Crescimento de 1% do PIB não garante retomada da atividade econômica neste semestre - Economia - O Sol Diário

Incertezas no horizonte01/06/2017 | 20h43Atualizada em 01/06/2017 | 20h55

Crescimento de 1% do PIB não garante retomada da atividade econômica neste semestre

Primeiro resultado positivo após oito trimestres pode não se repetir em razão de dados sazonais e indicadores mais fracos em abril e maio 

Crescimento de 1% do PIB não garante retomada da atividade econômica neste semestre Porto de Rio Grande/divulgação
Safra de recorde de grãos e mercado externo impulsionaram resultado de janeiro a março Foto: Porto de Rio Grande / divulgação

Enfim o país quebrou a sequência de resultados negativos que durava oito trimestres consecutivos, mas o crescimento de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) no período de janeiro a março deste ano está longe de significar que o país superou a recessão. Os dados esmiuçados do desempenho da economia no início de 2017, divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a atividade entrou no terreno positivo graças a fatores que não vão se repetir no segundo trimestre ou então por demanda externa.

Grande surpresa agradável dos números, a agropecuária cresceu 13,4% em razão da nova supersafra de grãos, mas o grande impacto da colheita farta já ficou para trás. As exportações subiram 4,8% e a indústria, setor mais calejado pela crise, avançou 0,9%, em boa parte também ajudada por vendas para o Exterior. A comparação é com trimestre imediatamente anterior — de outubro a dezembro de 2016.

Leia também
Apesar de crescer, PIB do Brasil está no mesmo nível de 2010, aponta IBGE
"Brasil saiu da pior recessão do século", afirma Meirelles sobre PIB
Efeito JBS compromete recuperação e faz empresários adiarem planos

Por outro lado, componentes mais ligados ao ânimo da economia doméstica seguem em estado de letargia. O setor de serviços, com o maior peso no PIB, ficou estagnado. O comércio, debilitado pelo desemprego alto, caiu 0,6%. O consumo das famílias também teve variação negativa (-0,1%). Os investimentos, termômetro da percepção dos empresários quanto ao futuro próximo, caíram 1,6%. Com os sinais do segundo trimestre mais fracos até agora em indicadores da indústria e dos serviços e a crise política alimentando as incertezas, cresce a percepção de que a economia corre o risco de voltar a encolher entre abril e junho.

Com o cargo ameaçado pela turbulência gerada pelas delações da JBS, o presidente Michel Temer divulgou vídeo nas redes sociais em que tenta atribuir o PIB positivo a iniciativas do governo. E afirma que o Brasil "venceu a recessão". Entre economistas, a visão é diferente:

— É cedo para dizer que acabou a recessão porque deve vir um número negativo no segundo trimestre. Se não fosse a crise política, poderíamos nos sentir mais seguros sobre a recuperação da economia. Mas a retomada será mais lenta do que se esperava — diz Bruno Levy, economista da Tendências Consultoria Integrada.

Em uma crítica ácida, o economista Istvan Kasznar, professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape) da Fundação Getulio Vargas (FGV), chama o resultado do primeiro trimestre de "micronanociclo" de crescimento e "insignificante" por não sinalizar uma virada de fato na atividade.

— Sairíamos da recessão se observássemos o emprego e a renda crescendo, o consumo das famílias subindo, as pessoas tomando crédito — ilustra Kasznar, ressaltando que, em relação ao dinamismo interno da economia, o país não mostra pistas de reversão do quadro.

O economista Rafael Cagnin, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial, segue o tom:

— Não dá para dizer que saímos da recessão pela contribuição extraordinária da agropecuária e o bom desempenho do setor externo.

Relatório da equipe de economia do Itaú Unibanco, maior banco privado do país, também aponta dúvidas quanto ao desempenho do segundo trimestre. Para a instituição, a agropecuária deve ter ligeira contribuição negativa, ao mesmo tempo em que a indústria também mostra sinais de debilidade. Enquanto isso, os componentes mais ligados à demanda doméstica seguem fracos e "indicadores coincidentes (da economia) sugerem estagnação do ritmo de atividade em abril e maio".

O caldo de dúvidas é engrossado pelo terremoto que atingiu o Planalto, levando à indefinição quanto à aprovação das reformas, como a da Previdência, considerada essencial para o equilíbrio fiscal do governo no futuro. O resultado é maior cautela para empresas levarem adiante investimentos e a população continuar receosa em consumir, o que aumenta o risco de nova contração da economia à frente. Ao mesmo tempo, como mostrou o Banco Central na quarta-feira, o cenário leva à redução do ritmo de corte do juro, etapa considerada essencial na travessia do país da recessão ao retorno do crescimento.

Para a indústria, recuperação não tem força

Setor industrial avançou 0,9% no primeiro trimestre, mas desempenho não empolga Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Setor que mais apanhou durante a crise e vem perdendo peso na economia brasileira, a indústria voltou a crescer no primeiro trimestre de 2017, mas o desempenho não empolga. O avanço de 0,9% não dilui as dúvidas quanto à recuperação do dinamismo da atividade. Em 2007, o segmento representava 27,1% do PIB, segundo o IBGE. Ano passado, a fatia nas riqueza produzidas pelo país caiu para 21,1%.

O economista Rafael Cagnin, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial, observa que, a partir de um olhar mais detalhado dos números, é possível concluir que o desempenho foi positivamente impactado pelas exportações e pelo processamento de produtos agropecuários. Resultado da grande safra e do embarque de carnes. Na cadeia automobilística, o suspiro veio do esforço para colocar produtos no Exterior, diante da demanda doméstica parada. No segmento de extração mineral, benefício com preços do minério de ferro e volumes exportados.

— Para o setor industrial, é apenas o estancamento da crise. Vários segmentos ao menos pararam de cair, mas não têm força para engrenar uma recuperação efetiva. Em outras oportunidades, o desempenho positivo também foi sucedido por um negativo — pondera.

Segundo Cagnin, parte da indústria de bens de capital conseguiu respirar no início do ano, mais ajudada pela substituição de máquinas e equipamentos obsoletas do que por novos projetos ou aumento de capacidade

Como o IBGE revisou dados de trimestre anteriores, a indústria não registra mais oito trimestres consecutivos de retração entre 2015 e 2016. O resultado do segundo trimestre de 2016 foi recalculado para variação positiva de 0,3%. Em nota, a Confederação Nacional da Indústria também ressaltou que o número do setor deve ser visto com cautela e apenas a melhora do ambiente de negócios no país e a garantia de equilíbrio fiscal podem garantir crescimento sustentado.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioHomem é morto a tiros na frente de escola em Camboriú https://t.co/VF1Nym6HU6há 1 horaRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioFigueirense anuncia pagamento de dívidas e CEO avisa: "Não vamos cair para a Série C" https://t.co/5D8QrS7H1chá 2 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros