Veleiros da Volvo Ocean Race partem em direção a Itajaí - O Sol Diário
 
 

 
 

Regata Volta ao Mundo17/03/2015 | 21h15

Veleiros da Volvo Ocean Race partem em direção a Itajaí

Expectativa é que embarcações aportem em Itajaí em 7 de abril

Veleiros da Volvo Ocean Race partem em direção a Itajaí Ainhoa Sanchez/Volvo Ocean Race/Volvo Ocean Race
Perna entre Auckland e Itajaí é a mais difícil e longa da regata Foto: Ainhoa Sanchez/Volvo Ocean Race / Volvo Ocean Race

Com 67 horas de atraso, os velejadores da Volvo Ocean Race partiram de Auckland, na Nova Zelândia, às 18h desta terça-feira (horário de Brasília) rumo a Itajaí, no Litoral Norte de SC. A viagem, que já era considerada a mais difícil da regata, pelo fato de o trajeto contar com ondas grandes e os ventos fortes e gelados dos mares do Sul, agora está sujeita a uma força a mais no Oceano Pacífico, o ciclone "Pam".

::: Leia todas as notícias da Volvo Ocean Race
::: Programação da Volvo em Itajaí terá foco na gastronomia e shows locais
::: Ciclone adia largada da Volvo Ocean Race na Nova Zelândia

Apesar das tripulações terem escapado do pior do ciclone, as equipes ainda vão se deparar com as condições mais difíceis das nove pernas, velejando pelo Oceano Antártico.

— Os barcos terão de enfrentar entre 25 e 35 nós de vento (o equivalente a 46 e 65 quilômetros por hora) para a maior parte do tempo, até dobrar o Cabo Horn (início da América do Sul) — informou o meteorologista oficial da regata, Gonzalo Infante, pouco antes da partida.

O ciclone "Pam" que forçou o adiamento da largada no domingo, causou pelo menos 11 mortes em Vanuatu.

A quinta etapa da Volvo Ocean Race, entre Aukland e Itajaí, tem cerca de 12.550 quilômetros de distância. A previsão da organização, é que os veleiros levem três semanas para aportar no Litoral Norte de Santa Catarina. A perna também é um dos principais motivos pelos quais os velejadores competem. O percurso leva os barcos perto de Point Nemo, o lugar mais remoto da terra, no Pacífico Sul, onde a humanidade mais próxima pode ser encontrada nas estações espaciais que patrulham a terra.

::: Coluna e página especial retratam as emoções da Volvo Ocean Race

Na fase final da etapa, os veleiros retornam ao Atlântico _ pela primeira vez desde novembro _, quando vão passar pelo Cabo Horn, na ponta da América do Sul. Esse é o trecho mais aguardado pelos velejadores. O local é um marco para os marinheiros, apesar de já ter feito muitas vítimas. No local, as ondas podem atingir até 30 metros de altura.

O percurso entre Auckland e Itajaí é visto como chave na Regata de Volta ao Mundo.

— Vai ser a primeira vez que toda a frota vai lidar com um vento forte por um longo período. O caminho para Horn é importante, porque é aí que a corrida vai ser ganha ou perdida — observa o navegador do Abu Dhabi Ocean Racing, atual líder, Simon Fisher.

Em 2012, sem ciclone, os veleiros encontraram bastante dificuldade no percurso até Itajaí. A equipes espanhola e neozelandesa foram obrigadas a fazer reparos no meio do caminho, a francesa teve de improvisar o mastro após ter o equipamento quebrado e a chinesa desistiu da etapa por problemas na embarcação. 

A expectativa é que os barcos cheguem a Itajaí em 7 de abril.

Brasileiro na regata

O catarinense André Fonseca, o Bochecha, que é o timoneiro do barco de bandeira espanhola, o MAPFRE, não escondia a empolgação antes da largada.

- Todos os velejadores querem disputar essa etapa, pois passa pelos mares do Sul e pelo Cabo Horn. É uma marca importante na carreira do atleta. Adoramos pegar ondas grandes. Passamos frio e fome, mas nos divertimos - disse.

Morador de Florianópolis, Bochecha não vê a hora de pisar em Itajaí.

- Estou ansioso para chegar ao Brasil. Faz tempo que não vou pra casa. Vou chegar logo logo no meu país e no meu estado. Estou louco por um churrasco", brincou o timoneiro.

A Volvo Ocean Race também conta com uma quase brasileira. Carolijn Brouwer corre no Team SCA, barco só de mulheres na aventura. A atleta holandesa morou por mais de uma década no Brasil.

- É sempre uma etapa com muita tensão e nervos. Os pontos de gelo - ice gates - estarão bem mais ao Sul. Vamos pegar muito frio e vento. Nosso objetivo é chegar em Itajaí com o barco inteiro, conta a velejadora, que participou da edição 2011-2012.

O SOL DIÁRIO - O SOL DIÁRIO

Notícias Relacionadas

Regata Volta ao Mundo 16/03/2015 | 14h55

Velejadores da Volvo Ocean Race partem nesta terça-feira para Itajaí

Largada ocorre em Auckland, na Nova Zelância, após três dias de atraso em função de um ciclone

 
O Sol Diário
Busca