Criciúma perde por 3 a 1 para o CSA no Heriberto Hülse - Esporte - O Sol Diário
 

Série B01/05/2018 | 17h48Atualizada em 01/05/2018 | 17h48

Criciúma perde por 3 a 1 para o CSA no Heriberto Hülse

Tricolor segue sem pontuar na competição nacional

Criciúma perde por 3 a 1 para o CSA no Heriberto Hülse Guilherme Hahn/Especial
Foto: Guilherme Hahn / Especial
DC Esportes
DC Esportes

Das infelicidades da defesa do Criciúma o CSA fez os gols que decretaram a vitória do time visitante no Heriberto Hülse na tarde desta terça-feira. O primeiro da equipe alagoana desviou e entrou no gol, o segundo foi contra, quando o Tigre reagia na partida, e o terceiro foi reflexo da desorganização pela expulsão do lateral Marlon, nos instantes finais. A derrota por 3 a 1 foi a quarta em quatro jogos da Série B do Campeonato Brasileiro — o pior começo da equipe na história da Segundona no formato atual.

O Carvoeiro volta a jogar em uma semana. Às 19h15min de terça-feira o compromisso é contra o Guarani, no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas (SP). Já o CSA entra em campo no sábado seguinte, no dia 12, quando encara o Boa Esporte, no Rei Pelé.

Uma baixa inesperada desfalcou o Criciúma no dia da partida. Sueliton foi liberado do jogo para acompanhar o velório da tia Maria Socorro da Silva, que o criou. Com Natan na lateral-direita e presença maciça no campo de ataque, o Tigre acossou o time alagoano sem conseguir concluir bem as jogadas, não causava perigo algum. Assim foi até os 31 minutos, quando o CSA finalizou a primeira e a bola acabou dentro do gol. Didira recebeu na frente da área e arriscou. A redonda desviou em Sandro e fez Luiz desabar enquanto a redonda ia ao encontro do barbante. Pouco depois, o Carvoeiro poderia ter deixado tudo igual não fosse o escorregão de Zé Carlos ao receber livre dentro da área.

Aos 40, o próprio Zé do Gol perdeu uma oportunidade claríssima. Na troca de passes, Alex Maranhão foi no fundo e cruzou para trás, rasteiro, para o centroavante. Sozinho e de frente com as redes, ele tentou chapar a bola, que apenas desviou nele e se perdeu pela linha de fundo. O primeiro tempo terminou com vaias ao time da casa. Na tentativa de fortalecer o meio tricolor, Alex Maranhão ficou no vestiário e Eduardo entrou na vaga. Sem demora, o Tigre alcançou o empate.

A cabeçada de Sandro após cruzamento de Elvis parou na mão de Edinho, dentro da área. Penalidade máxima que João Paulo encheu o pé. Bateu com tanta força que Alexandre Cajuru tocou com as duas mãos e ainda assim ela passou. A virada imediata do Criciúma parou duas vezes na defesa, aos 12. Nicolas bateu cruzado e o goleiro defendeu. No rebote, João Paulo bateu pro gol e Celsinho apareceu sobre a linha para bloquear. Dois minutos depois, outra infelicidade da defesa tricolor, outro tento alagoano.

A bola que rondava a frente da área do Criciúma e sobrava para o zagueiro Nino. Ele jogou para trás e não viu que Luiz deixava o gol para ficar com a redonda. A atrasada virou cobertura e nova vantagem ao CSA. O Carvoeiro levou tempo para se restabelecer. Aos 26, João Paulo bateu forte e rasteiro e o goleiro Alexandre Cajuru saltou para fazer a defesa do jogo. Depois de colocar Lucas Coelho no posto de Zé Carlos, o técnico Argel Fucks deu a última cartada para sair do zero na pontuação do campeonato. Andrew entrou em ação e a equipe se lançou ao ataque.

Porém, a força dos mandantes diminuiria com a expulsão de Marlon, por tentativa de agressão, aos 35. O CSA não perdoou. Logo em seguida, Didira ficou de frente com Luiz, encobriu o goleiro e deu números finais: 3 a 1, e Criciúma sem pontuar na Série B. Zé Carlos ainda receberia o segundo cartão amarelo e foi expulso após reclamar no banco de reservas.

FICHA TÉCNICA

CRICIÚMA
Luiz; Natan, Nino, Sandro e Marlon; Liel, Alex Maranhão (Eduardo) e Elvis; João Paulo, Nicolas (Andrew) e Zé Carlos (Lucas Coelho). Técnico: Argel Fucks.

CSA
Alexandre Cajuru; Celsinho, Leandro Souza, Xandão e Rafinha; Edinho, Ferrugem (Yuri); Daniel Costa (Velika) e Didira; Niltinho e Michel Douglas. Técnico: Marcelo Cabo.

GOLS: João Paulo, aos seis do segundo tempo (Cri). Didira, aos 31 do primeiro tempo, e Nino (contra), aos 14 do segundo tempo (CSA).
CARTÕES AMARELOS: Nino, João Paulo e Zé Carlos (Cri). Alexandre Cajuru, Ferrugem e Leandro Souza (CSA)
EXPULSÃO: Marlon e Zé Carlos (Cri).

ARBITRAGEM: Elmo Resende, auxiliado por Marcio Maciel e Tiago Gomes da Silva (trio de GO).
BORDERÔ: 2.517 torcedores, para uma renda de R$ 48.740,00.
LOCAL: Estádio Heriberto Hülse.

Confira a tabela da Série B do Brasileiro 2018
Leia mais notícias sobre a
Série B do Brasileiro 2018

O Sol Diário
Busca