De virada e nos acréscimos, Chapecoense vence o Zulia - Esporte - O Sol Diário

Libertadores23/05/2017 | 21h38Atualizada em 23/05/2017 | 21h59

De virada e nos acréscimos, Chapecoense vence o Zulia

Time catarinense perdia até os 44 minutos do segundo tempo, mas fez dois gols e conquistou vaga na Sul-Americana

De virada e nos acréscimos, Chapecoense vence o Zulia Márcio Cunha/Especial
Foto: Márcio Cunha / Especial

Uma virada incrível. Até os 44 minutos do segundo tempo, a Chapecoense perdia para o Zulia na Arena Condá, na noite desta terça-feira. Mas o time não desistiu e fez dois gols, um aos 45, com Arthur Caíke, outro aos 46, com Andrei Girotto e venceu por 2 a 1. Foi uma vitória da garra e da dedicação que estão na identidade do clube oestino.

Mesmo eliminada no tribunal da Conmebol com a perda dos três pontos contra o Lanús, a Chapecoense mostrou fibra, venceu, foi a sete pontos e conseguiu pelo menos uma classificação para a Copa Sul-Americana.

A manhã já começou chuvosa em Chapecó e, no final da tarde, veio a notícia de que a Chapecoense havia perdido os pontos da vitória contra o Lanús, na Argentina, pela escalação irregular de Luiz Antônio. O clube ainda tentará reverter a decisão, mas uma vitória é improvável.

Restava tentar vencer o Zúlia para, pelo menos, garantir o terceiro lugar na Chave e uma vaga na Sul-Americana. Com o mau tempo e a eliminação virtual o público na Arena Condá, de 4,4 mil pessoas, foi bem abaixo da média.

Já o time, apesar da derrota no tribunal, não demonstrou desânimo e partiu para cima do time venezuelano.

Apodi cruzou e o zagueiro Plazas quase marcou contra. Rossi invadiu a área mas foi desarmado na hora de finalizar. Arthur cobrou falta mas a bola foi para fora. Luiz Antônio arriscou de fora da área mas errou o alvo. Na arquibancada a torcida suspirava.

Só que o dia não era mesmo da Chapecoense. No segundo ataque do Zúlia, aos 29 minutos, num cruzamento da esquerda Arango fez 1 a 0 para o time venezuelano.

Depois disso novamente só deu Chapecoense, mas sem conseguir o gol.

No segundo tempo, já com o atacante Túlio de Melo no lugar do meia Luiz Antônio, a Chapecoense levou abriu a marcação para tentar fazer gol e levou mais um susto do Zúlia.

No entanto teve uma boa chance de gol em jogada de Rossi, que tocou para Wellington Paulista, que chutou de frente para o gol mas a bola deu na trave. Nada dava certo para a Chapecoense. O time reclamou mão na bola do defensor do Zúlia, mas a arbitragem mandou seguir.

Rossi cruzou na cabeça de Arthur Caíke, que tirou do goleiro mas a zaga salvou em cima da linha. A torcida já estava impaciente com o gol que não saía.

Nem o Reinaldo acertava as finalizações.

Aos 25 minutos do segundo tempo Bello recebeu os segundo amarelo por falta em Rossi e acabou expulso.

Minutos depois Grolli acertou a trave novamente. Depois Veja defendeu cabeçadas de Arthur Caíke e Túlio de Melo. A bola insistia em não entrar. Nenén, que entrou no segundo tempo, também acertou o travessão.

Até o final da partida a Chapecoense seguiu tentando, mas o goleiro seguiu defendendo, com a bola até passando por entre suas pernas. Parecia que a Chapecoense teria um fim melancólico de Libertadores.

Mas havia muita emoção reservada para os minutos finais. Arthur Caíke empatou a partida aos 45 minutos. E Andrei Girotto virou aos 46. A Arena Condá explodiu de alegria. A Chapecoense está fora da Libertadores. Mas com dignidade. Em seu primeiro ano pecou por inexperiência. Mas não faltou vontade e bom futebol para representar bem Santa Catarina.

FICHA TÉCNICA

CHAPECOENSE-2: Jandrei, Apodi (Nenén), Nathan (Fabrício Bruno), Grolli e Reinaldo; Andrei Girotto, Luiz Antônio (Túlio de Melo) e João Pedro; Rossi, Wellington Paulista e Arthur Caíke. Técnico: Vagner Mancini.

ZULIA-1: Vega, Palomino, Plazas e Cuevas (Martinez); Rivillo, Bello, Gomez e Junior Moreno; Arango, Unrein (Guaycochea) e Orozco. Técnico: Daniel Farias Acosta.

Gols: Arango (Z), aos 29 minutos do segundo tempo. Arthur Caíke (C) aos 45,e Andrei Girotto (C), aos 46 do segundo tempo.

Cartões amarelos: Grolli, Andrei Girotto, Wellington Paulista (C); Veja, Belo, Gomez (Z)
Vermelho: Bello (Z), aos 25 do segundo tempo.

Arbitragem: Gustavo Murillo, auxiliado por Alexandre Guzmán e Cristían de la Cruz-COL
Local: Arena Condá, em Chapecó.

Público: 4.423
Renda: R$ 94.500

Leia todas as notícias da Chapecoense

Acesse a tabela da Libertadores

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMoeda Verde: saiba quem são os absolvidos na sentença da primeira instância da operação https://t.co/KRlzy5Idlnhá 2 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMoeda Verde: Saiba o que acontece com o processo após a condenação em primeira instância https://t.co/AaUTHFD5Nmhá 22 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros