"No futebol tem que matar", diz Evando após revés do Avaí para o Criciúma - Esporte - O Sol Diário
 
 

LAMENTAÇÃO22/03/2018 | 07h49Atualizada em 22/03/2018 | 13h49

"No futebol tem que matar", diz Evando após revés do Avaí para o Criciúma

Interino lamenta chances perdidas pelo Leão antes de sofrer a virada para o Tigre na Ressacada

"No futebol tem que matar", diz Evando após revés do Avaí para o Criciúma Marco Favero/Diário Catarinense
Foto: Marco Favero / Diário Catarinense
DC Esportes
DC Esportes

"No futebol tem que matar. Não marcamos e demos vida ao adversário. O maior respeito ao rival é fazer o gol quando se está melhor". A frase do auxiliar Evando, que comandou o Avaí interinamente na noite desta quarta-feira contra o Criciúma, resume a derrota do Leão por 2 a 1, de virada, na Ressacada pela 15ª rodada do Campeonato Catarinense 2018.

– A gente entrou com a intenção de vencer. Sabíamos que era o jogo para seguirmos vivos no Estadual. Entramos organizados e estávamos jogando um futebol brilhante até os 30 minutos do primeiro tempo. A partida estava tão bem controlada que nos assustamos. Sofremos dois gols e não conseguimos aquilo que almejamos – falou Evando.

O Avaí abriu o placar com Romulo, no primeiro tempo, mas sofreu gols de Andrew e Lucas Coelho na etapa final. Os tentos do Tigre foram pelo lado direito da defesa azurra, que tem no setor o lateral Guga. Apesar disso, Evando isentou o jovem jogador formado nas categorias de base do Leão.

– O Guga tem 19 anos e fez grandes jogos, mas alguns menos bons. Isso é normal pela juventude. A oscilação é maior. Só que o erro é coletivo e não apenas dele. O sistema defensivo começa lá na frente. No futebol de hoje a compactação e ocupação de espaço é geral. Quase todos os gols são culpas dos laterais? Não. Ele tem que evoluir, mas foi dele o cruzamento para o gol. Temos que ter o entendimento que é um garoto.

Com 22 pontos, o Avaí permaneceu a oito pontos do vice-líder e rival Figueirense. Agora, porém, restam nove pontos em disputa e a vaga na final ficou mais distante. Evando destacou que isso aconteceu pelas partidas não vencidas pelo Leão  na Ressacada. 

– A torcida sempre foi o 12º jogador. Uma torcida triste pesa. Não somos fortes dentro de casa, ainda. É uma preocupação e temos que resgatar isso. Montamos uma equipe jovem e que apareceram talentos. Somos fortes fora de casa, o que é ainda melhor. Temos três parâmetros aqui. Eu colocaria que voltar a Série A é o objetivo e para isso temos que voltar a ser fortes dentro da Ressacada – completou.

O Avaí volta a campo no domingo às 20h, quando visita o Tubarão, no Sul do Estado.

Confira a tabela do Catarinense 2018
Leia mais notícias sobre o
Catarinense 2018

O Sol Diário
Busca
Imprimir