Embalado pelas coincidências entre a campanha de 2016 e 2008, Avaí recebe o Goiás e sonha com acesso - Esporte - O Sol Diário

Será?04/10/2016 | 09h57Atualizada em 04/10/2016 | 10h17

Embalado pelas coincidências entre a campanha de 2016 e 2008, Avaí recebe o Goiás e sonha com acesso

Leão quer usar exemplos do passado para chegar a elite

Embalado pelas coincidências entre a campanha de 2016 e 2008, Avaí recebe o Goiás e sonha com acesso Arte/DC
Foto: Arte / DC

O Avaí está na luta pelo acesso à elite nacional. O Leão está em terceiro na competição, com 45 pontos, e embalado. São oito jogos de invencibilidade, sete vitórias e um empate. Resultados que levou o time do flerte com o rebaixamento para a luta pela Série A. Para aqueles que são mais supersticiosos, há algumas semelhanças entre a campanha desta temporada e a de 2008, quando o Leão voltou para a Primeira Divisão depois de 29 anos.

Leia mais sobre o Avaí
Confira a tabela da Série B

Uma das principais coincidências é a chuva. A partida de hoje, contra o Goiás, às 21h30min, na Ressacada, será embaixo d¿água. Água que a torcida azurra se acostumou a encarar em 2008 para ver o Leão subir. A grande diferença é que agora a casa avaiana tem mais um setor coberto e o gramado é preparado para não ficar encharcado.

Aquela equipe de 2008 era comandada pelo mesmo jogador: Marquinhos. Hoje, o Galego não tem mais a mesma força física, mas o pé está ainda mais calibrado. M10 é o líder de assistências do time na Série B, com cinco passes para gol, em apenas sete jogos.

Em relação à equipe que venceu o Paysandu, serão duas mudanças. Capa volta à lateral esquerda, depois de cumprir suspensão. A outra é por lesão. Lucas Coelho, com dores no ombro direito, deverá ser poupado.

– Vamos manter a estrutura, mudar o mínimo possível. Temos a volta do Capa e não devemos ter o Lucas Coelho, com dores no ombro. Temos o Vitor ou o Tatá para a posição – disse o técnico Claudinei Oliveira.

Vitor é um centroavante clássico, mas é inexperiente. Ele acabou de subir da base e fez sua estreia na última partida, jogando os minutos finais. A outra opção é colocar Tatá, o que faria o técnico mudar o esquema.

A expectativa é que a torcida faça a diferente. Em 2008 mesmo em jogos na terça-feira, como é o caso de hoje, comparecia em bom número. Para manter a média de público do último jogo, que foi mais de 10 mil, a diretoria avaiana manteve a promoção com ingressos a R$ 20.

– Peço a torcida que compareça para jogar junto com a gente. E peço também para entender o momento da equipe e que podemos ter dificuldades – disse Claudinei.

Evando

Evando virou ídolo azurra em 2008, depois de ser um dos destaques do acesso. Por isso, ganhou o apelido de Iluminado. Mais uma vez o Leão tem Evando ao seu lado, mas não dentro de campo. Agora, ele é auxiliar técnico do clube e serve para lembrar os novos atletas azurras de como o clube é importante. Além disso, esta arrancada de sucesso na Série B começou com ele no comando, na partida diante do Sampaio Corrêa, no Maranhão, vencida por 2 a 1.

Marquinhos

Não tem como citar o Avaí sem lembrar de Marquinhos. Pode parecer exagero creditar esse bom momento porque ele voltou ao time, porém não é. Sua importância não é apenas dentro de campo, com gols e assistências, mas também do lado de fora. Ele é um líder e também está de olho nos companheiros. Em momentos de dificuldade, como os salários atrasados, ele sabe domar o vestiário e negociar com a diretoria. M10 é mais que um jogador, é uma espécie de gerente de Futebol também. Hoje ele faz muito mais do que em 2008.

O abraço da torcida

A torcida abraçou o time. Uma prova disso foi a presença na última partida, em que mais de 10 mil avaianos estiveram na Ressacada. O clima na Ressacada era perfeito para uma vitória. A confiança na equipe cresce a cada partida. O torcedor azurra estava machucado, afinal nas últimas três temporadas o clube luta contra o rebaixamento no Catarinense e, apesar do acesso à Série A em 2014, o que está vivo na memória foi a queda no ano seguinte. A sequência de vitórias traz motivação ao torcedor que abraça mais uma vez sua equipe, assim como foi em 2008.

Técnico novato

Claudinei Oliveira, assim como Silas em 2008, está procurando seu espaço no mercado. Apesar de ter começado já em um gigante brasileiro, o Santos em 2013, o técnico ainda é novato e precisa de bons trabalhos para crescer. Subir com o Leão seria essencial para isso. Além disso, ele está invicto no comando da equipe. Desde que chegou, foram seis vitórias e um empate.

Chuva

A partida de hoje contra o Goiás é para lembrar aqueles jogos de 2008 com muita água. A previsão diz que a chuva na Ressacada será moderada, mas é o bastante para deixar o gramado encharcado e com o ambiente propício para os chutes de fora da área de Marquinhos.

FICHA TÉCNICA

AVAÍ

Renan; Alemão, Betão, Fábio Sanches, Capa; Luan, João Filipe, Renato, Marquinhos; Romulo e Vitor (Tatá)

Técnico: Claudinei Oliveira

GOIÁS

Márcio; Sueliton, Felipe Macedo, Alex Alves, Juninho; David, Patrick, Léo Lima, Léo Sena; Rossi e Léo Gamalho

Técnico: Gilson Kleina

Arbitragem: Pathrice Wallace Corrêa Maia, auxiliado por Gabriel Conti Viana e Carlos Henrique Cardoso de Souza (trio do RJ)
Horário: 21h30min
Local: Ressacada, em Florianópolis

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros