Homens e mulheres de ferro encaram o Ironman neste domingo - Esporte - O Sol Diário
 

Internacional26/05/2018 | 14h12Atualizada em 26/05/2018 | 21h33

Homens e mulheres de ferro encaram o Ironman neste domingo

Evento esportivo tem largada para a elite masculina e feminina a partir das 6h45min

Homens e mulheres de ferro encaram o Ironman neste domingo Felipe Carneiro/Diário Catarinense
Foto: Felipe Carneiro / Diário Catarinense
João Lucas Cardoso
João Lucas Cardoso

joao.lucas@somosnsc.com.br

De ferro precisam ser os nervos, porque o Ironman exige a resistência. Afinal, os atletas encaram 3,8 km de natação, 180,2 km de ciclismo e 42,2 km de corrida. Depois de percorridos mais de 220 quilômetros em três modalidades esportivas, a esperança é que Florianópolis volte a comemorar uma vitória local. Na edição deste ano, neste domingo, a expectativa é de título nacional, o que não acontece desde 2015 na prova feminina e um ano a mais entre os homens.

— Seria bem legal ter dois brasileiros vencendo a prova. O público já pôde vivenciar momentos com vitórias brasileiras e isso é especial para o evento, pois movimenta a cidade, o público que comparece para torcer e toda a comunidade do triatlo. Para a prova é extremamente importante e positivo nesse sentido — descreve Gustavo Pinto, diretor técnico do Caixa Ironman Brasil 2018.

Atletas mostram como venceram adversidades para disputar o Ironman

Os grandes nomes brasileiros para cruzarem a faixa antes dos adversários em Jurerê Internacional são Igor Amorelli, mineiro adotado Santa Catarina, e a paulista Carol Furriela.

Amorelli vai largar credenciado por ser local, ter dois títulos de Ironman no currículo e ter sido vencedor do esquenta para a prova, o Ironman 70.3, que tem metade da distância total, no mês passado em Florianópolis. Além dele, estão entre os favoritos o mineiro Thiago Vinhal (recordista brasileiro no Mundial em Kona), o paulista Reinaldo Colucci (campeão do triatlo no Pan de 2011 e representante do Brasil nas Olimpíadas de 2008 e 2012) e o paranaense Guilherme Manocchio (campeão do Ironman Copenhague em 2014).

— Tudo indica que neste ano os favoritos são os brasileiros. Essa disputa é muito positiva e me dá ainda mais vontade de entrar lá e dar o melhor. Estudo os adversários, e acho que fica entre os brasileiros, mas tem gringos bons. Será uma prova bem equilibrada — contextualiza Amorelli.

No feminino a disputa será mais acirrada com as estrangeiras. Furriela vai participar pela primeira vez do Ironman. Chega em boa forma, com moral e referendada pelo título nacional de triatlo em 2014 e duas edições brasileiras da versão 70.3 da prova, na mesma época. O Brasil ainda têm chances com a paulista Bruna Mahn, a melhor do país na edição passada, com o 11ª colocação. A concorrência delas será com as norte-americanas Haley Chura (campeã do Ironman de Fortaleza em 2014) e da fortíssima Sarah Piapiano, que desde 2012 tem seis títulos de Ironman 70.3 e três de edições de Ironman.

— Expectativa de vencer a gente sempre tem. Esse é meu primeiro Ironman Brasil e quero fazer uma boa prova e estar na disputa. Se der para brigar por pódio, já estarei bem feliz. Temos atletas experientes e que podem fazer uma ótima prova, além das gringas que vão vir fortes. Vamos para cima — garante Furriela, motivada.

Expectativa de quebra de recorde

O clima ameno e a previsão de mar calmo para a etapa de natação são os principais razões para a expectativa de que o Ironman Brasil seja marcado por quebra de recorde. Em situações similares, no ano passado os britânicos Tim Don e Susie Cheetham cravaram o melhor tempo da prova, com 7h40min23s e 8h52min00s, respectivamente. A marca de Don, por sinal, é o recorde mundial da franquia Ironman no mundo.

Florianópolis tem um dos percursos mais propícios para a quebra de recorde. Além das condições do mar para a natação, os trajetos de ciclismo e de corrida ocorrem em terreno com poucas inclinações. As gradativas quedas de tempo nos últimos quatro anos também contribuem com a expectativa.

— O período do ano ajuda muito, pois já não está mais quente. Ano passado foi um dia fresco e que ajudou muito no rendimento dos atletas. Temos um percurso de ciclismo plano e com pouquíssimas subidas e a mesma coisa acontece na corrida, com exceção da subida da Igrejinha (Canasvieiras). Já a natação é no mar de Jurerê Internacional, que é quase uma baía e ajuda muito — explica o diretor técnico do evento Gustavo Pinto.

Confira mais notícias do esporte catarinense

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioFigueirense acerta com Elton, atacante que estava no Ceará https://t.co/vSdP5jnScBhá 2 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioAndré Santos reestreia com derrota pelo Figueirense em jogo dos Aspirantes https://t.co/WpTcJZp9pzhá 21 horas Retweet
O Sol Diário
Busca