Julgamento de 98 réus dos atentados entra na reta final - Segurança - O Sol Diário
 
 

Crime organizado01/11/2013 | 20h16

Julgamento de 98 réus dos atentados entra na reta final

Acusação e defesa ganham 15 dias para últimas alegações antes da sentença

Julgamento de 98 réus dos atentados entra na reta final Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Mais de 100 atentados foram ordenados por facção criminosa no Estado Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

A ação penal do maior julgamento da história de Santa Catarina entrou nas alegações finais. A Justiça deu prazo de 15 dias ao Ministério Público e aos advogados de defesa dos 98 réus para que se manifestem sobre os atentados a ônibus e prédios policiais no Estado.

O processo tramita em Blumenau. Na quinta-feira, a juíza da 3ª Vara Criminal, Jussara Schittler dos Santos, encerrou a fase de instrução. Assim, as defesas não podem mais reivindicar o excesso de prazo na tentativa de soltar os acusados.

— Não há que se falar em excesso de prazo na formação da culpa. Há que se considerar que são 98 o número de denunciados, vários são os defensores que atuam no processo e inúmeros foram os pedidos realizados até agora — registrou a juíza na decisão.

No mesmo despacho, ela negou a revogação das prisões preventivas de Marisol Milene Antunes, Simone Saturnino, Rogério Saturnino e Maycon Saturnino.

O promotor do caso, Flávio Duarte de Souza, afirma que resta a análise final de toda a prova colhida para decidir sobre a condenação dos envolvidos. Ele mantém a expectativa que a sentença seja proferida antes do final do ano em relação a parte dos réus.

Um dos advogados que atua na defesa, Francisco Ferreira, questiona o fato de testemunhas de defesa de Florianópolis não terem sido ouvidas antes do fim da instrução.

A juíza relatou que eventuais cartas precatórias das testemunhas deverão ser juntadas e não impedirão o adiamento da sentença, que será dada em gabinete.

Houve prisões desde fevereiro pela Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic). Os réus foram apontados pela polícia como integrantes da facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense (PGC), respondem por formação de quadrilha e associação para o tráfico de drogas.

Em setembro, um grande aparato policial foi montado para ouvir os réus numa sala montada como tribunal dentro da penitenciária da Canhanduba, em Itajaí. Os réus mais perigosos estão na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte.

DIÁRIO CATARINENSE

Notícias Relacionadas

Salve Geral 08/09/2013 | 17h54

Complexo da Canhanduba, em Itajaí, recebe os últimos ajustes para o início das audiências

Réus no processo que apura os atentados no Estado começam a ser ouvidos nesta segunda

Crime organizado 24/08/2013 | 09h51

Megaoperação tenta julgar 98 acusados de atentados no Estado

Mobilização busca evitar demora no julgamento e ouvirá envolvidos em assassinato, incêndios e ataques a bases policiais.

Fórum de São José 11/07/2013 | 07h02

Começam nesta sexta-feira audiências de julgamento de acusados de matar agente

Presos do PGC serão interrogados por videoconferência.

Atentado à segurança 30/10/2012 | 16h03

Polícia prende três suspeitos de participar do homicídio de agente prisional

Maiores detalhes serão divulgados nesta tarde na Deic, para onde else foram levados

Segurança ameaçada 29/10/2012 | 12h53

Morte de agente prisional na Grande Florianópolis não intimida a polícia, diz governo catarinense

Força tarefa trabalha na tentativa de identificar assassinos de Deise Fernanda Melo Pereira Alves

Atentado à segurança 28/10/2012 | 21h52

Inteligência do governo de SC sabia desde 2010 sobre ameaças de morte à agente e diretor de penitenciária

A ordem de execução da agente teria partido de dentro da penitenciária na sexta-feira pela manhã

Violência na Grande Florianópolis 27/10/2012 | 15h11

Perfil: agente penitenciária assassinada fazia parte da secretaria de Segurança Pública há 10 anos

Deise Alves era casada com diretor da penitenciária em São Pedro de Alcântara e não tinha filhos

O Sol Diário
Busca