Fernanda e Paulo, o "Casal 21k" da Meia Internacional de Florianópolis - Esporte - O Sol Diário

Corrida de rua18/11/2016 | 07h02Atualizada em 18/11/2016 | 07h02

Fernanda e Paulo, o "Casal 21k" da Meia Internacional de Florianópolis

Dupla corre domingo 12ª Meia Internacional de Floripa e é um ótimo exemplo das vantagens de marido e mulher treinarem juntos no esporte

Fernanda e Paulo, o "Casal 21k" da Meia Internacional de Florianópolis Diorgenes Pandini/Agencia RBS
Aquecimento com vista privilegiada Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

Paciência mútua, saúde, compreensão e incentivo um ao outro e muito amor. Esta é uma receita perfeita para o sucesso de um casal. E por que não treinar estas práticas? Dá para fazer uma simulação perfeita deste mundo ideal se o casal optar por encarar o desafio de treinar corrida em conjunto. E a experiência prática e vitoriosa já é vivida por Paulo Vitor Bona Negri e Fernanda Oaigen Negri.

Neste domingo, eles formarão o "casal 21k" na Meia Maratona Internacional de Florianópolis. Correrão juntos para simular um dos desafios do seu próximo objetivo, as sempre duras provas de triatlo. Já no início de dezembro estarão na disputa do Challenge Florianópolis. E conciliar a vida profissional e em família com treinos tão intensos vale a pena?

— Vale muito, você ter a companheira do seu lado no esporte é como ter um aliado poderoso. Um ajuda o outro a encarar os treinos, há cumplicidade e o melhor é saber que tudo isso é em benefício da sua saúde — relata Paulo.

E a universidade da vida de casais pode ter mestrado com as corridas, afinal nem tudo é conto de fadas:

— Como fui incentivada pelo Paulo a correr, então ele é o mais empolgado, nunca tem tempo ruim para ele e, às vezes, a outra pessoa não está tão motivada. Mas, com o tempo, aprendemos a respeitar as diferenças e, hoje em dia, tem infinitamente mais tempo bom do que ruim - comemora Fernanda.

Casal passa pela área onde ficará toda a infra-estrutura da Largada/Chegada, na Beira-Mar Norte Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

E a saúde é foco central na vida do casal. Paulo é educador físico e Fernanda, fisioterapeuta. Para ela, a motivação é até maior, afinal começar a correr, incentivada pelo marido, foi libertador em relação ao sofrimento com a síndrome do pânico:

— Acredito que no caso das mulheres a questão estética influencia, você imaginar que vai emagrecer, vai cultivar hábitos saudáveis. Porém, no meu caso, determinante foi a proposta do Paulo para me ajudar, afinal eu tomava dois medicamentos contínuos para pânico, era muito ansiosa, e ele me provou que com atividade física eu poderia vencer esta dificuldade sem o uso de remédios. Conversei com meus médicos, eles concordaram e o resultado foi maravilhoso — relata a atleta.

Deu tão certo, que até as profissões ajudam, se complementam:

— Se vejo algo que tecnicamente não está legal já rola um feedback em casa, mas sem ser chato, até porque estamos em uma assessoria (a Just Run), e, querendo ou não, somos um casal, é melhor que outro faça a correção.

Fernanda concorda:

— É legal que tenha um terceiro auxiliando, porque aí há um filtro, tanto que na fisio posso atendê-lo em uma necessidade, mas para um tratamento indico um colega, é melhor assim - acrescenta.

A dupla recomenda para outros casais que apostem na parceria em corrida e no esporte em geral:

— Dá para conciliar tudo, a vantagem é você entender o companheiro, respeitar o tempo do outro, o descanso do parceiro e também decidir quando é para abdicar de um treino em favor da família, dos amigos, ou o contrário e, quando estas decisões são em conjunto, o casal se completa, você transforma um momento de esforço físico, que exige regras, em algo que dá prazer — explica Fernanda.

A simulação no esporte da vida a dois é válida, segundo Paulo:

— A vida impõe desafios que quando há compreensão mútua são mais fáceis de enfrentar, no caso da corrida você levantar para treinar cedinho, ter a cumplicidade do outro facilita tudo. No nosso caso, não ganhamos dinheiro com a corrida, é um lazer, claro com competitividade, então temos que abdicar de um treino às vezes até para dar uma entrevista — brinca Paulo.

E o recado final é de Fernanda:

— O mais importante é que a pessoa opte por treinar junto desde que seja por decisão própria. Dá a impressão que a gente corre um pelo outro, confesso que no início esta era minha visão, até demorei para entender que, no fundo, o esforço é próprio, pelo seu bem estar, por uma vida mais saudável, para melhorar a convivência — ensina.

O "casal 21k" estará em ação, a partir das 7h de domingo, na Beira-Mar Norte, em Florianópolis, junto com outros 4 mil corredores que vão colorir as ruas da Capital com esforço, competitividade e saúde.

SERVIÇO DA PROVA DE DOMINGO

Local da largada e chegada
Praça do Sesquicentenário da Polícia Militar, avenida Beira-Mar Norte.

Entrega dos kits, no local da prova
Sexta-feira: 13h às 20h
Sábado - 10h às 19h

Programação:
5h30min às 6h30min - Entrega dos Chips da Meia Maratona6h50min - Início do Aquecimento/Alongamento da Meia Maratona
6h às 7h - Entrega dos Chips (Corrida e Rústica)
7h - Largada da Meia Maratona
7h15min - Início do Aquecimento/Alongamento (Corrida e Rústica)
7h30min - Largada da Corrida e Rústica
10h - Início da Cerimônia de Premiação

Trânsito

Trânsito parcial na Beira-Mar Norte e na Avenida Governador Gustavo Richard.
A recomendação é evitar entre 6h e 10h o deslocamento pelas pontes Pedro Ivo e Colombo Salles e pela avenida Beira-Mar Norte em toda sua extensão.

CONFIRA OS PERCURSOS



Os 21k ocupam toda extensão da Beira-Mar Norte, passam pela Avenida Gustavo Richard até ao túnel Antonieta de Barros
Os 10k também passam pela Avenida Gustavo Richard, até o túnel Antonieta de Barros, mas não vão até a UFSC
Os 5k fazem o retorno na Beira-Mar Norte, logo após a passagem pela Ponte Hercílio Luz


 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros