"Ninguém percebeu nada", afirma o comissário boliviano que sobreviveu ao desastre da Chapecoense - Esporte - O Sol Diário

Tragédia na Colômbia05/12/2016 | 00h18Atualizada em 05/12/2016 | 15h19

"Ninguém percebeu nada", afirma o comissário boliviano que sobreviveu ao desastre da Chapecoense

Erwin Tumiri declarou ao Fantástico que não fez procedimento de emergência e que o acidente não provocou desespero na aeronave

"Ninguém percebeu nada", afirma o comissário boliviano que sobreviveu ao desastre da Chapecoense Reprodução/Reprodução
Erwin Tumiri falou ao Fantástico Foto: Reprodução / Reprodução

Em duas ocasiões neste fim de semana, o comissário de bordo boliviano Erwin Tumiri desmentiu a informação, amplamente difundida desde o acidente aéreo que envolveu a Chapecoense, de que só sobreviveu porque, em meio ao pânico dos momentos que antecederam à queda, executou os protocolos recomendados para um desastre. De acordo com ele, não houve antecipação do que aconteceria, e o que a tripulação do LaMia 2933 e os passageiros sentiram antes do impacto foi a vibração de uma turbulência ou de um pouso um pouco mais difícil.

– Eu estava conversando com o técnico da Chapecoense, e ele estava me ensinando um pouco de português. Aí veio o aviso do piloto para afivelar os cintos, porque íamos pousar. O avião começou a vibrar e eu pensei que fosse um pouso normal. Só isso, não me lembro de mais nada – contou Tumiri em entrevista exclusiva concedida na noite de domingo ao programa Fantástico, da TV Globo.

Tumiri foi o primeiro sobrevivente a ter alta, e chegou no sábado a Cochabamba, sua cidade natal. Ele já havia contado versão semelhante para o médico Carlos Henrique Mendonça Silva, da Chapecoense, que foi à Colômbia prestar assistência aos sobreviventes. Ele também desmentiu uma informação que provocou amplas discussões ao longo da semana passada, a de que teria se salvado porque havia seguido os procedimentos de segurança recomendados de se proteger em posição fetal. A informação havia sido publicada em uma entrevista supostamente concedida por Tumiri ao jornal boliviano La Razón poucos dias após o acidente, e publicada na quinta-feira, dia 1º.

– Não, eu não disse nada disso. É a primeira vez que estou falando com a imprensa. – disse ao Fantástico, e reforçou – Em nenhum momento eu fiz isso. Ninguém percebeu nada de diferente. Era uma preparação para um pouso normal.

Leia mais:
Sobreviventes de avião apresentam melhora; Alan Ruschel fala em churrasco
Cerimônia em homenagem às vítimas da Chapecoense é marcada por emoção
Médicos dizem que Follmann está consciente e reagiu bem à amputação
Irmã de Alan Ruschel publica relatos do pai sobre recuperação do lateral
Chapecó se despede de seus ídolos

COMISSÁRIO CRITICOU DECISÃO
DE VOAR COM POUCO COMBUSTÍVEL

Ao falar sobre as prováveis razões do acidente, Tumiri criticou veladamente o comando do piloto Miguel Quiroga, um dos 71 mortos no desastre. De acordo com o comissário, o comandante mudou os planos de última hora e resolveu pular a parada no meio do caminho, em Cobija, onde poderia ter sido realizado o reabastecimento a aeronave.

– Acho que pode não ter sido uma boa ideia do piloto ou da pessoa responsável por isso na LaMia. Eu fiz o relatório de que iríamos para Cobija. Mas no momento da decolagem perguntei: "Vamos até Cobija, não é?" "Não, vamos direto a Medellin".

Ele também desabafou que as decisões a respeito de um voo são tomadas de forma personalista pelos comandantes de aeronaves, e que a tripulação raramente é informada a respeito. Tumiri, que pretende continuar como comissário e estuda para se formar piloto, finalizou a entrevista ao Fantástico declarando a vontade de conhecer a cidade da maioria das vítimas:

– Quero ir para Chapecó e conhecer a cidade um dia desses. Porque às vezes eu sinto como se eu tivesse sido salvo por eles. Como se eles tivessem dado sua vida pela minha.

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros