Conselho aprova e investidores vão comandar o futebol do Figueirense por 20 anos - Esporte - O Sol Diário

Futuro alvinegro07/08/2017 | 23h07Atualizada em 07/08/2017 | 23h16

Conselho aprova e investidores vão comandar o futebol do Figueirense por 20 anos

Maioria dos conselheiros deu aval para a mudança no comando do futebol

Conselho aprova e investidores vão comandar o futebol do Figueirense por 20 anos Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS

O Conselho Deliberativo do Figueirense aprovou a parceira com grupo de investidores na noite desta segunda-feira. O contrato que transforma o Alvinegro em clube-empresa foi aprovado por maioria dos votos. Também na reunião extraordinária, realizada no Memorial do Orlando Scarpelli, o presidente Wilfredo Brillinger abriu mão de cadeira no conselho administrativo do clube-empresa e segue apenas como presidente do clube, de forma institucional. Vice-presidente do clube, Dario Ferreira da Silva, e Luiz Carlos Sombrio, presidente do Conselho Fiscal, são os representantes do clube na administração. 

Os conselheiros aprovaram por 85 votos e apenas dois contrários as mudanças. Logo após a votação, o clube anunciou que Milton Cruz será o técnico do Figueirense para o decorrer da Série B

Além de novo técnico, o Figueirense terá um CEO. Trata-se do matemático Alexandre Bourgeois, com rápida passagem pelo São Paulo em 2015. Nesta terça-feira, ele dará uma entrevista coletiva no Estádio Orlando Scarpelli para falar sobre o projeto.

— A parceria está definida e selada. O Figueirense está dando um passo enorme no seu futuro. É um projeto que na minha reeleição em 2014 coloquei como condição essencial. Só participaria se a gente transformasse o clube em empresa de futebol. Desde lá a gente vem trabalhando para montar a estrutura que montamos. Por isso é que fomos procurados por investidores que chegaram até o Figueirense, pois o clube estava pronto. Além da marca, que é muito forte, é um clube com torcida, o que os investidores procuravam para ter sucesso com a proposta. — declarou o presidente Wilfredo Brillinger.

Em alguns momentos da reunião houve discussão acalorada. O contrato não foi lido integralmente, por ter ficado disponível aos conselheiros nos três dias que antecederam a reunião extraordinária. O conselho fiscal e escritório de advocacia, contratado especialmente para a análise, deram parecer favorável à aprovação.

A proposta de grupo de investidores anônimos prevê gestão por meio conselho de administração em sistema de clube-empresa por 20 anos, prorrogáveis por mais 15 (a proposta anterior era de 20 na prorrogação). O homem forte será o CEO Alexandre Bourgeois, matemático que trabalhou por breve período no São Paulo. Ele estava presente na reunião desta segunda-feira.

Na última segunda-feira foi apresentada a proposta de grupo de investidores. Eles propõem investimentos esportivos - como retorno à Série A imediatamente e classificação à Libertadores da América - e aporte financeiro para saldar a dívida de R$ 70 milhões. 

— O Figueirense, sob o ponto de vista jurídico e legal, estava preparado para recepcioná-los. Hoje é dia histórico para o clube. O que os investidores têm nos colocados é de fazer o Figueirense fazer parte dos grandes clubes do futebol brasileiro, colocando metas esportivas bastante audaciosas, como ter 75% de participações na Série A, conseguir um título brasileiro, ter participação em Sul-Americana e Libertadores. Com essa parceria, o Figueirense vai dar um salto muito grande — complementou Brillinger.

Diferentemente da reunião da semana passada, não houve manifestação de torcedores em frente ao portão 3, que dá acesso ao Memorial do Scarpelli.

Reunião sobre futuro do Figueirense conta com 93 conselheiros 
Metas, recursos, prazos: o que há na proposta para transformar o Figueirense em clube-empresa
Leia outras notícias do Figueirense
Confira a tabela da Série B do Brasileiro




O Sol Diário
Busca