Comissão do CNJ acompanhará processos contra jornalistas - Economia - O Sol Diário

Liberdade de imprensa03/05/2017 | 13h59Atualizada em 03/05/2017 | 17h05

Comissão do CNJ acompanhará processos contra jornalistas

Grupo levantará dados sobre ações judiciais e eventuais casos de censura

Comissão do CNJ acompanhará processos contra jornalistas Antonio Cruz/Agência Brasil
Cármen Lúcia destacou que "cidadão que não tem informação é um analfabeto político" Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) terá uma comissão para acompanhar processos movidos contra jornalistas. Formado por conselheiros do CNJ e representantes de associações de imprensa, o grupo levantará dados sobre as ações judiciais e eventuais casos de censura, a fim de auxiliar na garantia do exercício da profissão no país.

A instalação da comissão foi anunciada ontem, em Brasília, pela ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), durante o Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia, promovido pela revista e portal Imprensa. A magistrada solicitou indicação de nomes de integrantes do grupo à Associação Brasileira de Imprensa, à Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e à Associação Nacional de Jornais (ANJ).

— Para o cidadão ser informado, é preciso que seja garantido o direito à informação também pelos profissionais, aqueles que buscam a informação e, principalmente, trabalham com essa informação para explicá-la e, com isso, as pessoas terem capacidade crítica na hora do voto. O cidadão que não tem informação é um analfabeto político — disse a ministra.

Leia mais
Conversa com Bial: Cármen Lúcia garante que "Lava-Jato não está ameaçada"
Entidades alertam para crescente cerceamento da atividade jornalística
Imprensa internacional cobra de autoridades mexicanas proteção a jornalistas ameaçados

Em palestra no fórum, Cármen Lúcia destacou que a comissão do CNJ deve apurar o total de processos envolvendo o trabalho de jornalistas e buscar diferentes dados, como o tempo de tramitação das ações nos tribunais e quais órgãos ou pessoas questionam a imprensa no Judiciário. Segundo a ministra, o Brasil não garante o livre exercício do jornalismo.

— É proibido qualquer tipo de censura e, no entanto, continua havendo censura e jornalistas que não podem exercer os seus direitos. É preciso resolver isso — afirmou a ministra.

O fórum da revista Imprensa também contou as presenças dos ministros da Transparência, Torquato Jardim, e da Fazenda, Henrique Meirelles, que frisou em sua fala a ¿interação de causa e efeito¿ entre crescimento econômico e a liberdade de imprensa.

O encontro ainda promoveu debate moderado pelo presidente do Fórum Mundial de Editores e da ANJ e vice-presidente Editorial do Grupo RBS, Marcelo Rech, com Mauri König e Luiz Carlos Azevedo. O trio abordou a pesquisa que ouviu jornalistas nas redações brasileiras e identificou a sensação de que diminuiu a liberdade de imprensa nos últimos 10 anos.

No encerramento do fórum, quatro homenageados receberam o Troféu Liberdade de Imprensa. A honraria foi concedida ao jornalista Caco Barcellos, ao deputado federal Miro Teixeira (Rede-RJ), ao ministro aposentado do STF Carlos Ayres Britto e ao professor e doutor em Filosofia Fernando Schüler.

Leia as últimas notícias de Política


Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCatarinenses estão entre vítimas de ingresso falso para shows de Paul McCartney https://t.co/1MR2L7KhF6há 17 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMorre mulher atropelada em faixa de pedestre em Itapema  https://t.co/Wvp5egiyNghá 19 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros