Traição e racha por dinheiro são parte da história do PGC - Segurança - O Sol Diário
 
 

A Máfia Das Cadeias15/04/2013 | 22h51

Traição e racha por dinheiro são parte da história do PGC

Dízimo arrecadado pela facção gera disputa entre criminosos.

O estatuto do Primeiro Grupo Catarinense (PGC) apregoa algo difícil de acreditar: a lealdade entre criminosos.

A facção vende a ideia de que trata-se de uma fraternidade, na qual é possível confiar o destino e a própria vida aos irmãos, mesmo sendo eles assaltantes, traficantes, assassinos e sequestradores.

Mas na prática, a situação é bem diferente. A história da organização criminosa é repleta de rachas e traições. E o dinheiro é o principal calcanhar de Aquiles do PGC.

Até 2012, as finanças da facção eram administradas por um tesoureiro-geral. Ficava a cargo dele comprar as armas usadas em assaltos, drogas que abastecem os pontos de tráfico no Estado, pagar os advogados, ajudar as famílias de detentos e financiar os atentados que aterrorizaram Santa Catarina.

Ocorre que os recursos arrecadados nem sempre são aplicados nas finalidade citadas pelo estatuto dos bandidos.

O DC apurou casos de quatro tesoureiros que fugiram com as economias do PGC. André Vilain, o Vila, por exemplo, desviou tanto dinheiro da organização que precisou buscar refúgio no Paraguai. Quando voltou ao Estado, terminou preso e, ao chegar na penitenciária, foi direto para a ala dos jurados de morte pelo PGC.

Giovani dos Santos Niches, Dilson Dias e Davi Schroeder são outros três que seguiram o mesmo caminho: traíram os "irmãos" e, para viver, nunca mais foram misturados aos integrantes da quadrilha. Entre outros traidores, estão os que usam dinheiro da facção para comprar carros e cocaína. Estes também se tornam decretados pelo grupo.

Diante dos reiterados desfalques no caixa, a facção precisou mudar a maneira de administrar suas finanças. Ao invés de um único responsável, houve uma aposta na descentralização da tesouraria.

Núcleos regionais foram criados para que uma traição não leve a um desfalque total. Ainda assim, uma pessoa fica encarregada de coordenar a contabilidade para saber quanto dinheiro existe à disposição do PGC.

Esta função é desempenhada por Sebastião Carvalho Walter, o Polaco, membro do primeiro ministério do PGC.

DIÁRIO CATARINENSE

Notícias Relacionadas

PGC 13/04/2013 | 13h31

Chamados de "gravatas", advogados participam da articulação dos crimes

Advogados levam cartas, recados e até cartões micro SD

Facção criminosa 13/04/2013 | 13h31

Interceptações telefônicas confirmam advogados trabalhando em favor do PGC

Nelson de Lima, o Setenta, apareceu em grampos da Deic mantendo contatos com preso

Gravatas do crime 13/04/2013 | 09h57

Advogadas presas em Joinville suspeitas de envolvimento com PGC têm alvará de soltura expedido

Outros três advogados suspeitos de serem mensageiros da facção criminosa permanecem detidos

Gravatas do crime 13/04/2013 | 09h33

Gravações comprovam que advogados levavam e traziam informações aos integrantes do PGC presos

Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) afirma que eles estavam envolvidos com o crime organizado

Mais sobre

Veja também

O Sol Diário
Busca