Receita Federal faz a maior apreensão de cocaína da história de SC no porto de Navegantes - Segurança - O Sol Diário
 
 

Tráfico internacional06/05/2016 | 17h02Atualizada em 06/05/2016 | 21h27

Receita Federal faz a maior apreensão de cocaína da história de SC no porto de Navegantes

Quase uma tonelada da droga estava escondida em blocos de granito

Receita Federal faz a maior apreensão de cocaína da história de SC no porto de Navegantes Lucas Correia/Agencia RBS
Foto: Lucas Correia / Agencia RBS

Atualizada

A Alfândega da Receita Federal de Itajaí apreendeu nesta sexta-feira um carregamento de quase uma tonelada de cocaína, que seria exportada para a Espanha. A carga estava escondida em blocos de granito e dividida em oito contêineres, que aguardavam embarque no terminal portuário de Navegantes (Portonave).

Os blocos foram abertos em uma operação que levou mais de quatro horas. A apreensão é uma das maiores já feitas no país – a maior em Santa Catarina.

De acordo com o inspetor-chefe da Receita Federal em Itajaí, Gustavo Robetti, as investigações levaram a carga a ser incluída nos canais de risco, que exigem verificação mais cuidadosa. 

Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Primeiro os contêineres passaram por scanners, que indicaram uma possível irregularidade. Os blocos foram descarregados e farejados pelo cão Lobo, do 1º Batalhão da Polícia Militar de Itajaí, que prestou apoio à operação. Os fiscais perceberam que havia possibilidade de abrir os blocos, e encontraram a droga escondida.

A Receita Federal não informou quem é o exportador, para não atrapalhar o andamento do processo. Ele será responsabilizado pela carga na esfera civil. As investigações criminais ficarão sob responsabilidade da Polícia Federal.

O delegado chefe da Polícia Federal em Itajaí, Alexandre Braga, disse que uma apreensão desse volume de drogas é difícil ocorrer:

– Apreensões desse quilate são raríssimas. Só vemos algo parecido nos Estados Unidos, casos de cartéis colombianos que enviam drogas em pequenos submarinos ou grandes cargueiros. Uma quantidade dessas é impressionante.

Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Os tabletes recolhidos pela Receita têm uma marca, que pode indicar a que grupo criminoso pertenciam. O responsável pela carga será enquadrado em crime de tráfico internacional, considerável gravíssimo e similar ao crime hediondo, com penas de até 15 anos de prisão.

Esta não é a primeira apreensão deste tipo no país. Em 2011, a Polícia Federal descobriu uma quadrilha que usava blocos de granito para enviar drogas à Europa no Espírito Santo. Com o grupo foram recolhidos 181 kg de cocaína.

Foto: Lucas Correia / Agência RBS


Veja também

O Sol Diário
Busca