação das delações "tumultua" o ambiente no seio do governo. No entanto, há convicção de que as acusações serão esclarecidas. Colombo só deve conceder entrevista depois de se preparar ponto a ponto para tratar do assunto. Assessores lembraram que ele ainda não foi notificado, e o conteúdo das delações pegou a equipe de governo desprevenida, já que as informações se tornaram públicas na tarde de quarta-feira.

Quando a reportagem chegou ao portão que dá acesso à Casa d¿Agronômica, por volta de 17h, o clima era calmo na residência oficial. O policial na guarita disse que não havia reunião e o governador não se encontrava no local. Apenas um cachorro cuidava o movimento na Avenida Delminda Silveira. 

Acesse os documentos da delação que envolve Raimundo Colombo:
Delação de Fernando Cunha
Delação de Paulo Welzel
Petição nº 6.762

Leia todas as notícias sobre a Operação Lava-Jato

Planilhas indicam que Odebrecht teria doado para mais políticos em SC

Lideranças partidárias de SC defendem cautela em relação às delações

Governo diz que delação está "carregada de mentiras, ódio e revanchismo"

Casan seria objeto de negociação entre Colombo e Odebrecht

VÍDEOS: delações da Odebrecht citam políticos catarinenses; veja

Colombo e cúpula do PSD teriam pedido R$ 17,1 mi para caixa 2

André Agostini é citado como primo de Colombo e emissário de dinheiro

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioJovem goleiro espera por estreia no Figueirense no último jogo do ano https://t.co/xiVdXThcZThá 4 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioDez dias após tirar gesso, catarinense leva dois ouros no atletismo das Paralimpíadas  https://t.co/9mTBny7ByQhá 5 horas Retweet
O Sol Diário
Busca