Crianças de Balneário Camboriú participam de projeto inovador com robô de brinquedo - O Sol Diário

Educação26/05/2017 | 12h58Atualizada em 29/05/2017 | 09h27

Crianças de Balneário Camboriú participam de projeto inovador com robô de brinquedo

Por meio da ferramenta, elas aprendem mais sobre matemática, programação e raciocínio lógico

Crianças de Balneário Camboriú participam de projeto inovador com robô de brinquedo Celso Peixoto/Divulgação
Foto: Celso Peixoto / Divulgação

Alunos da educação infantil de Balneário Camboriú estão participando de um projeto inédito no país com o auxílio de um robô de brinquedo. Por meio da ferramenta, elas aprendem mais sobre matemática, programação, além de desenvolverem raciocínio lógico, cooperação e outras habilidades. O projeto Rope – Brinquedos de Programar foi lançado esta semana e é uma parceria entre a prefeitura com a Universidade do Vale do Itajaí (Univali) e o Ministério Público (MP). 

Os três primeiros robôs foram entregues aos alunos do Núcleo de Educação Infantil (NEI) Carrossel, no bairro Nações. O brinquedo, voltado para crianças entre quatro e sete anos, é um robô revestido com madeira que obedece aos comandos programados por meio de cinco botões. Quatro deles dão comandos direcionais: andar para frente, para trás, girar para direita e para esquerda, o quinto botão inicia a execução da sequência de movimentos. 

A iniciativa começou a ser desenvolvida há três anos e envolveu acadêmicos, professores, mestrandos e doutores da Univali. André Luiz Maciel Santana obteve seu título de mestre em computação aplicada com sua dissertação sobre a análise e o desenvolvimento do Rope. Ele explica que foram realizadas pesquisas acadêmicas e, depois, teve início o protótipo do brinquedo, O projeto do professor André Luis Raabe, que coordena o Laboratório de Inovação Tecnológica na Educação (Lite), da Univali. 

No ano passado, o projeto recebeu apoio do Ministério Público de Balneário Camboriú para a parte financeira, o que possibilitou a doação dos robôs para os núcleos de educação infantil da cidade. A ferramenta é baseada em projeto semelhante desenvolvido na Inglaterra. Cada robô importado custaria cerca de R$ 600. Com a produção no Lite, o Rope sai por cerca de R$ 150. Até o fim do ano, mais 10 NEIs devem receber o brinquedo.

Foto: Celso Peixoto / Divulgação

Didática

O Rope permite trazer a tecnologia para a sala de aula, de maneira divertida e lúdica, sem a necessidade de uso de computadores. Por meio do robô, podem ser trabalhados conceitos como a resolução de problemas, número, estimativas, a lateralidade e outros aprendizados fundamentais na fase do desenvolvimento infantil. 

Com a ferramenta, o professor pode modelar as atividades e desafios, nas quais o robô seria o personagem principal. Para estimular a criatividade dos alunos, eles também podem compor seus próprios cenários e narrativas. Santana destaca que o desenvolvimento do projeto se deu em contato constante com as crianças e os professores. 

O nome Rope faz uma alusão à palavra hope, em inglês, que significa esperança, mas também é uma sigla para o nome técnico da ferramenta: Robô Programável Educacional. Santana explica que a ideia é que cada localidade batize o robô de uma forma diferente, para que haja uma identidade com as crianças.

Foto: Celso Peixoto / Divulgação

Para os pais que se interessaram pela didática e tiverem quiserem estimular os filhos em casa, será lançada uma versão digital do Rope, que ainda não está publicada. Enquanto isso, é possível usar programas que têm o mesmo princípio:

Light Bot - É muito semelhante ao Rope, por meio dele é possível determinar uma sequência de movimentos para que o robô chegue ao seu objetivo final e acenda a luz. Conforme a dificuldade da fase aumenta, é possível criar funções de movimentos. O jogo está disponível para computador e celular.

Code.Org - O site agrega ferramentas que permitem à criança desenvolver códigos de programação. Estão disponíveis jogos que têm desde robôs até personagens conhecidos, como Minecraft, Moana, Frozen, Meninas Super Poderosas e Star Wars.

Khan Academy - A ONG tem como missão fornecer educação gratuita para qualquer um, em qualquer lugar, e oferece uma coleção de mais de 3,8 mil vídeos de matemática, medicina e saúde, economia e finanças, física, química, biologia e ciência da computação. É possível, por exemplo, aprender a desenhar usando códigos de programação.

Leia também:

Escolas de SC adotam jogos eletrônicos consagrados como metodologia de ensino

Catarinense entra para o Guinness por terminar Super Mario World em 1 minuto

Florianópolis é considerada a cidade mais nerd do país pelo segundo ano consecutivo


Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioVolvo Ocean Race estreia com polêmica envolvendo barco de brasileiros https://t.co/FcG3tHeIoghá 1 horaRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioRegata volta ao mundo é responsável pela reinvenção do turismo em Itajaí https://t.co/mEuHGasYINhá 5 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros