Bancário acusado de matar a própria esposa em Florianópolis vai a júri popular 10 anos depois do crime - Segurança - O Sol Diário

Justiça19/08/2016 | 15h35Atualizada em 19/08/2016 | 15h47

Bancário acusado de matar a própria esposa em Florianópolis vai a júri popular 10 anos depois do crime

Caso ficou parado por anos à espera de decisão de recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Bancário acusado de matar a própria esposa em Florianópolis vai a júri popular 10 anos depois do crime Cristiane Serpa/Agencia RBS
Carro do bancário após o acidente, em 2006 Foto: Cristiane Serpa / Agencia RBS

Dez anos depois da morte da artesã Yara Margareth Paz Steinbach, que na época tinha 28 anos, em Florianópolis, o processo na Justiça será julgado no dia 29 de setembro no Fórum da Capital. O acusado é o bancário e engenheiro elétrico Paulo Eduardo Costa Steinbach, hoje com 43 anos, então marido da vítima.

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense

Ele foi apontado pela polícia como responsável por ter jogado o carro contra a esposa e esmagá-la no muro em frente a um clínica no Bairro Itaguaçu. Steinbach ficou preso por um ano, quando a defesa conseguiu um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF). Desde então ele está solto.

A morte da artesã ocorreu em 13 de novembro de 2006. Yara foi atropelada pelo marido após uma discussão por ciúmes em frente à clínica. Dentro do carro estavam duas crianças, sendo uma filha dos dois e outra filha de outra relação da vítima.

Ela foi socorrida pelos médicos que estavam no local e levada para o hospital, mas não resistiu a um traumatismo craniano. Uma das crianças que estava no carro teve um corte no rosto. O bancário foi preso em flagrante e responde pelo crime de homicídio qualificado.

Recursos prolongaram processo

Diante do alto número de recursos da defesa, o caso se estendeu por 10 anos. Em 2013 ele chegou a ser arquivado administrativamente até que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgasse um habeas corpus da defesa que pedia a anulação da decisão inicial de levar o bancário a júri. O julgamento no STJ ocorreu apenas em julho deste ano. O órgão negou o pedido e manteve o julgamento popular.

O advogado de Steinbach, Acacio Marcel Marca Sarda, afirma que o processo deveria ser anulado por conta de uma decisão dada pelo Tribunal de Justiça em um dos primeiros pedidos de habeas corpus feitos por ele. Isso porque, explica Sarda, o mesmo procurador que inicialmente fundamentou a posição do Ministério Público foi o que, depois de escolhido para o cargo de desembargador, decidiu por negar o pedido do defensor. O júri, inclusive, já teria sido adiado uma vez em 2010 por conta disso. Desde então o recurso tramitava no STJ.

O defensor alega que o bancário não teve a intenção de matar a esposa. Na versão da defesa, Steinbach teria visto a artesã com um amante e ficado transtornado com a situação. Depois da discussão, o advogado diz que o bancário foi manobrar o carro para sair sem a esposa e acabou atingido a vítima contra a parede.

Na época do crime, a família disse Yara se mostrava feliz e falava que estava bem no casamento. Uma irmã dela afirmou que "ele era a pessoa que ela tinha encontrado para ser feliz, e parecia ótimo marido".

Maria da Penha: "A mulher morre onde ela deveria ser protegida"

Steinbach será julgado às 9h de 29 de setembro. O caso de Yara foi um dos primeiros no Estado a ser enquadrado dentro da Lei Maria da Penha, sancionada três meses antes da morte dela. A legislação criou mecanismos para coibir a violência doméstica contra a mulher.

 

Veja também

  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros