Mazola quer o Criciúma sem acomodação até alcançar os 45 pontos - Esporte - O Sol Diário
 

Série B16/09/2018 | 17h48Atualizada em 16/09/2018 | 17h48

Mazola quer o Criciúma sem acomodação até alcançar os 45 pontos

Técnico ainda revelou conversa com Fábio Ferreira antes da vitória sobre o Avaí

Mazola quer o Criciúma sem acomodação até alcançar os 45 pontos Guilherme Hahn/Especial
Foto: Guilherme Hahn / Especial
Renan Medeiros

Com uma campanha de G-4 desde que chegou, o técnico Mazola Júnior manteve os pés no chão depois da vitória por 3 a 2 sobre o Avaí nesse sábado, a terceira consecutiva do Criciúma na Série B. Apesar do bom momento, o treinador garante que ainda é cedo, mesmo seis pontos à frente da zona de rebaixamento.

— Tranquilidade nenhuma. Até os 45 pontos, não vai ter ninguém acomodado. Temos dois jogos fora. Vamos ter cinco jogos, praticamente, com o pessoal que está lá embaixo, concorrentes da turma que vai brigar para não cair. Não tem moleza para ninguém — afirmou o treinador.

Para vencer o Avaí, Mazola inovou na escalação e deu certo. O zagueiro Fábio Ferreira, que vinha de lesão, foi chamado para atuar como volante pelo lado esquerdo. O objetivo de Mazola com a mudança era dar apoio a Marlon, prevendo que Guga e Renato explorariam aquele lado pelo Avaí. A previsão se confirmou. Com Fábio Ferreira por ali, Vitor Feijão ficou mais livre para atacar, embora também tenha colaborado na marcação.

— Até conversei com ele (Fábio Ferreira). Falei: "Preciso de você, velho, se não vai vir a bomba toda pra cima da minha cabeça". Ele disse: "Deixa comigo, enquanto eu aguentar eu vou jogar, pode por". Neste momento da competição, é para jogador de verdade. É para gente de experiência — enalteceu Mazola.

A disposição de Fábio Ferreira para atuar, mesmo fora da posição e com pouco ritmo, foi valorizada pelo técnico. Mazola disse não ver problemas em contar com jogadores em diferentes posições.

— Qual o problema de o Fábio jogar de volante ou o Liel de zagueiro? Esse é um paradigma que temos que quebrar. Esse negócio de "tô com falta de ritmo", quando o cara não joga nada, ou "tô fora de posição". Isso é desculpa de quem não joga nada. Jogador que é covarde e quer transferir para o treinador. Se o cara joga bola e está bem treinado, joga em qualquer posição, só não joga de goleiro. Esse negócio de "fora de posição", "improvisado", "sem ritmo". Ritmo é para músico — disse.

Em lua de mel com a torcida, o treinador valorizou mais uma vez a força da massa carvoeira no Majestoso, mas revelou incômodo particular com um dos 5.399 torcedores que estavam no estádio.

— A torcida do Criciúma já empatou, virou e ganhou muitos jogos. Hoje aconteceu isso novamente. Vocês, estando lá em cima, não percebem o que a gente percebe lá dentro do gramado. O fluído positivo que vem dessa arquibancada para dentro do campo é uma coisa impressionante. Tirando o cara lá da cartola (torcedor que acompanha o Tigre sempre atrás do banco de reservas), que me perturbou desde o começo do jogo, aquele torcedor símbolo. Até vou chamá-lo para jantar esta semana para ele me parar de perturbar — brincou Mazola.

O Tigre se reapresenta na segunda-feira para os trabalhos da semana. O próximo compromisso será sábado, às 16h30min, em Belém (PA), onde o Criciúma encara o Paysandu.

Veja a tabela da Série B do Brasileiro
Mais notícias do
Criciúma

O Sol Diário
Busca