Com mais adeptos em SC, Crossfit cai nas graças dos praticantes - Esporte - O Sol Diário
 
 

Foco, força e resistência04/11/2016 | 07h48Atualizada em 04/11/2016 | 07h48

Com mais adeptos em SC, Crossfit cai nas graças dos praticantes

Especialistas alertam sobre cuidados necessários

Com mais adeptos em SC, Crossfit cai nas graças dos praticantes João Paulo Pessoa/Revista Grip/Divulgação
Foto: João Paulo Pessoa/Revista Grip / Divulgação

Uma aula de crossfit pode parecer extremamente exaustiva aos olhos de quem não costuma praticar atividades físicas. Imagine uma sala repleta de equipamentos como barras, cordas, pneus de trator e muitos pesos. As atividades são intensas e os músculos são estimulados à exaustão em repetidas séries de exercícios que mesclam condicionamento e resistência. Por isso, o crossfit é perfeito para quem gosta de desafios, porque é preciso muita persistência para não abandonar a atividade assim que os músculos começam a queimar e o coração parece que vai saltar pela boca. A modalidade cresce à medida que mais pessoas se preocupam com qualidade de vida. Em solo catarinense, são aproximadamente 10 academias credenciadas.

O esporte surgiu nos Estados Unidos e é bastante praticado por grupos especiais do exército e se tornou febre mundial. Mães, avós, crianças e pessoas acima do peso, ou com algum tipo de limitação, também estão entre os praticantes. Mas o alerta dos especialistas é com relação à sobrecarga.

– Todo treinamento físico deve respeitar as individualidades do aluno, o histórico de patologias, as disfunções musculares e articulares e os objetivos de cada um. Não ser criterioso com aspectos importantes como estes pode originar disfunções relacionadas à sobrecarga – alerta o fisioterapeuta Rafael Klentz.

Algumas pessoas têm medo do crossfit por conta das lesões, já que, olhando de fora, os exercícios parecem bastante agressivos. O médico do esporte, Bruno Cardoso, explica que, além de cuidar com o excesso de carga, é preciso corrigir a postura ao realizar os exercícios. O papel do coach – como é chamado o treinador de crossfit – é fundamental na orientação dos alunos.

Modalidade faz sucesso no Brasil

De acordo com o educador físico Jonas Spricigo Júnior, o crossfit desembarcou no Brasil em 2011 e atualmente são mais de 500 box – como são chamadas as academias – espalhadas pelo país.

– Crossfit é uma tendência e costumo dizer que é o ¿vale-tudo fitness¿, porque é um misto de valências físicas. Mistura ginástica, exercícios com peso e trabalho cardiovascular – explica Jonas.

Muitos se identificam com as aulas dinâmicas e, em certo ponto, exaustivas. Outros se assustam com os exercícios de força, mas ficam curiosos com o esporte. O fisioterapeuta Rafael Krentz alerta que é preciso buscar referências dos profissionais, que necessariamente têm que ser educadores físicos, e levar em conta o método utilizado no box. O importante é atender as necessidades do aluno sem comprometer a saúde.

Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Viciadas no crossfit, catarinenses participam de competição em SP

Há uma unanimidade entre os praticantes da modalidade: crossfit vicia. A adrenalina que envolve os treinos, a competição saudável entre os alunos de um box e a briga individual contra o relógio são ingredientes que tornam a prática ainda mais apaixonante e palco de grandes competições mundo afora, transmitidas por emissores de televisão e sites especializados que se multiplicam.

Quem leva o esporte a sério como a empresária Janaína Santos, dedica horas de treinamento intenso para os grandes eventos, a exemplo da disputa que acontecerá neste final de semana, em São Paulo. Ela fará parte de um trio de competidoras catarinenses que treinam em Florianópolis e embarcam hoje rumo ao WKND Wars, um dos principais campeonatos de crossfit do Brasil, com mais de 600 atletas.

Na bagagem, Janaína leva a experiência de ter conquistado alguns pódios e a participação em mais de 15 competições, uma delas no Paraguai. Desde que iniciou no esporte, em 2013, ela destaca que o vício aumentou e garante sentir falta da adrenalina dos treinos e até mesmo das competições quando passa muito tempo sem participar.

Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

– O que me prende ao esporte é a superação. A gente sempre acha que vai chegar ao limite do corpo, mas não chega. Treinando se percebe que é possível fazer mais e ir além – garante.

Na competição que acontece neste final de semana, em São Paulo, Janaína conta com a confiança e a dedicação aos treinos para conquistar mais um lugar no pódio ao lado das atletas Mariana Gusi e Shirlley kreutzfeld. O trio compete junto há cerca de um ano e meio e está preparado para enfrentar as fortes adversárias paulistas.

– Estamos confiantes, treinamos muito e vamos para o WKND Wars para incomodar as nossas adversárias. Acredito que podemos voltar de lá com um ótimo resultado – aposta Janaína.

O Sol Diário
Busca