Com previsão de dois dias de duração, júri de ex-PM que matou Ricardinho começa nesta quinta - Segurança - O Sol Diário

Justiça14/12/2016 | 10h09Atualizada em 14/12/2016 | 11h53

Com previsão de dois dias de duração, júri de ex-PM que matou Ricardinho começa nesta quinta

Acesso ao salão do júri em Palhoça será restrito e terá distribuição de senhas para o público em geral

Com previsão de dois dias de duração, júri de ex-PM que matou Ricardinho começa nesta quinta Marco Favero/Agencia RBS
Ricardinho foi morto em 19 de janeiro de 2015 Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Começa nesta quinta-feira, às 9h, no Fórum de Palhoça, o júri popular do ex-policial militar Luis Paulo Mota Brentano, que matou o surfista Ricardo dos Santos, o Ricardinho, em 19 de janeiro de 2015, na Guarda do Embaú. Ele será julgado por homicídio triplamente qualificado e embriaguez ao volante. Se for condenado, Mota pode pegar até 30 anos de prisão. O acusado era policial até setembro do ano passado, quando foi expulso pelo Comando-Geral por ter matado o surfista.

A previsão da juíza da 1ª Vara Criminal de Palhoça, Carolina Ranzolin Nerbass Fretta, que comandará a sessão, é que o julgamento dure dois dias. Por isso, os sete jurados, que serão escolhidos entre as 25 pessoas previamente selecionadas, vão ficar hospedados em um hotel da cidade. Eles ficarão sem acesso a outras pessoas e eletrônicos.

Na acusação irá atuar o promotor Alexandre Carrinho Muniz, com assistência dos advogados Adriano Salles Vanni e Cecília de Souza. A defesa ficará a cargo de Leandro Gornicki Nunes e Rafael Siewert. As duas partes indicaram 23 testemunhas para prestar depoimento, sendo que uma delas, o irmão do ex-soldado, é comum entre elas. O adolescente foi intimado pois estava com Mota no dia do crime.

Os primeiras a falar são as testemunhas de acusação. Depois respondem às perguntas as testemunhas de defesa. Em seguida o ex-PM falará. Por fim, defesa e promotor terão espaço para os debates com réplica e tréplica.

O acesso ao salão do tribunal do Júri será restrito. Dos 178 lugares no espaço, 108 delas serão destinadas a familiares da vítima e do acusado, advogados, integrantes do Ministério Público e imprensa. O público em geral poderá ocupar 70 cadeiras.

Para isso, haverá distribuição de senhas a partir das 7h30min desta quinta-feira. Segundo o Tribunal de Justiça (TJ), "haverá esquema de segurança condizente com as circunstâncias do júri".

Ex-PM acusado de matar Ricardinho, Luis Paulo Mota Brentano Foto: Reprodução / Facebook

Defesa alega legítima defesa, acusação refuta hipótese

O julgamento de Mota tende a se focar na hipótese levantada pela defesa de que o ex-policial teria agido em legítima defesa. Essa é a tese apontada pelos advogados dele desde o início do inquérito. O acusado não nega que matou Ricardinho, mas alega que fez isso para se defender pois o surfista e seu avô estavam com um facão.

O Ministério Público, no entanto, refuta essa hipótese. Diz que a arma citada por Mota não foi encontrada no local do crime e testemunhas descartam tal ação. Para embasar tal justificativa, a defesa pretende levar ao júri uma pessoa que diz ter visto o facão. A mesma testemunha já depôs na fase de instrução do processo criminal.

A denúncia de Muniz pede que Mota seja condenado por homicídio triplamente qualificado por alegar que o ex-policial agiu por motivo fútil, impossibilitou a defesa da vítima e expôs outras pessoas ao redor ao perigo. Ricardinho foi morto com três tiros.

Mota está detido em batalhão da PM

Desde que foi preso, o ex-soldado está detido no 8º Batalhão da PM, em Joinville, onde era lotado. Se for condenado, o promotor Muniz estuda pedir a transferência dele para uma unidade prisional administrada pelo Departamento Estadual de Administração Prisional (Deap).

No entanto, isso pode ocorrer somente depois que, caso ele for condenado, o Tribunal de Justiça confirme a pena em segunda instância. A juíza responsável pelo caso negou o pedido inicial do MP para que Mota fosse para um presídio por conta do risco a que ele estaria exposto por ser ex-policial. Para evitar problemas, Muniz pretende pedir a transferência para uma unidade com cela especial.

Leia mais:
 
Saiba os feitos de Ricardinho: entre eles, bater Slater no Taiti
Brincalhão, família e apaixonado pelo surfe: este é Ricardinho
Há três anos, soldado Mota teve porte de arma suspenso

Relembre o caso

O crime ocorreu no dia 19 de janeiro de 2015. Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), o então policial militar Luis Paulo Mota Brentano estava na Guarda do Embaú, em Palhoça, passando férias com o irmão de 17 anos. No dia anterior, afirma o MP, os dois teriam ingerido bebidas alcoólicas de maneira excessiva até a manhã seguinte.

Por volta de 8h, Mota teria dirigido o próprio carro embriagado até a entrada de uma residência, exatamente onde seria feita por Ricardinho uma obra de encanamento. Depois disso, relata a denúncia, o surfista e o avô, Nicolau dos Santos, teriam pedido ao policial que retirasse o veículo do local, mas Mota se negou e chegou a afrontá-los.

Do interior do veículo, explica a denúncia feita pelo Ministério Público de Santa Catarina, o policial teria atirado três vezes contra Ricardinho, sendo que duas balas atingiram o surfista. Leandro Nunes, advogado de defesa do acusado, afirma que Mota reagiu em legítima defesa, ¿diante de ataque de Ricardo dos Santos¿.

Leia mais:
Um ano após morte de Ricardinho, mundo do surfe reverencia legado do atleta
Guarda do Embaú se uniu após morte do surfista Ricardinho
Conheça os feitos de Ricardo dos Santos no surfe
Surfista Ricardinho completaria 25 anos em 2015

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioFigueirense terá de se impor em casa para retomar vitórias, diz Dudu https://t.co/6JqOhUBJQ3há 46 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioInvestigação sobre ataque de Manchester avança com novas detenções https://t.co/hd2OTLHTZOhá 1 horaRetweet

Veja também

O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros