Federação catarinense comemora aprovação da cerveja nos estádios - Esporte - O Sol Diário
 

Alesc20/12/2017 | 18h25Atualizada em 20/12/2017 | 18h25

Federação catarinense comemora aprovação da cerveja nos estádios

Liberação depende, ainda, da assinatura do governador Raimundo Colombo (PSD)

Federação catarinense comemora aprovação da cerveja nos estádios Leo Munhoz/Agencia RBS
Presidente da FCF, Rubens Angelotti, aposta em benefício aos clubes Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS
DC Esportes
DC Esportes

O presidente da Federação Catarinense de Futebol (FCF), Rubens Angelotti, se mostrou satisfeito com a aprovação dos deputados, em votação no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), nesta quarta-feira, para o projeto que permite a venda de cervejas nos estádios e arenas esportivas de todo o Estado.

– Acho que vai ser importante aos clubes. É uma receita que haviam perdido há anos e vão recuperar agora. Aos clubes é interessante, embora os ambulantes e bares ao redor dos estádios não venham a gostar muito. Não é uma solução para acabar com o declínio do público. Não é só a cerveja que atrai o torcedor. Quem atrai o público é o time de futebol – disse Rubinho.

A venda de cerveja nos estádios e arenas esportivas de Santa Catarina está proibida desde 2008. Agora, para a comercialização ser liberada já a partir de janeiro, quando começa o Campeonato Catarinense, o projeto depende da assinatura do governador Raimundo Colombo (PSD). 

No comando da Associação de Clubes de SC (SCClubes), Luiz Henrique Ribeiro disse que a decisão dos deputados demonstra a força conjunta da entidade que ele representa, juntamente com a Federação Catarinense e os dirigentes dos times de Santa Catarina.

– Resultado de trabalho e engajamento da associação, com auxílio de todos os presidente, um trabalho quase braçal e de convencimento nas quatro comissões que passou (Constituição e Justiça, Segurança Pública, Direitos Humanos e Prevenção e Combate às Drogas). A aprovação não libera irrestritamente a bebida. Há regras que controlam a venda – falou Ribeiro.

O Figueirense aponta a perda de R$ 500 mil a R$ 600 mil de arrecadação anual em relação à época em que era permitido vender cerveja. Aliado a isso, estima-se a queda de 30% a 35% de público justamente pela falta da bebida nos estádios. Um comitê de segurança nos estádios deve ser criado pelos clubes.

– Com parte da receita, nós da associação pretendemos criar e fomentar um comitê de segurança nos estádio, com reversão para medidas de segurança. Nós como clubes precisamos ter muita responsabilidade a partir de agora, porque a sociedade vai olhar para nós de forma diferente. Ganhamos um voto de confiança e compete a nós aproveitarmos isso da melhor maneira, trabalhando também a educação e orientação ao torcedor - completou o presidente da SCClubes.

No final de 2016, por meio das redes sociais dos clubes, uma pesquisa apontou que 68% dos torcedores eram favoráveis à venda de bebida alcoólica nos estádios.

Leia mais: Deputados aprovam venda de cervejas nos estádios de SC

O Sol Diário
Busca