Júri de ex-PM é retomado com depoimento de socorristas e policiais - Segurança - O Sol Diário

Caso Ricardinho15/12/2016 | 14h44Atualizada em 15/12/2016 | 16h40

Júri de ex-PM é retomado com depoimento de socorristas e policiais

Durante a tarde, mais 13 pessoas indicadas por defesa e acusação devem falar

júri popular de Luis Paulo Mota Brentano foi retomado às 13h30min desta quinta-feira depois de uma hora de almoço. Mota matou a tiros o surfista Ricardo dos Santos, o Ricardinho, em 19 de janeiro de 2015. O começo da tarde teve o depoimento de um bombeiro, um guarda-vidas civil e dois policiais militares moradores da Guarda da Embaú.

Nos questionamentos do advogados, promotor e juíza, o foco está no comportamento do surfista, na existência de um facão, como alegado pela defesa, e nas condições de Mota no dia do assassinato. Os dois primeiros a depor deram detalhes sobre como foi o socorro ao surfista logo após o crime, por volta de 8h.

O bombeiro disse ter sido a primeira pessoa a chegar no local para atender Ricardinho. Durante o atendimento, não viu outras pessoas ao redor. No chão, além de uma munição de calibre .40 deflagrada havia o pedaço de um retrovisor. Na conversa com o surfista, a única coisa dita pela vítima foi: "prata, carro prata". Ricardinho fazia referência ao carro do ex-soldado, um Citroen C4, com placas de Joinville, onde Mota morava. Momento depois, o surfista foi levado para a praia, onde o helicóptero Arcanjo, do Corpo de Bombeiros, o resgatou e levou para o hospital. A vítima veio a falecer horas depois.

O guarda civil foi quem ajudou o bombeiro no resgate. Seu depoimento corroborou com o que havia sido dito pela testemunha anterior. Depois veio um policial militar que morava em frente à pousada onde Mota estava hospedado no dia do crime. Ele contou que o ex-soldado chegou no local pela manhã transtornado e bateu no muro da casa. Momento depois, foi preso pela PM.

A quarta testemunha da tarde foi um dos policiais que estava de plantão no dia do crime. Para a juíza, promotor e advogados, falou sobre o atendimento à ocorrência.

Relembre o caso

O crime ocorreu no dia 19 de janeiro de 2015. Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), o então policial militar Luis Paulo Mota Brentano estava na Guarda do Embaú, em Palhoça, passando férias com o irmão de 17 anos. No dia anterior, afirma o MP, os dois teriam ingerido bebidas alcoólicas de maneira excessiva até a manhã seguinte.

Por volta de 8h, Mota teria dirigido o próprio carro embriagado até a entrada de uma residência, exatamente onde seria feita por Ricardinho uma obra de encanamento. Depois disso, relata a denúncia, o surfista e o avô, Nicolau dos Santos, teriam pedido ao policial que retirasse o veículo do local, mas Mota se negou e chegou a afrontá-los.

Do interior do veículo, explica a denúncia feita pelo Ministério Público de Santa Catarina, o policial teria atirado três vezes contra Ricardinho, sendo que duas balas atingiram o surfista. Leandro Nunes, advogado de defesa do acusado, afirma que Mota reagiu em legítima defesa, "diante de ataque de Ricardo dos Santos".

Leia mais notícias:

Júri começa com expectativa de embate sobre legítima defesa

Mãe de Ricardinho: "Não o conheço. E não conseguiria vê-lo"

Juíza proíbe imprensa de fazer imagens de ex-PM durante julgamento

"Tudo acabou naquele minuto, foi uma morte de graça", diz avô e testemunha da morte de Ricardinho

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMilton Cruz ressalta grupo do Figueirense e diz que já tem uma base para o ano que vem https://t.co/68bq1dF05whá 44 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol Diário"SC é um dos Estados com o melhor trabalho de inclusão", diz presidente do comitê paralímpico https://t.co/BLRAoL9CPVhá 1 horaRetweet

Veja também

O Sol Diário
Busca