O que revelam as escutas telefônicas da Operação Trato Feito em Balneário Camboriú - O Sol Diário
 
 

Investigação23/09/2014 | 06h05Atualizada em 23/09/2014 | 17h58

O que revelam as escutas telefônicas da Operação Trato Feito em Balneário Camboriú

Relatório do Gaeco sugere a existência de três núcleos relacionados a supostas fraudes na prefeitura

O que revelam as escutas telefônicas da Operação Trato Feito em Balneário Camboriú Marcos Porto/Agencia RBS
Operação do Gaeco foi deflagrada na segunda-feira, dia 15 de setembro Foto: Marcos Porto / Agencia RBS
Dagmara Spautz, Diogo Vargas e Patrízia Krieser

reportagem@osoldiario.com.br

A Operação Trato Feito, que atingiu o núcleo do governo municipal de Balneário Camboriú na semana passada, baseia-se em escutas telefônicas para demonstrar supostas fraudes cometidas por funcionários públicos e empresas. Conversas gravadas pela investigação com autorização da Justiça estão descritas no relatório do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) de Itajaí.

Leia mais sobre as interceptações
> Gravações indicam supostas irregularidades na licitação e execução da Passarela da Barra
> Escutas telefônicas mostram que servidores assinavam atas da comissão de licitações sem participar de reuniões 

O documento sustenta que há três núcleos relacionados a irregularidades como uso indevido de bens públicos, superfaturamento de serviços, direcionamento de licitações e cobrança de propina.

Núcleos seriam formados por funcionários públicos

Estes núcleos seriam formados por funcionários relacionados à Secretaria de Gestão e Administração e à de Planejamento Urbano; colaboradores de Obras; e o terceiro atrelado aos servidores da Compur (Companhia de Desenvolvimento e Urbanização de Balneário Camboriú). Todos contariam com a participação de empresas privadas.

O documento, que o Sol Diário – site do Grupo RBS – teve acesso, soma quase 900 páginas. A Operação Trato Feito foi deflagrada em Balneário Camboriú no dia 15, quando foram presas 14 pessoas. Na ocasião, houve também o cumprimento de mandados de busca e apreensão. Dois dias depois da operação, o prefeito Edson Piriquito substituiu dois secretários que haviam sido presos (Obras e Administração) e, no dia seguinte, suspendeu três das licitações investigadas (uma envolvendo a Passarela da Barra e duas relacionadas ao Elevado da Quarta Avenida).

Veja também
> Quem são os 14 presos durante a operação
> Prefeitura de Balneário suspende três das licitações investigadas
> "O Ministério Público errou na dose", avalia o prefeito Piriquito

Investigação aponta desvio de máquinas

Superfaturamento de materiais e serviços, propina a partir de contratos de grande porte e bens públicos para patrocinar interesses privados estariam enraizados na estrutura da Secretaria Municipal de Obras de Balneário Camboriú, conforme mostra a investigação do Gaeco.

O relatório diz que o secretário de Obras, Elton Garcia, teria tido contatos espúrios com o empresário Lauro Stefani, da PLM Construções e Comércio LTDA, contratada pelo município para o fornecimento de “asfalto e pavimentação de ruas, havendo fortes indícios de corrupção passiva e peculato cometidos em associação criminosa”, de acordo com a investigação.

O inquérito afirma que José Magalhães Filho, o Zequinha, coordenador de compras e pagamentos da secretaria, manteria contatos estreitos com representantes de empresas e agilizaria os pagamentos para as “mais chegadas”.

Segundo o Gaeco, Fábio Ramos, diretor de drenagem da secretaria, efetuaria o desvio de máquinas, material e funcionários públicos para atender interesses privados e superfaturamento da quantidade de material utilizado.

A secretaria teria adquirido montante de material asfáltico impossível de ser aplicado na malha viária do município, assim como a licitação teria sido dirigida para que a empresa PLM fosse a vencedora – ela tem contratos com a prefeitura que ultrapassam R$ 19 milhões desde 2012.

Num dos grampos, o diretor de drenagem, Fábio Ramos, liga às 14h19min de 16 de maio de 2014 para um interlocutor ainda não identificado e manda que efetue consertos de boca de lobo ou grelhas quebradas na rua, aumentando no controle as quantidades.

Descontrole seria comum na pasta


A investigação diz ainda que há um descontrole da secretaria sobre a saída dos materiais adquiridos e que o material comprado é muito superior ao efetivamente empregado nas obras. Pelo celular de Fábio Ramos foram interceptadas conversas entre estagiárias que ajudariam a incriminar o secretário Elton, pois seria ele quem determinaria como as planilhas de ordens de serviço deveriam ser alimentadas e em quantidade maior às existentes.

Outro ponto ilícito, conforme o Gaeco, seria a utilização de maquinário da prefeitura para obra que deveria ser executada pela empresa. No dia 14 de maio deste ano, às 7h07min, o secretário Elton conversa com interlocutor sobre empréstimo de patrola para a empresa PLM. Pouco depois, às 7h34min, Lucas Elias Stefani, sócio da PLM, liga para o secretário Elton informando que já tratou o envio da patrola.

Ligações também citariam propina

Além das escutas telefônicas sobre o secretário Elton, o Gaeco acompanhou e registrou encontros dele durante três meses com o empresário Lauro Stefani, da PLM, em Balneário Camboriú. Um deles teria acontecido no dia 23 de junho deste ano, em frente à secretaria de Obras, mesmo sem haver expediente à tarde em razão de jogo da Copa do Mundo.

Pouco depois do encontro com o empresário, revela o relatório produzido pelo Gaeco, o secretário Elton teria efetuado ligações para diferentes pessoas para o pagamento de contas ou o empréstimo de dinheiro. No mesmo dia desse encontro, às 14h30min, o secretário Elton liga para um interlocutor dizendo que conseguiu “arruma uns troquinho”.

Para o Gaeco, tratam-se de fortes indícios de que recebera propina do empresário Lauro Stefani em razão de contratos milionários que a empresa possui com o município. Elton correria atrás desse empresário em datas próximas ao vencimento da prestação de um apartamento que está adquirindo.

Contrapontos 

Fábio Gago Ramos, diretor-geral da Secretaria de Obras da Prefeitura de Balneário Camboriú
A reportagem tentou contato com o advogado Dagoberto Ramos, mas ele não foi localizado nem houve retorno às ligações feitas ao escritório e ao celular até a noite desta segunda-feira.

Elton Garcia, secretário de Obras
A reportagem tentou contato com o advogado Gelson Rodrigues, mas ele não foi localizado nem houve retorno às ligações até a noite desta segunda-feira

José Magalhães Filho, o Zequinha, coordenador do Departamento de Compras da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos
A reportagem não conseguiu contatar o seu advogado até a noite desta segunda-feira.

Lauro Stefani, diretor da PLM Construções
O advogado João Paulo Tavares Bastos disse que Lauro venceu a licitação citada e que contra o resultado dela não há nenhum questionamento.

O SOL DIÁRIO

Notícias Relacionadas

Suspeitas de corrupção e fraude 23/09/2014 | 06h31

Operação Trato Feito põe sob suspeita licitação e construção da Passarela da Barra, em Balneário

Relatório do Gaeco aponta inclusive a possível existência de uma organização criminosa nos bastidores da obra

Operação Trato Feito 23/09/2014 | 06h11

Apuração do Gaeco aponta falhas em comissão de licitações de Balneário Camboriú

Secretaria de Gestão e Administração, que seria o cerne das fraudes investigadas na prefeitura

Suspeitas de corrupção e fraude 19/09/2014 | 21h54

Detidos na Operação Trato Feito, em Balneário Camboriú, têm prisão preventiva decretada pela Justiça

Prisões temporárias de seis pessoas foram convertidas a pedido do Ministério Público

Suspeitas de corrupção e fraude 18/09/2014 | 20h13

Prefeitura de Balneário Camboriú suspende três licitações investigadas pela Operação Trato Feito

Principal cancelamento envolve concorrência pública para construção do Elevado da Quarta Avenida

Investigação 18/09/2014 | 15h31

Três dos 14 presos na Operação Trato Feito são soltos

Investigados foram liberados entre terça-feira e quarta-feira

Suspeitas de corrupção e fraude 18/09/2014 | 12h29

Prefeitura de Balneário avalia suspender licitações investigadas pela Operação Trato Feito

Um conjunto de medidas devem ser divulgados pelo município no fim da tarde desta quinta-feira

Suspeitas de corrupção e fraude 17/09/2014 | 21h46

Secretário preso na Operação Trato Feito em Balneário Camboriú é libertado

João Batista Leal, titular da pasta de Administração, foi solto após prestar depoimento na Canhanduba

Suspeitas de corrupção e fraude 17/09/2014 | 18h13

Quem são os presos na Operação Trato Feito em Balneário Camboriú

Detidos em ação do Gaeco continuam sendo ouvidos no Presídio da Canhanduba, em Itajaí

Trato Feito 16/09/2014 | 21h09

Ocultação de provas gera novas buscas da Operação Trato Feito em Balneário Camboriú

Nesta terça-feira foram cumpridos mais três mandados para coleta de provas

Trato Feito 15/09/2014 | 22h17

Operação do Ministério Público coloca sob suspeita obras de grande porte em Balneário Camboriú

Durante ação, 14 pessoas foram presas, entre elas integrantes do primeiro escalão da prefeitura

Investigação 15/09/2014 | 20h55

Prefeitura de Balneário Camboriú emite nota oficial sobre Operação Trato Feito

Ação que apura supostas irregularidades administrativas foi deflagrada nesta segunda-feira

Ação policial 15/09/2014 | 11h06

Operação Trato Feito cumpre mandados de prisão em Balneário Camboriú

Ação do Gaeco ocorre também em Camboriú, Porto Belo e outras seis cidades do Estados

O Sol Diário
Busca