Desembargadora apoia tese do Estado de prisão sem agentes fora do Complexo da Agronômica  - Segurança - O Sol Diário

Sistema prisional07/02/2017 | 19h21Atualizada em 07/02/2017 | 21h43

Desembargadora apoia tese do Estado de prisão sem agentes fora do Complexo da Agronômica 

Em reunião no Tribunal de Justiça, Estado se comprometeu em pedir à Casa Civil o apoio na busca por um terreno que possa abrigar o espaço 

Com a decisão do Estado em manter sua posição de rejeição à abertura de uma unidade de prisão sem agentes e armas da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) dentro do Complexo da Agronômica, em Florianópolis, uma reunião discutiu o assunto nesta segunda-feira no Tribunal de Justiça (TJ). Além de desembargadores e representantes da Secretaria de Justiça e Cidadania, que administra os presídios em Santa Catarina, estiveram no encontro voluntários que construíram o prédio para receber a Apac na Capital.

Depois de quase duas horas de debates, o consenso entre Justiça e Estado é de que a melhor opção é o funcionamento do novo modelo de prisão fora do Complexo da Agronômica. Com isso, o governo ficou de se reunir com a Casa Civil para procurar um terreno à disposição para a obra. A desembargadora Cinthia Schaefer Bitencourt, que coordenou o encontro, concorda com a tese do Estado, que não aceita o prédio no local construído pelos voluntários por haver naquele espaço outros tipos de custódia.

– Também defendo o modelo da Apac, mas, particularmente, acredito que seria mais eficaz se fosse implantado no interior do Estado, na região de Lages, onde temos perfil de preso que é diferente do Litoral. Na minha opinião, ali (Complexo da Agronômica) não é o local adequado, terá muito mais risco do que propriamente benefícios. Fora, até os reeducandos vão se sentir melhor — analisou a desembargadora.

A coordenadora do projeto das Apacs em Florianópolis, Leila Pivatto, diz que mesmo diante da posição contrária dada na reunião, ela não desistiu de instalar o modelo no Complexo. Ele pretende discutir com o Estado uma forma de melhorar a posição do pátio para banho de sol, que fica ao lado de uma oficina do presídio, o que foi apontado pelo secretário-adjunto de Justiça e Cidadania, Leandro Lima, como um complicador.

– A gente ainda vai tentar, não desisti totalmente. Se não der certo, vamos ocupar o prédio com oficinas, escola para os presos e cursos.

Leia também:

Governo de SC mantém recusa em autorizar abertura de prisão sem agentes: "Não abrimos mão"

Reuniões buscam acordo para abertura de prisão sem agentes e armas em Florianópolis

Voluntários concluem prédio para prisão sem agentes e armas em SC, mas Estado nega autorização

Com cadeias já superlotadas, país tem 564 mil mandados de prisão em aberto

Defensoria Pública analisará processos de 1,6 mil presos em Itajaí

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioHospital de Braço do Norte recebeu oito vítimas de incêndio em hotel https://t.co/pOOvQ0u4YNhá 9 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioClaudinei responde a Marquinhos: "Ele sabe onde é a minha sala" https://t.co/PaAXW3W9Bbhá 40 minutosRetweet

Veja também

O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros