Clubes catarinenses se preparam para rotina desgastante de viagens - Esporte - O Sol Diário

No 1º semestre06/01/2017 | 06h04Atualizada em 06/01/2017 | 06h04

Clubes catarinenses se preparam para rotina desgastante de viagens

Chapecoense vai rodar quase 26 mil quilômetros até maio 

Clubes catarinenses se preparam para rotina desgastante de viagens Cristiano Estrela/Agencia RBS
Avaí vai rodar pouco mais de 6 mil quilômetros enquanto a Chapecoense vai viajar quase 26 mil quilômetros até maio  Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Com a classificação para a Libertadores e viagens já marcadas para Venezuela, Argentina e Uruguai, a Chapecoense vai ser o time catarinense que passará mais tempo em deslocamentos neste primeiro semestre. Somente com os 27 jogos já programados, o Verdão percorrerá quase 26 mil quilômetros pela América do Sul entre janeiro e maio, de acordo com estimativas feitas pela reportagem do DC. A distância é mais que o dobro em relação ao que percorrerá o segundo catarinense que mais vai pegar a estrada até o fim do Estadual. 

O Figueirense viajará ao menos 9.982 quilômetros. Em seguida neste ranking aparecem o Criciúma (9.334 km), o Joinville (8.956 km) e, por último, o Avaí (6.056 km). Neste cálculo, não estão inclusas eventuais classificações na Copa do Brasil, nem a disputa do Brasileirão.

Além do exercício de logística, as longas viagem exigem uma preparação diferenciada para evitar lesões nos atletas. Segundo o preparador físico do Avaí, Jaelson Ortiz, o excesso de jogos é um problema com o qual os clubes precisam lidar. 

— Hoje, a nossa principal preocupação é com a recuperação dos atletas. As viagens são muito cansativas. Vivemos uma realidade de muitas horas dentro de ônibus ou avião e pouquíssimo treino. Esses deslocamentos afetam diretamente a performance – afirma. 

No caso da Chapecoense, um foco para evitar as lesões, após a realização dos exames médicos, será a criação de um plano individual de treinamento para cada atleta. Conforme o preparador físico Marcos Cézar, o Marquinhos, isso não significa que o jogador treinará separado, mas fará atividades que possam melhorar seu desempenho individual em uma época de muitas competições. 

— Hoje, temos que pensar o futebol de maneira holística. Não dividimos mais o atleta na parte física e psicológica, por exemplo. É preciso olhar o todo. E todas essas áreas acabam contribuindo para evitar o desgaste em um ano de muitos jogos. A preparação física precisa estar bem alinhada com outras áreas, como nutrição, descanso e trabalho preventivo — diz.

Dentro dessa preparação, um fator é considerado fundamental para que o atleta possa ser o menos impactado possível: a logística de viagens. Para Ortiz, do Avaí, empecilhos precisam ser comumente superados para impedir uma queda de rendimento ou o surgimento de lesões.

— A própria mudança nos hábitos alimentares de uma região para outra influencia. É preciso arranjar lugar para comer, para treinar. São muitos cuidados a serem tomados.


 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioTrês pessoas ficam feridas em acidente de trânsito em Brusque https://t.co/KV7QzwuQ0Whá 58 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioEscola de Palhoça onde estudava criança vítima de meningite retoma aulas nesta segunda https://t.co/KoumFCdgN9há 1 horaRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros