Apesar da denúncia de Janot contra Temer, bolsa tem novo recorde - Economia - O Sol Diário

Euforia no mercado15/09/2017 | 18h11Atualizada em 15/09/2017 | 18h11

Apesar da denúncia de Janot contra Temer, bolsa tem novo recorde

Turbulência política parece não afetar o ânimo dos investidores

Apesar da denúncia de Janot contra Temer, bolsa tem novo recorde ANDRÉ DUSEK/AGENCIA ESTADO
Foto: ANDRÉ DUSEK / AGENCIA ESTADO

A última flechada do procurador-geral da República Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer e seu grupo político não alvejou o mercado financeiro.  Com uma alta de 1,47%, o Ibovespa, principal índice de ações da bolsa paulista (B3), encerrou nesta sexta-feira em novo patamar recorde, aos 75.756 pontos. Desde segunda-feira, quando pela primeira vez superou a marca de 73.516 pontos de 20 de maio de 2008, foi a terceira renovação das máximas diárias. 

O dólar comercial, outro termômetro do humor dos investidores, encerrou o dia praticamente estável, a R$ 3,11.

O analista-chefe da Geral Investimentos, Carlos Müller, entende que a ausência de turbulência é relacionada à percepção de que Temer tem o controle do Congresso e a nova denúncia contra o presidente não tende a passar novamente na Câmara. Apesar da gravidades das acusações, a ofensiva de Janot, complementa, também já era esperada. Por isso, estava de certa forma precificada pelo mercado.

— O mercado está olhando mais a questão dos juros em queda, inflação baixa, expectativa de recuperação do PIB e a própria bolsa ainda descontada em dólares — diz Müller, referindo-se à forma como os investidores estrangeiros preferem avaliar a pontuação do mercado brasileiro.

Apesar da continuidade da euforia, com a renovação de novas máximas no mercado brasileiro, Müller adverte que a bolsa já subiu bastante e uma correção deve ser esperada.

O economista Rafael Cagnin, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), prefere um pouco mais de cautela em relação aos reflexos na atividade. Para Cagnin, os sinais de recuperação ainda não são consistentes e a nova denúncia de Janot tende novamente a paralisar governo e Congresso, o que pode retardar ainda mais a votação de reformas consideradas  importantes, como da Previdência. A saída da crise, avalia, ainda depende de uma disseminação mais ampla dos bons indicadores, tanto de forma setorial quanto regional.

— A indústria teve uma sequência de altas, mas o comércio ainda está de lado e setor de serviços segue com dados ruins. Então ainda estamos sujeitos a percalços — observa. 

O prosseguimento da turbulência política, entende Cagnin, ainda pode atrapalhar a recuperação frágil por contaminar as expectativas dos agentes da economia e também por truncar agenda de Brasília.

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioFigueirense tem pior defesa da Série B, e goleiro justifica: "Ansiedade" https://t.co/vgUEGBPaeMhá 9 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCom árbitro de vídeo, Avaí poderia ter dois pontos mais e Chape ido mais longe na Copa do Brasil https://t.co/5KkVYCOTOThá 10 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros