Crítica avalia os vencedores do Cinerama.BC 2014 - O Sol Diário
 
 

 
 

Festival14/04/2014 | 18h16

Crítica avalia os vencedores do Cinerama.BC 2014

Para Rodrigo Ramos, O Dia do Mineiro levou a Coruja de Ouro de melhor filme pelos desafios enfrentados ao filmar dentro de uma mina

Crítica avalia os vencedores do Cinerama.BC 2014  Divulgação/Divulgação
Cena de O Dia do Mineiro, vencedor da Coruja de Ouro de melhor filme Foto: Divulgação / Divulgação

Domingo foram anunciados os vencedores do 4º CineramaBC. O vencedor do prêmio de melhor filme, agraciado com o Coruja de Ouro, foi O Dia do Mineiro, de Gaël Mocaër, merecido pelos desafios enfrentados pelo diretor ao filmar o dia-a-dia de trabalhadores de uma mina de carvão no interior da Ucrânia. Porém, o júri popular escolheu a comédia dramática Mamarosh, de Momcilo Mradovick, como a melhor película do festival.

Mamarosh ainda levou o prêmio de melhor atriz (Mira Banjac). É difícil compreender como o longa carregou duas corujas douradas pra casa. Ambientado na Sérvia em 1999, o longa traz um homem de meia idade, projecionista de cinema frustrado, que ainda vive com sua mãe e que não tem muito em sua personalidade, tornando difícil a identificação com ele e tampouco ocasiona alguma simpatia. Se a intenção do diretor era fazer rir ou chorar, Momcilo falha em ambos os casos. Tanto que o diretor ainda fez questão de dizer à plateia ao final da sessão que o filme era uma comédia. Constrangedor, no mínimo. Ainda assim, teve mais sorte do que merecia.

O longa-metragem vencedor de melhor direção é Bas Devos, pelo belga Violet. Na trama, um garoto presencia a morte de seu melhor amigo diante de seus olhos. A cena inicial é intrigante, sendo registrada pelas câmeras de vigilância de um centro comercial. O que no início é um trunfo da direção, o fato de deixar o silêncio tomar conta num close que fixa a câmera no mesmo lugar por vários minutos, acaba comprometendo a experiência cinematográfica. O recurso poderia acrescentar se o diretor tivesse o timing ao utilizá-lo, mas Bas usa-o de maneira imprudente, em demasia, desperdiçando-o. A carga dramática fica comprometida e a sensação é a de que a fita poderia ser ainda mais curta do que os seus 80 minutos.

Quem merecia mais reconhecimento é o israelense Cruzeiro ao Paraíso, de Matan Guggenheim, que recebeu o prêmio de melhor ator (Oz Zehavi) e uma menção honrosa por conta de seu roteiro. Exibido na penúltima noite da competição, o longa traz dois protagonistas, uma fotógrafa que registra as expressões de soldados em seu trabalho e um soldado que é recém saído do serviço militar e que tem suas memórias perdidas da época em que serviu. Este é o filme mais completo exibido no festival, focando pouco na reviravolta (previsível) do final e mais no desenvolvimento dos seus personagens, além de desenhar com competência a experiência militar e o trauma que resulta na perda de memórias do período no exército - o diretor baseou o longa em algumas experiências que teve durante o tempo em que serviu. Aliás, o longa parece ter se comunicar com a animação Valsa Com Bashir (2008), porém Matan garante que não é proposital, apenas uma coincidência.

Sobrou ainda uma menção honrosa à montagem ao belga A Estranha Cor das Lágrimas de Seu Corpo, que foi uma das maiores decepções do festival. Fácil parabenizar pela equipe de direção de arte (ótimo portfólio para Julia Irribarria) e até montagem, porém o diretor Bruno Forzani claramente não sabe contar uma história, tortura o espectador com repetições de cenas e trilha, e passa longe do brilhantismo do surrealismo de David Lynch, a quem obviamente ele se inspira e/ou tenta imitar.

*por Rodrigo Ramos, crítico

Veja os vencedores

Prêmio da Crítica - Conjunto da Obra de Hans Op De Beeck
Coruja de Ouro de Melhor curta-metragem - As Gaivotas, de Zeno Greton
Menção honrosa de curta-metragem - Norman, de Robbe Vervaeke
Menção honrosa de montagem - A Estranha cor das lágrimas de seu corpo, de Bruno Forzani e Helene Cattet
Menção honrosa de roteiro - Cruzeiro ao Paraíso, de Matan Guggenheim
Coruja de Ouro de Melhor atriz - Mira Banjac, em Mamarosh
Coruja de Ouro de Melhor ator - Oz Zehavi, em Cruzeiro ao Paraíso
Coruja de Ouro de Melhor direção - Bas Devos, por Violet
Melhor Filme segundo o júri popular - Mamarosh, de Momcilo Mradovick
Coruja de Ouro de Melhor flme - O Dia do Mineiro, de Gael Mocaer

O Sol Diário

Notícias Relacionadas

Opinião 11/04/2014 | 11h07

Cinerama.BC: Disputa pela Coruja de Ouro

Crítico Rodrigo Ramos fala sobre os longas-metragens da mostra competitiva do Festival

Cultura 11/04/2014 | 09h38

Cinerama.BC tem o penúltimo dia de competição nessa sexta-feira

A mostra competitiva acontece no Cine Itália, em Balneário Camboriú, a partir das 18h15

Sétima arte 07/04/2014 | 20h51

Terça-feira é dia de homenagens no Cinerama.BC, em Balneário Camboriú

Artista visual belga Hans Op de Beeck e ator catarinense Ivo Müller são destaque em sessões especiais

Cultura 07/04/2014 | 09h22

Quarta edição do Cinerama.BC consolida a internacionalização do festival de Balneário Camboriú

Festival passa a figurar entre as principais mostras de cinema do mundo

Cultura 07/04/2014 | 09h11

Curadoria detalhada garante produções com o perfil do Cinerama

Festival de cinema inicia com produção gravada em Itajaí e Navegantes

Cultura 04/04/2014 | 21h57

Filme que abre o Cinerama.BC fala de um amor impossível

Festival de cinema inicia com produção gravada em Itajaí e Navegantes

 
O Sol Diário
Busca