Velas, flores e lágrimas após ataque em Munique - Segurança - O Sol Diário

Violência23/07/2016 | 18h40Atualizada em 23/07/2016 | 19h06

Velas, flores e lágrimas após ataque em Munique

No meio do silêncio, uma jovem desolada, amparada por parentes, deixa escapar um sinal de dor e cai nas escadas que levam ao shopping

Velas, flores e lágrimas após ataque em Munique SVEN HOPPE/AFP
Foto: SVEN HOPPE / AFP
AFP
AFP

Muitos moradores de Munique se recolheram neste sábado em uma atmosfera de dor no local que comoveu toda a Alemanha. Na entrada do shopping próximo ao estádio dos Jogos Olímpicos de 1972 e nos locais onde, na sexta-feira, pairou o terror causado pelo jovem germano-iraniano de 18 anos David Ali Sonboly, as flores e as velas se acumulam em homenagem às nove pessoas mortas por ele.

Leia mais
Polícia diz que não encontrou provas de ligação entre atirador e grupo EI
Governo do Brasil condena e repudia ataque em Munique 
"Não tem ninguém nas ruas": veja relatos de quem está em Munique 

No meio do silêncio, uma jovem desolada, amparada por parentes, deixa escapar um sinal de dor e cai nas escadas que levam ao shopping. Pedestres e moradores permanecem petrificados. Um homem de quarenta anos, nesse mesmo momento, começa a chorar nos braços de sua amiga. Nos rostos, muitas lágrimas.

— Estamos todos muito abalados. Vivemos nesse bairro, as crianças costumam vir fazer suas compras aqui. Para nós é um lugar muito familiar — confessa Alexa Gattinger, de 43 anos, com seus três filhos a seu lado. 

Georg Schäfer, de 39 anos, também é assíduo no local. 

— Queria estar aqui, mostrar meu apoio. Muitos jovens morreram por causa de um louco. Temos que nos reunir, ficar juntos — assegura.

O ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, com o rosto cansado, também foi a Munique para mostrar o "apoio do governo, dos alemães (...) aos pais que choram por seus filhos, ao jovens que choram por seus amigos de escola".

— Será preciso transformar o estilo de vida? É muito cedo para tirar conclusões" — afirmou. 

Um pouco mais longe, na entrada do metrô, as flores são vistas aos montes. "So sorry" ("Tão triste"), pode ser visto em umas das velas. "Warum?" ("Por que?"), pergunta uma mensagem anônima. Logo ao lado, Amir Najjarzadeh, um vigia de origem afegã, se encontra ainda comovido pelo o que viveu no dia anterior. Ele trabalha a alguns metros do local do ataque, em outro shopping.

— Pensei: "Já era, está como em Paris" — recorda, fazendo alusão aos atentados de novembro de 2015, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) e que custaram a vida de 130 pessoas em restaurantes e em uma casa de shows na capital francesa.

— Vi muita gente correndo até nós, abrigando-se em nosso shopping. Fechei a porta, ajudei um determinado número de pessoas a sair por outra porta e uns 100 ou 150 a se refugiarem no subsolo — explica.

Uma vez de novo no térreo, a polícia coloca-o no chão antes de deixá-lo livre, enquanto buscavam sua identidade.

— Desde então não dormi, tudo isso me perturba — confessa o vigia, ainda estremecido.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioEleições 2016: polarização e promessas de parcerias para investimentos marcam debate entre candidatos a prefe... https://t.co/Or6sIxmvVchá 7 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMulher morre atropelada na SC-401 https://t.co/frWuAC4JYNhá 7 horas Retweet

Veja também

  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros