Avaí lança criptomoeda para aproximar torcida e conquistar investidores de todo o mundo - Esporte - O Sol Diário
 

Leão virtual12/09/2018 | 12h29Atualizada em 12/09/2018 | 13h22

Avaí lança criptomoeda para aproximar torcida e conquistar investidores de todo o mundo

Projeto é o primeiro de clube de futebol do mundo a entrar no segmento e ai colocar no mercado o Avaí Token

Avaí lança criptomoeda para aproximar torcida e conquistar investidores de todo o mundo Felipe Carneiro/Diário Catarinense
Foto: Felipe Carneiro / Diário Catarinense
João Lucas Cardoso
João Lucas Cardoso

joao.lucas@somosnsc.com.br

O Avaí é o primeiro clube de futebol mundo a ter a moeda virtual própria. Nesta quarta-feira o Leão apresentou o projeto que vai fazer do escudo azurra global e tem a expectativa de incrementar o caixa de forma pioneira no esporte. No dia 3 será lançado no mercado internacional o Avaí Token. A criptomoeda azul e branca busca captar investimento de todos os cantos do planeta e ainda virar uma nova modalidade de contribuição e relacionamento com o torcedor.

Todo feito pelas empresas parceiras, as britânicas Blackbridge e SportyCo e a local BGA Technologies, o investimento é de R$ 250 mil e a expectativa é de captar  até 20 milhões de dólares (R$ 80 milhões) Para isso, precisa ter validado (adquirido) pelo menos 8 milhões de dólares (R$ 32 milhões) em Avaí Token de 3 de outubro, dia de lançamento ao mercado, até 3 de novembro – o período de oferta coletiva de moedas, chamado pela sigla ICO, em inglês. Na oferta inicial, cada Avaí Token custa 1 dólar. Além dos torcedores, a expectativa dos envolvidos é de captar também investidores da Europa, Ásia e América do Norte, além de colecionadores de moedas virtuais.  O principal fator para isso é o pioneirismo.

- O Avaí é o primeiro clube do mundo a ter essa iniciativa e um clube de futebol detém os meios ideais por causa da estabilidade, por ter uma base grande de admiradores, que são os torcedores, e por existir há bastante tempo. Grandes marcas como BMW e a rede varejista Rakuten estão entrando neste segmento e os clubes também vão entrar. O PSG anunciou na última quarta-feira que prepara o projeto para daqui um ano. Em breve outros gigantes estarão presentes, mas o Avaí vai estar entre eles porque foi o primeiro do mundo – garante Marko Filej, o esloveno cofundador da SportyCo, que ancora o sistema ao público. 

A expectativa é captar recursos de investidores do exterior, já que a criptomoeda azurra atende aos requisitos forma segura e certificada para transações internacionais, chamado de Blockchain, e também vai virar uma forma nova de relacionamento com o torcedor. Conforme o responsável pelas relações internacionais do Leão, Bruno Comicholi, o Avaí Token será moeda para que torcedor-investidor troque o por produtos, serviços e experiências – sendo alguma delas exclusivas para os detentores desta moeda virtual.

O inglês Alexander Jarvis é um dos responsáveis pela iniciativa. Gerente da empresa Blackbridge, consultoria especializada em investimentos nos futebol, ele é fanático por futebol e buscava um clube para implantar o projeto. Os times ingleses, segundo ele, são conservadores demais para a criação de criptomoeda na época em que começou a procura. No Brasil, país com o futebol mais festejado do mundo, o Avaí preencheu o que tinha como os pré-requisitos ideais.

- É um clube quase centenário, que tem uma base forte de torcedores, tem essa necessidade de angariar recursos e tem buscado de formas criativas para superar as dificuldades financeiras. É um clube de futebol brasileiro, o que gera valor no mercado internacional, e também tem a questão geográfica. Entendemos que nesta região (Grande Florianópolis) há um bom entendimento do funcionamento de criptomoedas – explicou Jarvis.

Os recursos oriundos da captação de Avaí Token já têm destinação definida: 50% para investimento em infraestrutura, 25% para quitar dívidas e 25% na contratação de atletas. Para Bernardo Schucman, da BGA Technologies, que audita as operações, é uma proposta corajosa do Avaí para buscar recursos em outros mercados. O presidente Francisco Battistotti deixou claro que o investidor do Leão por meio da criptomoeda é um público diferente dos sócios e conselheiros. 

- Este projeto começou há 60 dias e estamos entrando no mundo digital com a moeda do Avaí. Nós nos cercamos de pessoas com conhecimento para isso. Este investidor, seja torcedor ou não, não vai interferir na rotina do clube. Não é um sócio, não tem direito a voto em assembleia. Trata-se de uma forma de captar investimento no clube – esclareceu Battistotti.

Clique aqui para ir ao site de aquisição de criptomoedas do Avaí.

Veja a tabela da Série B do Brasileiro
Mais notícias do
Avaí


O Sol Diário
Busca