Torcedor da Chapecoense vai até Barcelona para testemunhar a história - Esporte - O Sol Diário

Troféu Joan Gamper07/08/2017 | 05h30Atualizada em 07/08/2017 | 08h06

Torcedor da Chapecoense vai até Barcelona para testemunhar a história

Diego Mandrik será um dos torcedores do Verdão no Camp Nou

Torcedor da Chapecoense vai até Barcelona para testemunhar a história Juan Barbosa/Especial
Para Diego Mandrik, é uma sensação única estar em Barcelona Foto: Juan Barbosa / Especial
DC Esportes
DC Esportes

Sete de agosto de 2017. Anote esta data. Será lembrada no futuro como um dos momentos mais emblemáticos da história da Chapecoense e do futebol de Santa Catarina, o dia em que o Verdão enfrentou o Barcelona, no Camp Nou lotado para reverenciar o clube que sobreviveu à maior tragédia do futebol mundial. O gigante espanhol convidou a Chape para a partida amistosa como forma de homenagear as 71 vítimas do acidente aéreo na Colômbia, em 29 de novembro do ano passado, quando a Chapecoense se dirigia para a final da Copa Sul- Americana. 

Troca de camisas com atleta, treino no CT do Barça: o domingo da Chapecoense na Espanha

Disputar o troféu Joan Gamper não é privilégio para muitos. Para testemunhar e sentir de perto esta emoção, torcedores da Chapecoense cruzaram o Atlântico e garantiram os ingressos para o confronto na Espanha. É o caso do gerente de relacionamento Diego Mandrik. 

— Estar aqui é uma sensação única, é uma mistura de sentimentos por tudo que a gente passou. Não deixa de ser um jogo festivo, mas o intuito é a solidariedade pelas pessoas boas que perdemos. Não eram apenas bons jogadores, bons dirigentes, mas eram bons cidadãos, com muito caráter e princípios. Nunca imaginávamos jogar contra o Barcelona. Pelas circunstâncias, é estranho. Se não tivesse acontecido (o acidente), não teria esse jogo — reflete o chapecoense de 34 anos. 

Desde que foi anunciada a partida, ele se propôs a viajar. Primeiro, iria só para o jogo. Depois, conseguiu 10 dias de férias e aproveitou para conhecer outros países, como Portugal e França. Por onde passa com a camisa da Chape, chama a atenção e recebe carinho.

— Foi bem legal, eu fiz escala em Washington e parei lá para conhecer a Casa Branca. Um americano me viu e chamou: "Chapecoense, Chapecoense". Depois, falou para outro, que também conhecia. Onde você passa, veem o escudo da Chape na camisa a maioria sabe quem é, solidariza, o que é um sentimento bem legal — conta Madrik. 

Recuperado e renovado, Alan Ruschel "renasce" no duelo entre Chapecoense e Barcelona

Somente uma agência de turismo de Chapecó vendeu dez pacotes para torcedores que viajaram para ver o time. Não há previsão de quantos apoiadores estarão em Barcelona para apoiar a equipe, mas é fácil afirmar que, no Camp Nou, ninguém estará torcendo contra a Chapecoense. 

O duelo está marcado para as 15h30min (horário de Brasília) desta segunda-feira.

Leia mais informações sobre a Chapecoense



Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioNa véspera de seu aniversário, Temer tem despachos internos no Planalto https://t.co/YXQNxb9nJMhá 2 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioTerceirizada que administra prisões em SC suspende serviços por falta de pagamento https://t.co/PZs2CbECznhá 4 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros