Time de vôlei sentado da Udesc procura novos atletas para participar de campeonatos  - Esporte - O Sol Diário

Esporte Paralímpico24/03/2017 | 08h06Atualizada em 24/03/2017 | 08h06

Time de vôlei sentado da Udesc procura novos atletas para participar de campeonatos 

Equipe está com sete atletas, sendo quatro amputados e três com deficiência mínima, e ainda precisa de pelo menos mais cinco jogadores

Time de vôlei sentado da Udesc procura novos atletas para participar de campeonatos  Leo Munhoz/Agencia RBS
Real Vôlei treina todas as sextas-feiras no Cefid/Udesc Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Não é porque perdeu uma das pernas em um acidente de trânsito que Marcelo Pacheco ficou parado. Aos 41 anos, o comerciante treina todas as noites de sexta-feira no Real Vôlei, equipe do esporte adaptado da Udesc, em Coqueiros, região continental de Florianópolis. O atleta não vê a hora de estar participando de torneios em Santa Catarina ou pelo Brasil. Para isso só falta um detalhe: que mais pessoas entrem para o time.

— Os primeiros dias foram muito cansativos, eu ficava muito dolorido, porque a gente se arrasta no chão. Mas foi uma grande oportunidade que eu recebi e não posso perder — lembra Marcelo.

Ele começou no esporte a convite do treinador da equipe, Evandro Nandi. Os dois se conheceram através do filho de Marcelo, João Vitor, de 14 anos, que treina com Evandro numa equipe de vôlei tradicional. O projeto começou em junho do ano passado. Atualmente tem sete atletas, sendo quatro amputados e três com deficiência mínima. A equipe ainda precisa de pelo menos mais cinco jogadores. Com esse número de atletas, poderia ingressas na Série C do Campeonato Brasileiro, disputar a Sul Brasileiro, além de copas não federadas.

— A gente patrocinador com verba pra alimentação, viagem, uniforme, material esportivo, eu tenho disposição para treinar, só falta o público se interessar. As pessoas que estão numa cadeira de rodas não podem se achar coitadas — convoca o técnico.

Evandro salienta ainda que caso um atleta se destaque, ainda é possível ganhar uma bolsa da Confederação Brasileira de Vôlei para Deficientes, com valor inicial de R$ 900.

Marcelo Pacheco, comerciante de 41 anos, teve uma das pernas amputadas após acidente de trânsito Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

É o que busca Marcelo Pacheco. A caminhada dele está sendo longa: já se vão 6 anos. O acidente aconteceu em dezembro de 2010 em frente ao shopping Itaguaçu, na BR-101. Ele lembra que estava de moto e um andarilho cruzou seu caminho. Acabou atropelado por um caminhão. Ficou nove dias em coma e passou por 18 cirurgias. Três anos depois passou a jogar basquete em cadeira de rodas na Aflodef (Associação Florianopolitana de Deficientes Físicos). Mas queria mesmo vôlei, o esporte que já praticava antes do acidente.

— Mesmo depois das cirurgias eu ainda tenho um problema no quadril, e o vôlei sentado ajuda a fortalecer a região.

Como entrar em contato
Interessados em ingressar no Real Vôlei devem procurar o professor Evandro Nandi através do telefone 48 98443-4225 ou no e-mail nandi.evandro@gmail.com. Não precisa ser aluno da Udesc. Não é preciso experiência e não há restrição a gênero e idade.

Para participar da equipe Real Vôlei, não há exigência com idade, sexo ou experiência Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

História

O vôlei sentado surgiu da junção do vôlei convencional com um esporte alemão praticado por pessoas com pouca mobilidade, mas sem rede, chamado sitzbal. A união das duas modalidades fez surgir o vôlei sentado em 1956. Utilizando basicamente as regras do vôlei, o esporte tem um ritmo frenético e é disputado oficialmente desde as Paraolimpíadas de Arnhem-1980, na Holanda.

Podem competir no vôlei sentado jogadores amputados, paralisados cerebrais, lesionados na coluna vertebral e pessoas com outros tipos de deficiência locomotora. Uma das regras principais do esporte é que os atletas não podem bater na bola sem estar em contato com o solo.

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCarolina Bahia: Centrão continua trabalhando para derrubar Padilha https://t.co/6ntu0y4ytWhá 17 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol Diário"Agora é pensar em 2018", diz Dudu, do Figueirense https://t.co/ALrZRJqlIchá 5 horas Retweet
O Sol Diário
Busca