Plínio David de Nês Filho é confirmado presidente da Chapecoense - Esporte - O Sol Diário

Reconstrução16/12/2016 | 21h57Atualizada em 16/12/2016 | 22h01

Plínio David de Nês Filho é confirmado presidente da Chapecoense

Conselheiros escolheram Maninho por aclamação em reunião nesta sexta-feira

Plínio David de Nês Filho é confirmado presidente da Chapecoense Sirli Freitas/Chapecoense
Foto: Sirli Freitas / Chapecoense
darci debona

Os conselheiros da Associação Chapecoense de Futebol escolheram por aclamação a experiência de Plínio David de Nês Filho para comandar a reconstrução da Chapecoense. Ele foi eleito como presidente do clube para o biênio 2017/2018 em chapa única apresentada nesta sexta-feira, em assembleia. Ivan Tozzo segue como vice. No Conselho Deliberativo, Gilson Vivian assume o cargo máximo. Nei Maidana Mohr será o vice-presidente de futebol.

Maninho, como é mais conhecido, já havia assumido parte do comando do clube após a tragédia com o avião da LaMia que levava a delegação da Chapecoense para a Colômbia, junto com Ivan Tozzo, que ficou como presidente interino.

Foi ele que viajou a São Paulo para negociar a contratação do técnico Vagner Mancini e do diretor-executivo de futebol Rui Costa. Também foi recepcionar o jogador Neto no aeroporto na quinta-feira.

Plínio De Nês é uma liderança ¿nata¿ na Chapecoense. Era o conselheiro de Sandro Pallaoro. Muitas das reuniões da diretoria nos últimos anos eram no escritório de Maninho.

Ele traz a experiência de ser de uma família de industriais e que era ligada ao esporte. Seu pai, Plínio De Nês, foi o fundador do frigorífico Chapecó. Apoiou a Chapecoense desde sua fundação. Maninho também foi da diretoria do clube. Ele foi buscar o volante Janga em seu carro, com o então presidente Lotário Immich, em Estrela, em 1977, ano do primeiro título Catarinense. Foi vice-presidente de futebol no primeiro Brasileirão da Chape, em 1978. Depois acabou se afastando por um período do clube.

Antiga ligação com o esporte

Como diretor e depois presidente do Frigorígico Chapecó, ajudou a montar um dos melhores times de vôlei do país, vice-campeão da Superliga em 1997, que contava com Carlão, Giovane, Giba, Milinkovic, Pereira e Weber. Patrocinou Cristhian Fittipaldi na Fórmula 1 e Indy, a Portuguesa vice-campeã brasileira de 1996 e até Guga Kuerten, em início de carreira.

Teve a tristeza de ver o Frigorífico Chapecó não se sustentar economicamente. Seguiu com outros negócios, entre eles investimentos na Bolsa de Valores. A partir de 2009, passou a se envolver novamente na Chapecoense, atuando nos bastidores. Deu sua contribuição na montagem da diretoria que levou o time da Série D para a Série A. Foi se envolvendo cada vez mais até ser eleito presidente do Conselho Deliberativo.

Agora, apesar de já estar com 70 anos, viu que o clube necessitava de alguém para o comando e decidiu assumir o desafio da reconstrução da equipe. É um nome que sabe os caminhos que a Chapecoense percorreu para ser grande. Também é alguém capaz de unir lideranças e buscar profissionais para dar conta do patamar que a Chapecoense alcançou após a tragédia.

Leia mais
Lateral Alan Ruschel recebe alta e deixa o hospital em Chapecó
Sobrevivente lembra que trocou quatro vezes de lugar antes de queda do avião 

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioEsquadrilha da Fumaça é a principal atração no Festival Brasileiro de Aeromodelismo, em Gaspar https://t.co/axt41kVtKChá 9 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMulher de Florianópolis é resgatada de sequestro com pedido de resgate em moeda virtual https://t.co/tAZgrfI6qshá 10 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros