Carolina Bahia: Delação de marqueteiro é peça importante no quebra-cabeça da Lava-Jato - Economia - O Sol Diário

Opinião11/05/2017 | 20h29Atualizada em 11/05/2017 | 20h30

Carolina Bahia: Delação de marqueteiro é peça importante no quebra-cabeça da Lava-Jato

Confira a coluna de Carolina Bahia desta sexta-feira

A delação de João Santana e Mônica Moura é uma das mais importantes peças do quebra-cabeça da Lava-Jato. As informações não são surpreendentes, mas se encaixam e completam os dados repassados pelos ex-executivos da Odebrecht e outros colaboradores da Justiça. Os ex-presidentes Dilma e Lula sabiam que havia pagamento de caixa 2 de campanha, afirma o marqueteiro. 

Tem lógica. Ao contrário do que disse Lula ao juiz Sergio Moro, ele é o comandante máximo do PT, portanto, é difícil que operações envolvendo volumes tão altos de recursos não tivessem o conhecimento dele. Ao contar que o ex-ministro Antonio Palocci era o principal articulador, o marqueteiro ainda lembrou que a palavra final dependia do ex-presidente. E Dilma? Todos em Brasília sempre souberam o quanto ela era centralizadora, como desconheceria um acordo tão estratégico?

O julgamento da chapa Dilma/Temer deve ser retomado no final deste mês, com o complemento de João Santana. Neste caso, o marqueteiro disse ao TSE que Michel Temer também se beneficiou do recurso não contabilizado de campanha, porque participou de alguns programas eleitorais. O dinheiro era tanto que até o cabelereiro badalado de Dilma, Celso Kamura, era pago pelo casal. A ex-presidente nega.

REDENÇÃO
A situação de Dilma Rousseff dentro do PT é melhor agora do que há um ano, quando ela deixava o Palácio do Planalto em razão do impeachment. No dia 12 de maio de 2016, senadores e deputados do partido estavam desanimados e atribuíam à ex-presidente os erros políticos do governo. 

PENDURADO
Michel Temer completa um ano de governo fazendo o diabo para conseguir emplacar a reforma da previdência na Câmara. A maioria no Congresso se mostra gelatinosa diante da pressão do eleitorado. A bancada ruralista, por exemplo, está contando com uma nova flexibilização no texto, beneficiando o trabalhador rural. Negociações existem. 

É TENDÊNCIA
De olho nas eleições em 2018, o deputado Mauro Mariani (PMDB) não garante voto à reforma da previdência. Essa é uma resposta aos líderes do partido que defendem que o PMDB feche questão sobre o assunto. No Planalto, a ideia é que a bancada peemedebista, legenda do presidente Temer, precisa dar o exemplo.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioTerça-feira tem maior presença de nuvens em Santa Catarina https://t.co/bbwu5kJ0oZhá 29 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioFigueirense enfrenta o Guarani para seguir 100% e na liderança https://t.co/RrsUFIdbqXhá 40 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros