Kleina quer Chapecoense mais agressiva em retorno à Arena Condá - Esporte - O Sol Diário
 

Série A05/05/2018 | 14h11Atualizada em 05/05/2018 | 14h11

Kleina quer Chapecoense mais agressiva em retorno à Arena Condá

Equipe verde encara o Paraná no fechamento da quarta rodada, segunda-feira

Kleina quer Chapecoense mais agressiva em retorno à Arena Condá sirli Freitas/Chapecoense
Foto: sirli Freitas / Chapecoense
DC Esportes
DC Esportes

A Chapecoense vai enfrentar o Paraná às 20h desta segunda-feira, no fechamento da quarta rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, com uma missão clara: vencer a primeira partida na competição. Para tal, a intenção do técnico Gilson Kleina é fazer com que a equipe seja mais agressiva ante as atuações recentes. Em dois jogos fora de casa, a Chape jogou retrancada e empatou em 0 a 0 com o Palmeiras e o Atlético-MG, este duelo pela Copa do Brasil.

- Temos volantes fortes na marcação. Mas para equilibrar isso com transição é diferente. Tivemos de contar com outros jogadores. Houve momento que não retemos a bola e sofremos no nosso campo. Para ter transição e força de marcação, é preciso aliar características, com jogadores de beirada você consegue isso, com jogadores de meio o jogo é mais cadenciado. Vamos trabalhar as duas situações, manter o que temos feito. Vamos trabalhar para ter transição — disse o treinador, em entrevista coletiva neste sábado.

A escalação é incógnita e o técnico deve manter dúvidas até minutos antes do jogo na Arena Condá. Uma possível formação tem: Jandrei; Apodi, Thyere, Douglas e Bruno Pacheco; Amaral, Elicarlos, Márcio Araújo e Nadson; Arthur Caike e Wellington Paulista. Apesar da necessidade e de desejo de vencer, Kleina deu indício de que o jogo da Chape não será tão diferente do que apresentado na sequência de empates longe de Chapecó.

— Falo ao grupo e também ao torcedor que não tem jogo fácil. Depois dos empates fora, o trabalho e a estratégia foram valorizadas. O Paraná teve uma semana cheia, condição de trabalhar variáveis, uma equipe que compete bastante. Espero que sejamos competentes novamente, nos organizar novamente e ver a condição dos atletas para sermos competitivos e inteligentes. Temos de fazer que o torcedor jogue junto até o final.

Leia mais notícias sobre a Chapecoense no DC

O Sol Diário
Busca