Mineirinho dedica o mundial de surfe ao colega Ricardo dos Santos - Esporte - O Sol Diário
 
 

 
 

SC em Pipeline17/12/2015 | 21h55Atualizada em 17/12/2015 | 22h01

Mineirinho dedica o mundial de surfe ao colega Ricardo dos Santos

Além de amigo do surfista morto em janeiro deste ano em Palhoça, Adriano de Souza é morador de Florianópolis e noivo de uma manezinha

Mineirinho dedica o mundial de surfe ao colega Ricardo dos Santos Kirstin Scholtz/WSL
Foto: Kirstin Scholtz / WSL

Mais novo campeão mundial de surfe, Adriano de Souza, o Mineirinho, tem forte ligação com Santa Catarina. Ele é morador do bairro Campeche, em Florianópolis, cidade de sua noiva e onde é visto em costumeiras visitas para recarregar as energias. Além disso, dedicou o triunfo desta quinta-feira ao amigo catarinense Ricardo dos Santos, o Ricardinho, surfista baleado e morto em janeiro deste ano na Guarda do Embaú, em Palhoça, na Grande Florianópolis.

Logo que saiu das ondas de Pipeline com a conquista garantida, Mineirinho declarou emocionadamente:

— Fui muito abençoado pelo meu amigo Ricardo do Santos. Dedico essa vitória a ele, sei que ele me olhou lá de cima.

Medina despacha Fanning e ajuda Mineirinho na disputa pelo título
Com ajuda de Gabriel Medina, Mineirinho é campeão mundial de surfe
Após conquistar o título mundial, Adriano de Souza é campeão em Pipeline 

No último dia de competição, Mineirinho desbancou o tricampeão Mick Fanning, com uma ajudinha de Gabriel Medina, campeão mundial de 2014. medina eliminou o australiano na semifinal da competição, fazendo com que Adriano dependesse apenas de si para ser campeão.

Com Fanning fora, Mineirinho precisava vencer Mason Ho na segunda semifinal para levar o caneco. Na bateria de sua vida e com um somatório de 6.83 pontos, o brasileiro passou pelo havaiano local, fez a alegria do público brasileiro, mais uma vez, na praia havaiana e pôde gritar: ¿É campeão!¿. Na final, o sucessor bateu campeão do ano passado.

Determinação e foco para chegar ao título

No início de temporada, determinado e focado em conquistar o seu primeiro título, o Capitão Nascimento da Tempestade Brasileira teve um desempenho fenomenal nas três primeiras etapas da temporada. Em Gold Coast, foi 3º. Em Bell¿s Beach, 2º. E em Margaret River, enfim, veio a coroação das ótimas apresentações. 

Contra um endiabrado John John Florence, conquistou a primeira vitória do ano.Em Pipeline, Adriano realizou uma etapa quase impecável lutando até a última onda. Não foi o surfista que teve o melhor desempenho, mas foi o atleta que soube usar como ninguém a estratégia e fez o suficiente.

Com a coroação de um bom ano em Pipe, o líder da trupe da Tempestade Brasileira, que entrou para a elite do surfe em 2005 (quando foi o mais jovem campeão do WQS, a divisão de acesso, aos 18 anos), carimbou mais uma vez o passaporte de entrada do Brasil no mundo do surfe.  

 
O Sol Diário
Busca