Líder do PGC preso na Penitenciária Federal de Mossoró está em Santa Catarina como réu de júri popular - Segurança - O Sol Diário
 
 

Facção criminosa 13/11/2013 | 22h45

Líder do PGC preso na Penitenciária Federal de Mossoró está em Santa Catarina como réu de júri popular

Geovane dos Santos Niches foi condenado nesta quarta-feira pelo homicídio de Alex Amaral de Castro, executado com 15 tiros

Líder do PGC preso na Penitenciária Federal de Mossoró está em Santa Catarina como réu de júri popular Charles Guerra/Agencia RBS
De camisa cinza e cabeça raspada o detento Geovane dos Santos Niches, conhecido como Geovane Bomba Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

Aparentando força física e vestindo camiseta e calça jeans, Geovane dos Santos Niches, o Geovane Bomba nem parecia um presidiário ao entrar no Tribunal do Júri de São José, na tarde desta quarta-feira, dia 13.

Um dos 40 líderes da facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense (PGC) transferidos para a Penitenciária Federal de Mossoró (RN), em fevereiro, chegou nesta terça-feira, dia 12, em Santa Catarina.

O júri começou por volta das 9h e terminou às 22h10min. Geovane foi condenado a 14 anos de prisão pelo homicídio de Alex Amaral de Castro, executado com 15 tiros, em 30 de maio de 2010, em São José. A qualificadora foi a da surpresa, em que a vítima não tem possibilidade de defesa.

Dois dos 14 anos de sua pena são por reincidência. Geovane Bomba foi condenado a 13 anos de prisão pela morte de Adriano Roberto da Silva, na praia da Joaquina, em 2005.

Não fosse pelas algemas e pela escolta de quatro agentes penitenciários federais vestidos de preto e armados com taser e pistola, um dos articuladores e tesoureiro do PGC poderia ser confundido com alguém em liberdade.

Ao contrário dos outros dois réus Everton Jacinto dos Santos e Leonardo de Oliveira, presos na Penitenciária de Florianópolis, magros e com a pele levemente amarelada pela falta de sol. Everton foi condenado a 12 anos com a mesma qualificadora de Geovane. Leonardo foi absolvido.

Nestes três dias em SC, Geovane Bomba está detido na Penitenciária de Florianópolis, unidade onde atuava como disciplina da facção até ser transferido para Mossoró. Ele é acusado de realizar ataques à Secretaria da Justiça e Cidadania.

DIÁRIO CATARINENSE

Notícias Relacionadas

A Máfia Das Cadeias 15/04/2013 | 22h51

Traição e racha por dinheiro são parte da história do PGC

Dízimo arrecadado pela facção gera disputa entre criminosos.

A Máfia das Cadeias 11/04/2013 | 22h50

Conheça os 40 líderes do PGC transferidos para penitenciárias federais

Eles estão envolvidos nos atentados e foram encaminhados para Regime Disciplinar Diferenciado

30/05/2010 | 17h28

Homem é assassinado com 17 tiros em São José

Disparos atingiram cabeça, braços, pernas, pescoço, abdômen, tórax e costas

O Sol Diário
Busca
Imprimir